sábado, 29 de maio de 2010

Visions Tour: Uma tour para conhecer a Linha 4 - Amarela



Saudações, seguidores! Como prometido, fui conhecer a Linha 4 - Amarela. Se fez uma grande expectativa acerca do nos esperava, e às vésperas, eu me encontrava bastante ansioso, já que iria conhecer um metrô sem condutores. O dia começou ainda na faculdade, quando terminou a aula, e parti direto para a estação Palmeiras-Barra Funda (Linha 3 - Vermelha). Junto comigo, meu colega Adriano. Enfim, não vou contar a viagem passo a passo, até porque isso ficaria tedioso. Desembarquei na estação Consolação (Linha 2 - Verde), uma vez que o Adriano foi para casa devido a compromissos, e estava acompanhado do meu amigo Fábio. Descemos as rampas da estação, que nos levaram até a estação Paulista (Linha 4 - Amarela). Notou-se que é uma estãção bem funda, semelhante a estação Alto do Ipiranga (Linha 2 - Verde). Ao chegar no mezanino da plataforma, a composição #401 estava de partida, e esse foi meu primeiro contato com o trem. Desci para a plataforma juntamente com o Fabio, e o que se viu foi uma estação bastante semelhante com a estação Sacomã (Linha 2 - Verde).



as diferenças maiores foram as cores, e os logotipos da Via Quatro, que nem de longe lembrar o logo do Metrô. Pois bem, em questão de minutos, chegou a composição #405, que estava na outra via. Pude ouvir os sons do trem, até então desconhecidos. O que mais chamou a atenção foi o som do ar condicionado, que se equipara ao trem Série 2000 da CPTM (Linha 11 - Coral). Com pouco, o #405 saiu, e lá vem de volta o #401. É chegada a hora de conhecer o trem da Rotem, a mais nova tecnologia recém desembarcada em São Paulo.



Alguns pontos devem ser expostos: a partida do trem não é das mais fortes, e o motor já apresenta certo desgaste (também, foram meses de testes...). Mais se parece que tem defeito na arrancada, mas nada que assuste. O freio também é bastante forte, o que causa certo desconforto aos passageiros que viajam em pé. Mas tudo isso, obviamente lembrando, ocorre porque o trem ainda faz testes no trecho. Ainda existe muita coisa a ser regularizada. Mas numa visão geral, é bastante interessante.
Seguindo a viagem, conheci o gangway (salão único) do trem, e pude passar entre os seis carros sem maiores problemas. O interessante é ver o trem fazendo uma curva, onde se percebe todo o trem, de ponta a ponta, em perfeita sincronia. Em 3 minutos e meio, chegamos ao ponto final: estação Faria Lima.



Não muito diferente da Estação Paulista, conta com as mesmas portas de plataforma, existentes também em Sacomã. Fui ao mezanino conhecer o espaço físico da estação, e nota-se bastante espaço. Pela construção, espera-se uma grande demanda para aquela estação, já que o mezanino conta com um grande espaço, não visto em outras estações do Metrô. Outro fator determinante são os bloqueios de vidro, que substituem as antigas ´´catracas``, trazendo mais tecnologia no embarque dos passageiros.



Numa visão geral, apesar de ter somente duas estações em funcionamento e outras duas em fase de construção (Oscar Freire e Fradique Coutinho), já nota-se que será uma linha de grande importância para o sistema metropolitano de transportes. A linha, em sua total funcionalidade, abrigará 16 composições, estendendo seus trechos até a Estação Luz, no centro da cidade, se integrando com a linha 1 - Azul do Metrô, e as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa e 11-Coral da CPTM. No sentido contrário, irá até Vila Sônia, na zona sul. Foi uma experiência bastante construtiva, já que nunca imaginei estar em um trem automático, sem operador de vigilância. É algo realmente interessante, e recomendo a todos que puderem visitar. Lembrando que a linha encontra-se em operação assistida, e não é permitida a integração de volta (Linha 4 para Linha 2). Quem quiser visitar, deverá sair da estação Paulista, virar a esquina da rua Consolação, entrar na Avenida Paulista e entrar novamente na Estação Consolação. Até o próximo post! Abraços ferroviários!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Depois de muita espera, Linha 4 enfim será inaugurada amanhã



Saudações seguidores! Hoje venho trazer para vocês uma notícia que é tão aguardada por nós que curtimos trens e ferrovias. Amanhã, dia 25 de Maio de 2010, entrará em operação a Linha 4 - Amarela do Metrô de São Paulo. A linha fará o trajeto Paulista - Faria Lima inicialmente, em período de testes. Quando estiver totalmente pronta, em meados de 2012, ligará a Luz até o bairro de Vila Sônia, na zona sul. Será o metrô mais moderno da América Latina, já que não irá contar com o condutores (Sistema Automático ´´Driverless``). Os trens, compostos de seis carros em aço inox, contarão com sistema gangway (passagem livre entre os carros), ar condicionado e câmeras de vigilância. Importados da Coreia do Sul (Hyunday - Rotem), as unidades chegaram ao Brasil no início do ano, desembarcando no porto de Santos. A Linha 4 - Amarela será inaugurada amanhã, as 12h00, na estação Paulista-Consolação. O acesso poderá ser feito na estação consolação da Linha 2 - Verde. Quem puder comparecer e quiser conhecer o novo metrô, esteja á vontade! A linha 4 - Amarela irá operar em caráter de testes, de segunda a sexta, das 09h as 15h. Quem não estiver no sistema de trens e metrô, poderá embarcar em uma das duas estações (Paulista ou Faria Lima), gratuitamente. Fica aí a dica para quem quiser conhecer e usufruir gratuitamente do mais novo integrante da frota ferroviária de São Paulo. Eu estarei presente na estação Paulista, na quarta-feira, as 12h, para conhecer e contar mais detalhes para vocês. Aguardem as novidades!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Trem Série 7000 circula normalmente em horários de pico



Por Diego Silva

Saudações seguidores! Hoje pude presenciar uma cena, que agora é difícil, mas que vai se tornar muito comum: o trem 7000 lotado. Por motivos técnicos, aconteceu uma falha na linha 7 - Rubi hoje, entre 05h e 08h. Estava na estação Luz às 07h30, e uma multidão se aglomerava na plataforma, à espera do trem que seguiria sentido Francisco Morato. Pela lógica, viria um trem série 1100, por conta da demora. O problema é que, a cada trem série 2000 (Linha 11-Coral) que chegava, a multidão aumentava em proporções catastróficas. Eis que aponta o trem série 7000 na curva de Júlio Prestes, e por conta da grande multidão, realizou a viagem de volta (normalmente, a CPTM recolhe o trem nessa viagem). Notável que, a multidão inteira coube dentro do trem, o que mostrou que temos em nossos trilhos um guerreiro, que vai carregar muita gente! O trem não sofreu na subida das oficinas da Luz, e quando terminou a subida, ganhou ares de Mafersa, na descida do Bom Retiro. Uma viagem muito agradável, se não fosse pela superlotação. Mas vale lembrar uma coisa: o trem é novo, mas os problemas de superlotação continuam. Seria uma excelente ideia a CPTM estender o serviço da Linha 11-Coral (Luz - Guaianazes - Estudantes) até a estação Palmeiras-Barra Funda, por conta da grande demanda que causa superlotações nos trens da linha 7-Rubi (Luz - Francisco Morato - Jundiaí). Mas, voltando ao trem, pelo menos na linha 7, o trem Série 7000 já se mostra preparado para as viagens do horário de pico. Enquanto isso, na linha 12-Safira, raras vezes vejo a outra composição da série 7000 em horários que não sejam os de vale. Temos em nossos trilhos uma magnífica composição, guerreira e brigadora, que mostrou que veio para ficar! Abraços ferroviários e até o próximo post!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Transporte de Cargas em Malha de Passageiros: Ferroanel é a solução?



Seguidores, é muito comum durante alguns horários específicos pararmos nossas viagens de trem por conta de locomotivas que estão à nossa frente. Muitos usuários se irritam com o fato de ter que esperar alguns minutos enquanto a locomotiva e seus incontáveis vagões estão manobrando, e pensando nisso, surgiu a questão-tema desse post. O governo do estado sugeriu há algum tempo a construção do Ferroanel, um projeto similar ao Rodoanel, que seria construído exclusivamente para cargas. Sabe-se que esse projeto ainda não saiu do papel, e não se imagina o quanto poderá demorar para ser construído, nem por onde nem quando. Construir uma ferrovia depende muito mais do que a boa vontade dos governantes. Poucos sabem que depende de uma aprovação da Assembleia Legislativa, de uma licença ambiental, de um alvará de construção, desapropriações nos locais de construção, preparação do terreno, compra de materiais, licitação de empresa construtora (pode levar ainda mais tempo...), e mais outros fatores, o que torna o projeto muito lento. Mas a ideia em si não é de todo mal, uma vez que o planejamento da CPTM, de reduzir os seus intervalos para no mínimo 3 minutos, dependerá exclusivamente desse projeto. Para aqueles que desconhecem, a CPTM não permite a passagem de trens cargueiros das 04h ás 09h (horário de pico da manhã), e das 18h às 20h (pico da noite). Das 00h às 04h, o movimento nos trilhos é exclusivo das locomotivas, uma vez que é o único tempo livre de circulação entre elas. Com o Ferroanel, cada qual terá o seu espaço demarcado, tornando a logística muito melhor distribuída. Trata-se de algo inovador, já que o país conta com poucos quilômetros de ferrovia, em vista de outros países menores que o Brasil. Outro fator determinante seria a melhor condição das vias permanentes da CPTM, que não receberiam mais as pesadas locomotivas das empresas concessionárias de cargas MRS e ALL. O Ferroanel poderá ser a solução, mas em quanto tempo? E depois de pronto, realmente estaremos livres dos trens de carga? É esperar para ver... Até o próximo post! Abraços Ferroviários.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Chega ao fim a era Toshiba em São Paulo


Por: Diego Silva

Saudações seguidores! Depois de um tempinho sumido, estou de volta trazendo uma notícia triste para vocês: o toshibinha se foi... Muitos rumores sobre o seu fim se fizeram de uns tempos para cá, e vários boatos correram entre os ferroviários sobre sua data de encerramento das atividades. Como vocês sabem, em outubro, chegou até mim a notícia de que eles estavam fazendo suas últimas viagens. Mas a CPTM desmentiu a história, mantendo os trens em circulação. Recentemente, alguém me mandou uma mensagem avisando sobre uma nova tentativa de parar os trens. E novamente fui confirmar junto a CPTM, que deu parecer positivo sobre a notícia. Mais que depressa, organizei uma expedição de emergência para Amador Bueno (algo decidido em dois dias), junto com três amigos, para a despedida de um dos marcos da ferrovia paulista. O clima em Amaduor Bueno não era dos melhores, uma vez que cidadãos locais nos olhavam com certa curiosidade, mostrando certo interesse em nos fazer algo. Mantemos certa cautela com as câmeras, mas não deixamos de realizar nosso costumeiro trabalho de fotografia. Feito o possível, nos despedimos da estação de Amador Bueno, deixando para trás uma longa história de incontáveis anos, onde o trem 4800 circulou, levando famílias e gerações que cresceram vendo o famoso trenzinho estacionado na estação.


A CPTM deu por encerrada a operação comercial do trecho Itapevi-Amador Bueno, para sua total modernização. Nesse trabalho, inclui-se obras de reconstrução das estações de Amador Bueno e Santa Rita (necessitamos saber se além dessas, alguma outra estação será modernizada), readaptação de bitola (da atual bitola métrica, para o sistema padrão da CPTM, de 1,60m), e aquisição de 36 novos trens, para reforço de frota. As obras tem previsão de terminarem em 01/11/2011, ocorrendo então, uma intervenção de 18 meses sem atividade de trens no trecho. O transporte de usuários está acontecendo no sistema PAESE, com ônibus gratuitos que levam os usuários da estação Itapevi à Amador Bueno, parando nas demais estações. Vamos esperar ansiosos pelas obras, e em 01/11/11, estaremos presentes na reinauguração do trecho.
Sobre os trens 4800, lamentamos perder um membro de uma frota tão rica como a da CPTM, mas foi algo necessário de se fazer. O nosso muito obrigado à você, guerreiro trem, pelos 53 anos de serviços prestados em SP. Até o próximo post! Abraços Ferroviários.

Siga o blog por email

Seguidores