sábado, 30 de abril de 2011

Um ano sem o trem 4800

Trem série 4800 grafitado pelo projeto Expresso Arte (foto: divulgação)

E lá se vai um ano sem o saudoso trem toshiba... Para muitos, não faz qualquer diferença tê-lo ou não, mas para nós que estamos sempre antenados sobre o que acontece na ferrovia, esse trem faz falta. Em 30 de abril de 2010, chegava ao fim os serviços operacionais prestados pelo trem série 4800, conhecido por muitos como ´Jotinha`, ou ´Toshiba` por nós da ferrovia. Depois de muitos anos prestando serviços de maneira precária, sem um mínimo de conforto, a CPTM achou por melhor encerrar a carreira desse trem. Até a data de encerramento dos serviços, três unidades ainda resistiam, circulando no trecho compreendido entre Itapevi e Amador Bueno (extensão operacional da Linha 8-Diamante). Uma linha de bitola métrica, com baixa frequência de usuários, totalmente gratuita. Os trens circulavam em condições lastimáveis, com muitos ruídos e sons de engrenagens, sempre balançando muito. Mas estavam lá, operantes.

Trem toshiba em sua fase original, pelas vias da EF. Sorocabana

 Trem toshiba em sua fase original, pelas vias da EF. Sorocabana

 Interior dos trens japoneses (modelo original)

A história desse trem vem de muito tempo atrás. Adquirido pela então Estrada de Ferro Sorocabana, para atender os serviços de subúrbio compreendidos entre Júlio Prestes e Sorocaba, a encomenda de 30 trens japoneses foi um marco na época. Tais trens eram o que existia de mais moderno para aquele tempo, porém, construído em aço carbono. Nessa época, as ferrovias eram muito valorizadas, e o Brasil vivia um tempo de ouro, onde haviam ferrovias por onde se andava. Com essa aquisição, a EFS dava um salto no serviço de transporte público paulista, e oferecia serviços de qualidade para seus usuários.

Esse é o vídeo oficial da chegada dos trens japoneses ao Brasil, por meio do navio Kantu Maru, que aportou em Santos em meados de 1957. É possível ver também o Ouro Branco, um dos trens mais famosos da EF Sorocabana. Todo o processo de chegada, desembarque e encarrilhamento é possível de se ver nesse vídeo, o qual não temos o autor, mas que é de fato um vídeo histórico.

Toshiba na era Fepasa, a caminho de Amador Bueno

Era bastante comum ver tais trens circulando em composições com nove carros, para poder atender a demanda que crescia cada vez mais. Em São Paulo, tanto antigamente como hoje, o trem sempre é uma rota de fuga para os trabalhadores, além de levar passageiros da capital para a região metropolitana em tempos curtos, com determinado conforto e segurança, vencendo o caótico trânsito da maior cidade do país. Pois bem, o tempo foi passando, e os toshibas ganharam notoriedade na ferrovia sorocabana. Em 1971, a Estrada de Ferro Sorocabana, então controlada diretamente pelo governo de São Paulo, era absorvida pela FEPASA, que daria novo fôlego para a companhia. Logo na aquisição, começam os projetos para melhorias nos trens de subúrbio, e nesses projetos, a encomenda de novos trens para atender o trecho então operado pelos toshibas. Em 1978, chegam os novos trens franceses, com 12 carros, bitola de 1,60m e maior capacidade. Com isso, os toshibas são deslocados para realizarem viagens do interior para cidades próximas à São Paulo. Durante esse tempo, o trem ficou conhecido como Toshiba Rio Claro, por seguir viagens até a cidade citada. Em 1995, a FEPASA é absorvida pela CPTM, e os trens japoneses ganham um destino mais singelo: extensão operacional. Com isso, os serviços de transporte para Sorocaba são extinguidos, e a CPTM passa a controlar todo o tráfego correspondente.

Trem série 4800 na antiga estação Grajaú (foto: autor desconhecido)

 Toshiba estacionado na Estação Varginha (Extensão da Linha C - Hoje desativada)
(autor desconhecido)

Operando na extensão operacional da então Linha C, os trens série 4800 prestavam serviços um tanto pacatos, em estações bastante humildes. Posteriormente, os mesmos foram deslocados para a extensão da então Linha B, onde encerraram suas atividades. Nesse meio tempo, das últimas seis unidades restantes, apenas três ficaram em São Paulo. Outras três foram enviadas para Salvador (BA), para serviços de transporte da CTS. Nos últimos anos de serviço, esse trem sofreu inúmeros problemas, todos sem gravidades extremas. Dois casos mais famosos foi um incêndio no painel elétrico de uma das unidades, durante uma viagem para Itapevi, e outro foi a perca total dos freios de serviço, durante a ida para Amador Bueno, deixando a composição desgovernada entre Itapevi e Santa Rita. Depois desses eventos, a CPTM retirou os trens de circulação, mas por intermédio da população local e do prefeito de Itapevi, os mesmos voltaram, após rápida revisão. Em 2009, uma das unidades chegou até mesmo a receber a nova identificação visual da CPTM, na cor vermelha (unidade 4807), mas assim como os outros dois, não teve um final feliz, e acabou sendo retirado de circulação também.

Unidade 4807 com o novo padrão da CPTM (foto: Willian Molina)

 TREM SÉRIE 4800 - FOTOS E FASES

Trem toshiba - EF.Sorocabana (foto: autor desconhecido)

 Toshiba nos anos 1980 (foto: Carlos R. Brandão/Portal Railbuss)

 Recém-saído da reforma básica, pronto para circular novamente

Versão FEPASA - Antiga estação Interlagos (foto: autor desconhecido)

 Toshiba sucateado (foto: Ricardo Koracsony/Portal Railbuss)

Unidade 4804 sendo transportada para Salvador-BA (foto: autor desconhecido)

 Toshiba no trecho de Amador Bueno (foto: Michel Veras)

Versão metropolitano CPTM - (foto: divulgação CPTM)

Unidade 4802 - CPTM (foto: autor desconhecido)

Unidade 4808 - CPTM (foto: autor desconhecido)

Unidade 4807 - CPTM (autor desconhecido)

Trens toshiba 4802 e 4808 cruzando (foto: André Santana)

Unidade 4808 - Última viagem comercial (30.04.2010) (foto: André Santana)


Unidade 4807 e 4808 (ao fundo), sem uso (foto: autor desconhecido)

Hoje, os três últimos trens dessa série encontram-se estacionados no pátio de Presidente Altino, em Osasco, fora de circulação. Desde o fim de sua operação, o serviço de passageiros tem sido atendido por ônibus, e a CPTM está modernizando o trecho atendido por eles, trocando a bitola métrica por larga e reconstruindo as estações. Para quem viveu esse tempo, e pôde viajar nesse trem, ficam as lembranças e as histórias... para aqueles que não puderam, fica aqui um relato, que por poucas vezes pude estar à bordo dessa lenda, mas que, nessas poucas vezes, trouxe lembranças e histórias que hoje conto para todos vocês através desse blog.

 Trem série 4800 - (Toshiba - Kawasaki)

12 comentários:

  1. Amigo Diego, buenas!

    É, do jeito que estava, infelizmente o nosso "Jotinha" não traz mais assim tanta saudade. Andei nele algumas vezes e balançava demais, além de ter sido palco de alguns acidentes e problemas que quase geraram fatalidades, segundo relato de alguns colegas maquinistas.
    Entretanto, tem uma parte da história desses trens que é pouco conhecida. N o início dos anos 1990 algumas dessas unidades operaram na Baixada Santista pela CPTM, como o TIM (Trem Intra Metropolitano).Era "puxado" por locomotivas "LEW" pois ali não havia rede aérea. Anos depois deixaram de circular e o serviço foi desativado.
    Mas acredito que, quando falamos de dinheiro público o descaso nos traz revolta. Algumas unidades que foram para Salvador-BA estão reformadas e ainda servindo a população. As obras da extensão Itapevi-Amador Bueno seguem à passos de tartarugas.
    Precisa tirar de operação pela precariedade? Concordo. Mas não acho justo simplesmente acabar com um serviço. Deveriam ter sido reformados ou mesmo trocados por outros trens, mas nunca, jamais encerrar um serviço de transporte em massa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Por Falar em Toshiba inclusive vi fotos deles operando em Salvador no Google pode ser vistas as unidades estão todas pintadas de amarelo e usando a marca CTS "Companhia de Transportes de Salvador" e pelo que parece reformaram bem as unidades estão como novas diz relatos de um outro site que estão mais suaves e falando em acidentes uma das unidades descarrilou e tombou em um dos trechos sem vitimas ou feridos

    ResponderExcluir
  3. Olá Paulinho! De fato, os Jotinhas tinham esgotado tudo o que era possível deles. Aconteceram fatalidades, segundo ex-maquinistas da extensão que hoje estão espalhados pelo sistema. Mas a operação não foi retirada, e sim substituída provisoriamente pelo PAESE (muito mal administrado, diga-se de passagem). Vamos ver até quando os usuários daquela região ficarão sem trens...

    ResponderExcluir
  4. Celso, as unidades Toshiba que foram para Salvador receberam cuidados, passaram por reforma, revisão de sistemas, e foram entregues como trens novos por lá. Mas descobriram que esses trens eram 'sucatas' aqui em SP, e a farsa do governo caiu (risos). Já houve dois descarrilamentos desses trens por lá, e uma das unidades já está baixada, porque não existem peças para reposição.

    ResponderExcluir
  5. De fato, amigo Diego. Já achei no youtube um vídeo de propaganda da prefeitura de Salvador mostrando os "Jotinhas" e usando a expressão "Novos Trens". Parece até piada.rsrsrs
    Alguns colegas, moradores dos arredores de Itapevi relatam que, até o momento apenas demoliram as estações velhas e de vez em quando tem um funcionário da contratada passando por lá. As obras estão mais lentas que o 4800 quando circulava por lá, nos seus singelos 20km/h. Abraço, fica com Deus.

    ResponderExcluir
  6. Caro Paulinho, tenho um amigo que mora nas proximidades da estação de Santa Rita, e o mesmo confirma sempre que pergunto: as obras estão paralisadas. Além da retirada de uma das vias (a restante é para passagem dos trens da ALL), nada mais caminhou depois disso. A obra completa era para ser entregue em novembro desse ano, e até agora, nem sinal.

    ResponderExcluir
  7. Eu também vi o video é pra rachar o bico contrataram um grupo de forró pra cantar "tá ficando bom demais" e depois tem gente que reclama da CPTM a gente tem o melhor transporte em trens do BRASIL,os pobres coitados de Salvador que estão penando com transporte meia boca sem contar o tal metrô de Salvador que nunca saiu do papel.

    segue o endereço do video:

    http://www.youtube.com/watch?v=RRXT8Xu25WQ&feature=related

    ResponderExcluir
  8. Celso, para o caso dos baianos, que não sabiam a procedência dos trens, o clichê de 'novo trem' caiu como uma luva. Se não fosse a internet, eles jamais saberiam de onde os Toshibas eram, ou como estavam antes de serem enviados para lá.
    Vi o vídeo, e não passa de propaganda eleitoreira.

    ResponderExcluir
  9. Pelo menos os Toshibas estão bem melhores do que os modelos que eles tem lá o famoso GE Carro Motor que estão bem piores bem que eles podiam adquirir os 3 ultimos que estão lá em Presidente Altino pra não ficar tomando espaço e ficarem enferrujando são trens velhos mas seria de bom proveito dando uma boa reforma como fizeram com os que estão usando lá.

    ResponderExcluir
  10. Celso, os ACF lá de Salvador são de uma situação bsatante complicada. Mas os toshibas que estão em Presidente Altino não poderão ser retirados de lá, por questões burocráticas.

    ResponderExcluir
  11. Poderiam reformar esses trens de Pres. Altino e construírem um museu ou adotá-los como solução de transporte no interior, preservando nossa memória, que com certeza seriam bem aproveitados.

    ResponderExcluir
  12. Saudade!! Bons tempos indo e vindo com o "trem japonês"!!!

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores