quarta-feira, 13 de julho de 2011

Conclusões após o acidente

Imagem: Portal G1
Texto: Diego Silva

A bruxa anda solta nas ferrovias brasileiras nas últimas semanas. Diversos acidentes aconteceram num intervalo muito baixo de tempo, algo que chega a assustar a mim, e a todos nós que acompanhamos ferrovia. Dias atrás, uma colisão frontal na MRS Logística deu fim à 3 locomotivas C44Emi. Dias depois, a ALL sofreu um descarrilamento de 11 vagões de milho em Eng. Marsilac. Antes de ontem, a Supervia noticiava o choque de dois trens em Queimados. Ontem, foi a nossa vez: colisão de trens na estação Palmeiras-Barra Funda.
Depois de muita conversa, apurando o que havia acontecido, chegou-se à conclusão de um erro na sinalização de via. O trem acima, com apenas 15 meses de circulação, colidiu com um trem da série 1700 (1717) à cerca  deixando 42 pessoas feridas, por volta das 13h30. Algo completamente fora do comum, afinal, a CPTM possui um índice relativamente baixo de acidentes dessas proporções. A composição da série 7000, que foi vista em sua primeira viagem comercial em 08.04.2010 por nós, praticamente teve seu fim decretado.
O estrago na composição foi de proporções assustadoras. Completa destruição da máscara facial, e comprometimento das estruturas. As mídias mostraram as cabines intermediárias, e um detalhe que chamou muito a atenção: os engates cederam, e as cabines quase entraram uma na outra.

Cabines intermediárias também se chocaram: engates cederam, condenando o trem (foto: Portal R7)

Tudo bem, não tivemos mortos, e trem é algo que se recupera. Esse é o ponto mais importante de todos. Mas uma questão fica aberta: o que aconteceu? Falha de maquinista ou falha dos sinais? Uma colisão a 40 km/h... Conheço bem esse trem da série 7000, e todos sabemos que ele tem um freio dos mais eficientes. Não vou bancar o técnico aqui, porque não tenho cacife para isso, mas algo muito errado está por trás disso.

Mas o que me fez criar essa postagem, informal diga-se de passagem, foi algumas conclusões que tirei depois desse acidente. A começar: sinalização. A CPTM pretende trocar toda a sinalização das vias, para os sistemas CBTC e ATO. Tivemos problemas graves relativos ao CBTC na Linha 2-Verde do Metrô, e eu não acho um sistema seguro e confiável o suficiente para implantar em trens metropolitanos. O sistema ATO é utilizado atualmente no metrô, e mostra-se eficiente para redução de intervalos.
Um segundo ponto: na minha visão de usuário e admirador da CPTM, eu acredito que a empresa não estava pronta para receber um trem com essa tecnologia e porte. Temos 19 anos da fundação da CPTM, e muito se evoluiu nesse tempo. Mas o CAF 7000 é um passo grande demais para a empresa. Claro, oferece o devido conforto que o usuário merece, e é um verdadeiro metrô de superfície. Mas talvez não fosse a hora ainda. Eu tenho certeza que muitos vão discordar da minha visão, e não tiro a razão de ninguém, mas achei necessário expor também o que penso. O trem foi duramente criticado pelos usuários nos primórdios, mesmo sendo um 'avião sobre trilhos'. Quem olha para o passado da CPTM, e olha hoje, nota a gigantesca evolução. Mas infelizmente, esses trens não estão tendo sorte. É o terceiro CAF 7000 que deixa de operar por acidente. O primeiro foi a unidade 7001, descarrilada em São Miguel Paulista, e até hoje imobilizada. Depois, a unidade 7025, que foi atingida por um série 1100, rasgando a lateral da máscara. E agora, a unidade 7005-08.

Já se fala em perca total dessa unidade, e não vejo muito o que fazer na mesma. Estive na Lapa, e conferi de perto o que aconteceu com esse trem. Com toda a sinceridade, é algo que não tem recuperação. Um completo estrago. A estrutura dos carros recebeu o impacto, e em alguns pontos, está torta. Eu acredito que esse trem não mais voltará a circular pelos trilhos paulistas. E é importante a CPTM se mexer para repor essa perda, aproveitando que a linha de produção na CAF está a todo vapor, pelas encomendas feitas pela própria CPTM. No mais, prezados, é isso. Seguimos à vida normal.

14 comentários:

  1. Há de concordar com você Diego o trem CAF Série 7000 é muito evoluído mesmo, para qualquer sistema de trens do Brasil, eu acho que quando teve a ideia do Expansão SP com novos trens muito tecnológicos para as Linha 07 e 12, eles deveriam imediatamente modernizar essas linhas, não falo de estações (oque precisa também) mais sim na estrutura dessas linhas, hás deixando excelentes, para que quando os trens novos chegassem não tivessem problemas operacionais, o tempo não foi muito curto, o Expansão SP teve ideia em 2007 e se tornou uma meta oficial em 2008 praticamente no começo, então de 2008 para 2010 teve praticamente 2 anos, com isso dava para modernizar mais da metade dessas linhas.

    O trem CAF Série 7000, é de muita tecnologia sim, e é absurdamente lindo, deixa qualquer um de boca aberta quando o vê pela 1ª vez e também por várias vezes, ele é ótimo, não é lerdo como várias pessoas das linhas 7, 8 e 12 dizem, é só andar nele nas linha 9 e 11, ele é magnifico...
    Bom ele é um trem para o padrão da CPTM? Bem... Se formos ver bem sim, mais para as linhas 9 e 11, pois elas são as mais modernas dos sistema da CPTM, não são excelentes, tem seus problemas, mais são boas, não passa trem cargueiro nelas (na L11-EL só um pedacinho), mais para as linhas 7 e 12 é muita tecnologia, muita mesmo!!!

    No caso de arruma-lo, sei que o Q07 foi mandado para CAF para ser arrumado, mais pelo que eu sei os 2 espanhol legítimos Q01 e Q02 não vão ser consertados pois não dá mais para eles, uma pena mesmo, mais sim a CPTM e o governo deveriam pedir mais 2 trens da Série 7000, ou mandar fazer 2 unidades há mais do Série 7500, para compensar, pois se dá pra resolver o problema agora, não é viável deixa-lo para solucionar o que se pode fazer mais tarde né!!!

    ResponderExcluir
  2. Só corrigindo sua informação: O Q07 não foi enviado para a CAF. Ele permanece em Presidente Altino, acidentado, e tão logo não irá voltar a circular. Não mexeram um dedo nele, apenas desacoplaram o carro motor. Eu pensei realmente nisso: refazer pelo menos mais dois 7000, ou 7500 mesmo, para compensar os acidentes.

    ResponderExcluir
  3. Caro Diego. Apesar de concorda com você em muitos pontos e também conhecer de alguns assuntos tenho de descordar no quesito do trem série 7000 ser muito moderno.
    De fato é um belo trem moderno e com periféricos inexistentes em boa parte da frota da CPTM, porém são itens mais relacionados ao conforto e estética do trem que a segurança e funcionamento do mesmo. e mesmo os realcionados a tal não trazem "segredos inexplicaveis"
    Por trás desta fibra de vidro e tinta vermelha é um trem bem atual como os mais novos das séries 3000 e 2000 fases I e II. Os truques são de mesmo conceito, o sistema de sinalização de bordo é o já consagrado ATC e a tração por VVVF já conhecida da CPTM desde os anos 2000.
    O que acredito pecar neste trem é sua mecânica basica.
    Nota-se na frente do carro cabinado a ausência de Anti Climber. Este dispositivo muito simples e eficiênte em caso de colisão absorve o impacto e evita de um trem entrar dentro do outro. Os trens são projetados para que em caso de colisões o engate suporte até um certo ponto e se rompa e ai o Anti Cliber responde pelo restante do impacto.
    O 7000 possui este dispositivo entre seus carros, mas na frente o dispositivo está escondido pela máscara o que não evita a destruição dela em caso de colisão.
    Um outro erro nos trens da CPTM é o fato de que existem trens com Anti-Cliber e outros sem e dentre os que o possuem não se localiza no mesmo local do carro.
    O 7000 os possui ao lado dos engates enquanto que o 1700 o possui acima do engate.
    Esse desencontro faz com que o dispositivo aumente os estragos em casos de colisão.
    Acho que é hora da CPTM repensar alguns conceitos de segurança na hora de comprar trens.

    ResponderExcluir
  4. E o trem 1717 vai voltar a operar Diego???

    ResponderExcluir
  5. Acidente muito estranho.

    O que foi comentado é que o CCO Luz franqueou "Prosseguir VR" para o 7000.

    Fato:

    Como que o Mqt não consegui parar um trem a 20 km/h ???

    Mesmo se ele estivesse em VL, ao avistar o trem parado à frente, daria tempo de frear.

    Resumindo:

    Falha na sinalização, e falha nos freios do 7000

    Ou ...

    O Mqt estava dormindo na cabine, coisa que eu acho pouco provável.

    Enfim. Vamos aguardar a versão oficial da empresa.

    ResponderExcluir
  6. Que pena que isso aconteça e justamente com o trem 7000 ou seja mais trem pro grupo da frota inoperante e dessa não sabia pensava que esse foi o primeiro então são 3 trens desse modelo fora de operação,agora uma pergunta Diego Silva esse 1700 que foi atingido tem concerto? e quantos desse 1700 estão operando porque estou fazendo essa pergunta por causa que estava olhando no Wikipédia e não está um número bem claro são 21 trens de 4 ou de 8 carros ou 11 trens de 8? E sobre a sinalização a CPTM deve mudar imediatamente pra não acontecer mais acidentes desse porte.

    ResponderExcluir
  7. Parece que tem algum problema nos trens e nos trilhos pois na linha 12 o 7000 descarrilhou em São miguel, e na linha 7 ele bateu por não ter conceguido frear a 20 por hora!!!
    E o pior é agora que essas duas linha estavam com quase todos os trens prometidos,e as duas linhas estão tendo suas estações reformadas justamente para a melhor disposição dos trens novos, pois nas estações novas como o jardim romano na L12 por exeplo o trem série 4400 fica mais baixo que a plataforma!o geito mesmo seria era a reforma dos trilhos mais antigos e verificar o sistemas de freagem dos trens para que esses acidentes parem de acontecer!

    ResponderExcluir
  8. Wagner, o trem 1717 não sofreu algo que comprometesse sua estrutura física. Nada que uma reforma não resolva. Claro, vai demorar um pouquinho, mas eu acho que dentro de alguns meses, o mesmo já estará de volta.

    ResponderExcluir
  9. Sergio, como foi explicado, o trem não colidiu a 20 km/h, mas sim a 40 km/h. Se tivesse sido a 20 km/h, seria algo semelhante ao que aconteceu ao 2136 no acidente de Utinga, e não perderíamos o trem. Mas a pancada foi considerável, e as primeiras versões que temos é que foi falha de sinalização (sinalização tem a ver com CCO). Estamos esperando para saber de fato o que a CPTM irá dizer sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  10. Celso, a versão do Wikipedia não é oficial, afinal, é um portal onde qualquer pessoa entra e fala o que quer... Não tenho certeza absoluta de quantos trens série 1700 estão em circulação, mas pelas contas rápidas, são 3 unidades de quatro carros imobilizadas (as pratas), e agora o 1717. O lote completo é de 25 trens de 4 carros.

    ResponderExcluir
  11. Se for no caso desse 7000 não ter mais concerto seria bom reaproveitar as peças tipo uma espécie de reciclagem do trem a CAF poderia reaproveitar alguma coisa desse 7000 para não ter um monte de trem quebrado tomando espaço seria uma dica boa.

    ResponderExcluir
  12. Conversei com algumas pessoas da manutenção, e o Q02 não é baixa patrimonial. Parece que dá para recuperar.

    ResponderExcluir
  13. Amigo Diego, como vai? Vamos então às considerações.
    Esse tipo de acidente entristece a todos nós, principalmente, no meu caso que trabalho na CPTM. Pela minha experiência e conversas com outros profissionais, acredito que esse série 7000 que bateu não circulará mais. Deverá apenas servir para desmanche e aproveitamento de peças. Quanto ao 1700 este já está sendo usinado e logo volta a operar.
    Causas do acidente: são um grande mistério, pois como ocorre nos acidentes ferroviários, é uma série de falhas e erros absurdos. Falha humana? Sinalização? Estranho. O freio do série 7000 é absurdamente potente. Alguns maquinistas comentam que, se bobiarem o trem pára antes da hora.
    Ele é um belo trem, mas peca em detalhes, talvez nem por culpa do projeto e sim da fábrica. A Caf tem tido dificildades em fornecer peças de reposição. Trens tem chego faltando itens e quem paga o pato é o usuário. Alguns técnicos comentam que trata-se de um TU de vida mais curta, diferente de outros trens modernos, como o série 3000 da Siemens.
    Os problemas de infraestrutura também são notáveis. Hoje na CPTM faltam pátios e as vias precisam de melhorias, além da sinalização.
    O CBTC é bem moderno, mas nosso bom e velho metrô utiliza o ATO há tempos e está testado e aprovado. O que esperamos e torcemos é que esses acidentes não ocorram mais e que nossos dirigentes pensem mais sobre questões de infraestrutura.
    Usuário quer trem e trem confortável, rápido e com intervalos melhores, mas para fornecer isso a eles é preciso ter boa estrutura nos bastidores.

    ResponderExcluir
  14. Uma boa noite pessoal,se ja esta assim com o CAF 7000,Imagina o ALSTOM 9000 que quinta feira,20, ja começa a circular na linha 11 coral !! O governo esta investindo muito em trens e linhas nada!!

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores