sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Frota 1100 - Destino: Jundiaí

Trem série 1100 - Estação Luz
Por Diego Silva

Longevidade. Essa é a palavra mais certa para definir a frota série 1100 da CPTM. Adquiridos em 1957, pela Estrada de Ferro Santos a Jundiaí, entra década e sai década, esses trens resistem bravamente ao dia-a-dia de viagens pela CPTM. Enquanto alguns trens mais novos que os milzinhos estão dando adeus à circulação (exemplo de frotas 1400, 1600 e 5500, de 1974, 1976 e 1978 respectivamente), a frota Budd série 1100 vem ganhando sobrevida nos trilhos paulistas.
A jogada da vez é sua alocação para a extensão da Linha 7-Rubi. As onze unidades que operam hoje, em breve, deverão assumir os serviços do trecho que liga Francisco Morato à Jundiaí, enquanto que as frotas Budd que por lá circulam deverão ser retiradas de circulação. Atualmente, a extensão da Linha 7 conta com 8 trens: 1403/1404, 1405/1414, 1601/1612, 1602/1613, 1713/1714, 1727/1728, 1729/1730 e 1741/1742, todos com quatro carros. Com a chegada dos trens série 7000 (ou a devolução deles para a Linha 7, melhor dizendo), a CPTM pretende operar o trecho principal da Linha 7 apenas com trens de oito carros. A tendência é que os trens série 1700 da extensão sejam acoplados, formando unidades de oito carros, e passem a operar no trecho principal.
A melhoria no sistema da extensão será notável: atualmente com trens de quatro carros, em determinados horários a estação Francisco Morato fica bastante cheia, e os trens partem lotados. Com a chegada dos trens série 1100, todos de seis carros, a demanda será melhor distribuída, e as viagens tendem a sair com bem menos lotação que o comum.
Aos sábados, está sendo comum ver pelo menos um trem série 1100 circulando na extensão da Linha 7-Rubi. Em contrapartida, talvez esse seja o destino final dessa frota, uma vez que de um tempo para cá, todos os trens que estão seguindo para a extensão são aposentados tempos depois. Mas convenhamos que a frota 1100 sobreviveu por bastante tempo, em vista da evolução tecnológica. A mudança de via deverá ocorrer até 2014, segundo informações.

22 comentários:

  1. Maravilhoso seria ver as 11 unidades dessa frota operando entre Francisco Morato e Campinas...
    Daria gosto de ver!!!

    ResponderExcluir
  2. Olha, para min, amante incondicional do 1100 seria, ótimo ver nosso querido Milzinho operando em Francisco Morato a Jundiaí ou a Campinas. O 1100, tem muitíssimo potencial para operar nessa extensão. Somente uma reforma ou revisão geral seria o suficiente para esse trem operar até 2025, e tomara que isso ocorra mesmo.

    ResponderExcluir
  3. É concordo Diego, é bom saber que ele não será aposentado tão cedo, mas seria ainda mais legal vê-los rodando nesse trecho...

    ResponderExcluir
  4. Vai ser mais ou menos parecido com os Toshibas da extenção da linha 8 mas comparando por ele ser 2 anos mais velho que o Toshiba o 1100 tá em ótima forma sem escutar ruidos de freio ou engrenagens como relatos aqui no blog esse poderia continuar rodando por mais algum tempo ainda mais ele que vai pra extenção da linha 7 e ficará lá em definitivo.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com Celso, o 1100 está ótimo, por isso, se for para a Extensão da Linha 7-Rubi, e passar por reformas a cada 5 anos...Completaria o centenário!

    ResponderExcluir
  6. Eu acho até que o 1100 por ser o mais velho da frota da CPTM dá pra comparar ele com aqueles musicos de banda de Rock dos anos 60 e 70 que estão fazendo sucesso até hoje e estão em ótima forma como os Rolling Stones,The Who,RUSH entre outros é um clássico.

    ResponderExcluir
  7. Sou a favor dos 1100 irem para extensao operacinal francisco morato - jundiai, desde que se faca reformas nestes trens que sao muito bons, e tambem sou a favor da continuidade da extensao operacoinal itapevi - amador bueno.

    ResponderExcluir
  8. Celso, ótima comparação!
    Caro Arquiteto, concordo com você das reformas assim como citei em outro comentário. Mas a continuidade da extensão operacional entre Itapevi e Amador Bueno é algo a se pensar. Se fosse o trecho direto, seria melhor por não precisarmos de baldeação para prosseguir até Amador Bueno. No caso da extensão, teríamos menos tempo de viajem, mas teríamos de ter baldeações, transtorno maior, a volta dos Toshibas 4800 e dentre outros fatores negativos. Mas, se forem adquiridos novos trens de 3 ou 4 carros, seria melhor ou menos pior. Mas isso...Tem que se pensar muito!

    ResponderExcluir
  9. Curiosidade: Quando está chovendo, alguns trens da série 1100 espirra (sai) lama dos ventiladores dentro dos carros...

    ResponderExcluir
  10. É o pranto do 1100 por ser desprezado por usuários da Linha 10-Turquesa! (Risos)
    E Diego Silva, alguns 1100 ainda estão na Linha 10?

    ResponderExcluir
  11. seria otimo se todos trens da cptm fossem reformados em periodos determinados, assim eles durariam tanto quanto os 1100, acho q só agora caiu a ficha, a cptm não vai deixar vencer as revisões

    ResponderExcluir
  12. Notem que os trens da série 1100 não estão sendo lavados por cima, apenas nas laterais. O acúmulo de poeira em cima, junto com a chuva, acaba fazendo com que espirre lama.

    Essa frota não está circulando na Linha 10.

    ResponderExcluir
  13. Talvez com a saída dessa frota mais antiga a CPTM diminua o tempo de viagem, vou da Luz até Caieiras todo dia, e o tempo de viagem é muito variado,vai de 45 minutos até 1:20 hora.
    Ei Diego você sabe quando sai o viaduto sobre a estação de Caieiras, o transito é um inferno aqui principalmente nos horários de pico, é um paradoxo, quanto menor o tempo de intervalo entre os trens, maior é o tempo para cruzar a via férrea de carro ou ônibus.

    ResponderExcluir
  14. Amigos...
    Não posso falar muito sobre o 1100 porque ele opera em uma linha que só utilizei poucas vezes, mas certa vez assisti um vídeo desse "milzinho" passando dos 90 por hora! Achei o máximo. Merece um belo respaldo da CPTM. Como já citei em outros comentários, sou a favor da empresa reformar os trens antigos e mantê-los em operação. Ao meu ver, manter o trem em seu desenho externo original, apenas recebendo um belo trato no seu interior, com nova pintura, cores mais aconchegantes e um sistema de ar condicionado.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  15. Chicozo, o 1100 merece muito ficar, mas só que na Extensão Operacional entre Francisco Morato e Jundiaí.

    Amigo Paulinho, boa noite! O 1100, apesar de falarem que é lento, corre muito. A CPTM deveria fazer isso mesmo que você citou, só que em determinadas frotas, que seriam 1100,4400 e 1700. E outra ideia que tive, é que os carros da Budd (1400 e 1600) ao invés de irem ao "abate", serem modernizados e virarem novos carros de composições do 1100, que ganhariam mais carros e mais conforto ainda.

    ResponderExcluir
  16. O Problema dele é que é muito pequeno e alguns carros como o 1102 e o 1111 estão completamente detonados por dentro, e os bancos são desconfortáveis, são totalmente lisos e em algumas curvas e preciso se segurar para não cair

    ResponderExcluir
  17. Olha, o 1100 é ótimo. É que acontece que alguns trens estão ruins por dentro...Mas para min não faz diferença alguma!

    ResponderExcluir
  18. eu não acho o 1100 ruim por dentro ele é bem agradavel o Layout dele tem a aparencia dos trens do Metrô da linha 3 vermelha os bancos praticamente tem o mesmo conforto claro que só o que muda é a cor e as janelas que é próprio dele.

    ResponderExcluir
  19. Celso, falemos a verdade: Não tem trem que mais merece ficar por muitíssimo tempo na CPTM que o nosso amado Milzinho, ou Budd 1100!

    Compartilhamos da mesma opinião, o layout interno do 1100 é muito agradável, planejado para o futuro, lotação e o conforto dos usuários. O 1100 tem o melhor interior dos trens antigos da CPTM (>1994) e não só por isso mas por outros fatores, o 1100 merece muito ficar até 2057, quando completar o centenário(Risos).

    Fica Milzinho e boa noite para todos!!

    ResponderExcluir
  20. E porisso que o 1100 por ser um trem classico e também está rodando até hoje e é 2 anos mais velho que os Toshibas que infelizmente se acabaram com o tempo vi fotos é lamentavel o que aconteceu com essa frota que boa parte está sucateada criando mato e até mesmo completamente arrebentado, já o 1100 todos os carros estão firmes e fortes e nenhum deles estão sucateados em algum patio claro que a uma excessão do acidente que aconteceu em Julho de 2000 que 2 carros ficaram destruidos mas nada que tire o sucesso desse trem.

    ResponderExcluir
  21. Celso, apenas corrigindo sua colocação: os trens 1100 e 4800 são do mesmo ano = 1958.
    Não são todos os carros do 1100 que estão firmes e fortes; coisa que poucos sabem é que alguns carros dessa frota eram de trens da série 1400 e 1600.

    ResponderExcluir
  22. Mas então porque no site da CPTM o ano de fabricação do 1100 está 1956/1957 e sobre a adaptação como eu mesmo citei acima, ou tem mais carros adaptados?

    Sobre as fotos dos Toshibas que citei vou passar o endereço pra que vocês mesmo deem uma olhada no que eu disse:

    http://www.estacoesferroviarias.com.br/trens_sp/fotos/itarare4.jpg

    http://www.estacoesferroviarias.com.br/e/fotos/engacrisio081.jpg

    e também um modelo diferente de Toshiba que esse também pode estar sucateado porai:

    http://www.estacoesferroviarias.com.br/trens_sp/fotos/tim7.jpg

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores