quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Qual a finalidade de uma extensão operacional?

Trem série 4800, na estação de Amador Bueno: extensão da Linha 8
Por Diego Silva

Caros leitores, um de vocês sugeriu uma postagem bastante interessante: o que seria uma extensão operacional? Hoje venho responder para vocês. A CPTM conta com seis linhas de operação, e entre essas seis linhas, duas contam com extensões operacionais atualmente. A Linha 7-Rubi, que liga a estação Luz até Francisco Morato, possui continuidade até Jundiaí. Na Linha 8-Diamante, ligando Júlio Prestes à Itapevi, existia a continuidade até Amador Bueno, que foi encerrada em 30 de abril de 2010, para reconstrução, obras e modernização. Ou seja, em atividade mesmo, somente a Linha 7-Rubi.
Mas qual seria a real necessidade de uma extensão operacional? Durante a transição de operação entre CBTU e CPTM, a Linha 7 operava com trens entre Paranapiacaba e Jundiaí (em viagens diretas!). Ao assumir o comando, a CPTM dividiu esse trecho em quatro partes: Paranapiacaba x Rio Grande da Serra, Rio Grande da Serra x Luz, Luz x Francisco Morato e Francisco Morato x Jundiaí. O trecho entre Paranapiacaba e Rio Grande da Serra foi encerrado em 2002.

O trecho de extensão de Jundiaí, até pouco tempo atrás, não contava com demandas significativas, portanto, não havia a real necessidade de levar um trem do centro de SP diretamente até Jundiaí. Nisso, começou a operação de extensão operacional, com trens menores, com maiores intervalos. A CPTM compra energia, que move seus trens, o que faz com que nas extensões, a frequência seja menor que em um trecho normal de operação. Não haveria lógica em colocar um trem de oito carros para rodar na extensão da Linha 7, por exemplo. Circularia praticamente vazio, gastando muita energia e sem o retorno esperado.

No caso da extensão da Linha 8, eram trens de 3 carros (os saudosos Toshibas), que circulavam em situação precária. Nos idos tempos da Fepasa, a linha 8 era ligada de ponta a ponta (J.Prestes x Amador Bueno), sem necessidade de integração, mas a demanda concentrada após Itapevi não era relevante. Durante o dia, era muito comum ver os Toshibas circulando sem praticamente ninguém.

Trem série 1700, que presta serviços também na extensão da Linha 7-Rubi
Mas com a crescente demanda nos domínios da CPTM, a tendência é que as extensões operacionais deixem mesmo de existir. Como citado, no caso de Amador Bueno, é a primeira providência a ser tomada. No caso de Jundiaí, já se fala em um trem expresso direto para a cidade do interior paulista, mesmo com a manutenção da linha atual. Com possíveis extensões dos serviços da CPTM, as 'pontas de linha' deverão ganhar maior importância daqui para frente, e receber igual tratamento que recebem as estações que estão mais próximas do centro paulistano.

10 comentários:

  1. Nao entedi muito isso. extensao operacional? ou seja aumentar o trecho sem baldeacoes? Nao concordo, acho as baldeacoes necessarias sim, pois com elas os trens que saem de Itapevi terao uma rotatividade de lotacao, sendo que a cada 10 minutos, chegaria um trem de amador bueno e deixaria margem para que estes mesmos possam sentar e daria tambem a possibilidade todos quer ja estivessem la em itapevi tambem sentar, ja vindo direto de amador bueno isso nao mais seria possivel, dado que os trens tem uma oferta menor de lugares com os serie 8000. Ou seja sou contra isso, afinal a demanda em amador bueno hoje ja e bem alta, e nao seria viavel uma viagem nestes moldes.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, estou gostando de ver o blog assim, a cada dia uma nova matéria, espero que continue assim... Parabéns Diego Silva!!!

    ResponderExcluir
  3. Grande Diego Silva, ótima matéria e parabéns!!

    ResponderExcluir
  4. Diego e as fotos do 8000??? Estou curioso para ver as fotos...

    ResponderExcluir
  5. Arquiteto, na verdade, uma extensão operacional é um aumento dos serviços da empresa, em locais que os trens de maior demanda não chegam. É uma linha dentro de outra, podemos expor assim. Algumas integrações são necessárias, mas acho que viagens diretas em certas situações são mais agradáveis.

    ResponderExcluir
  6. Wagner, fico contente que esteja gostando do dia-a-dia do blog, e agradeço suas visitas diárias. Apesar de eu estar com uma rotina muito apertada durante a semana, graças ao meu trabalho na CPTM, estou conseguindo deixar algo para vocês lerem diariamente. Mas não é sempre que estou inspirado para escrever... Vocês que me acompanham, estão 'com sorte', pois todo dia tem surgido novidades, e estou sempre escrevendo com rapidez para deixar pronto para vocês lerem no dia seguinte.
    Quanto as fotos do CAF 8000, elas estão aqui já, prontas para serem publicadas, mas tive que cancelar a postagem e pedir autorização da fonte para poder publicar. A empresa não está permitindo fotos desse novo trem ainda, mas assim que eu receber a autorização, o que espero que ocorra essa semana, as fotos entrarão no ar. Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelas considerações, Diego.

    ResponderExcluir
  8. Agora tá explicado o porquê das extensões operacionais nunca entendi pra que servia inclusive fui eu que dei a idéia mas isso foi sem querer admitindo,é de fato até para consumo de energia elétrica só que ai que tá se for confirmado o 1100 ir parar na extenção da linha 7 Rubi por ele ser de 6 carros e não tem como esse modelo andar desacoplado só com 3 carros pelo fato de que a parte que dividi está em sua mascara original coberto por chapas de aço a não ser que a CPTM faça uma adaptação nesse modelo ou ele já é um trem economico por ter apenas 8 motores ao contrario dos outros trens que tem mais motores.

    ResponderExcluir
  9. Amigo Celso, primeiramente obrigado pela ideia da postagem! Espero que tenha esclarecido suas dúvidas, e dos demais leitores. Parece que teremos mesmo o 1100 na extensão, pois aos sábados, tem sido comum ver uma unidade rodando. Ele irá rodar com 6 carros mesmo, pois como frisou, não possui cabines intermediárias.

    ResponderExcluir
  10. eu acho muito incomodo pegar um carroça em amador bueno e fazer badeio em itapevi todo dia para chegar na barra funda, pra mim é uma questão de logistica, a cptm devia trabalhar melhor e com mais loopings, é perfeitamente possivel fazer trem sem extensão operacional operando com intervalos de 6 min em um trecho e 3 mim em outro.... ou se for o caso em 30min em um e 10 no outro...

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores