terça-feira, 22 de novembro de 2011

O legado que estamos construindo

CAF 2100 - Pátio da Luz
Por Diego Silva

Caros leitores, muitos de vocês me conhecem pessoalmente, outros tantos nunca me viram na vida. Mas tanto os conhecidos quanto os desconhecidos acabam me perguntando: porque eu faço tantas fotos na CPTM? A resposta dessa pergunta me levou a digitar essa postagem para vocês.
Quando eu me aprofundei mais em história ferroviária, notei a ausência de fotos e relatos importantes, que comprovassem a existência de determinados fatos. Com muita pesquisa, encontramos algumas fotos muito interessantes, que nos fazem ver de fato como eram as coisas. No início de minha ''carreira'' fotográfica, me preocupava apenas em registrar e divulgar. Depois de algum tempo, notei o quanto era importante que eu continuasse fazendo isso: o que hoje é repetitivo na visão de muitas pessoas, amanhã será a história vista em imagens, textos e relatos.

Mafersa 1700 - Créditos ao autor (aprox. 1987)
Muitas cidades da região metropolitana de São Paulo se desenvolveram graças à ferrovia. Imagens antigas mostram todo o processo evolutivo das regiões onde o trem começou a passar, contribuindo para o enriquecimento da história. Mas convenhamos que há tempos idos, as câmeras não eram da melhor qualidade, oferecendo fotos com pouca visibilidade. Mas o importante é o registro, ainda hoje usamos essa cultura. Mas afinal, o que temos a ver com tudo isso?
O empenho com que faço fotografia ferroviária, tanto na CPTM quanto no Metrô e esporadicamente nas ferrovias de carga, tem um motivo claro: contribuir com a história e a memória ferroviária daqui há um tempo. É importante e necessário que as próximas gerações acompanhem a evolução dos trens em São Paulo e no Brasil, através dos documentos e imagens que estamos sempre realizando e coletando. Tudo na vida é passageiro, até mesmo os trens (que infelizmente não são eternos), portanto, tudo o que fazemos hoje sobre os trilhos é pensando justamente no amanhã.
Pode parecer bobeira minha, mas eu fico imaginando esse mesmo artigo sendo lido daqui há 50 anos, por engenheiros e pesquisadores ferroviários, juntamente com as imagens que realizamos. A tecnologia evolui a cada dia, a internet se faz a cada dia, o que nos faz pensar nessa possibilidade. A minha contribuição para história do trem em São Paulo está sendo construída há quase três anos, sendo que, até quando Deus me permitir fazer isso, será feito com toda a dedicação da minha parte.

Trem série 1100 na estação Luz - Esse terá muita história para ser contada
Alguns amigos mais próximos se admiram com a humildade com que trato esse trabalho. Convenhamos: adiantaria alguma coisa para mim, me achar o melhor fotógrafo de SP, ou o melhor blogueiro, sendo que isso não me levaria a nenhum patamar? Não tem qualquer lógica. Faz todo o sentido eu continuar sendo quem sou, o amigo de todos que são amigos comigo... Viajando, fotografando, catalogando, postando e comentando. O reconhecimento do nosso trabalho, isso já vem acontecendo há algum tempo. Mas se Deus me der saúde para poder ver, daqui há muitos anos, o nome ''CPTM em Foco'', ou mesmo o meu nome, em pesquisas ferroviárias, isso sim será muito gratificante e recompensador. O legado está sendo construído. Você, leitor, também faz parte dessa história!

12 comentários:

  1. Pois é meu caro Diego Silva, registrar é muitíssimo importante. Não acho que nada que tu falaste é bobagem, mas ao contrário, o que virá a acontecer brevemente. Eu, cheguei a fotografar apenas uma viagem, mas as fotos que foram tiradas de dentro do 5000, pela janela, ficaram horríveis (Risos), mas para principiante está bom! Pretendo fazer algumas viagens fotográficas daqui para frente, mas primeiro preciso aprimorar a minha técnica de fotografar...

    Estive próximo de te conhecer pessoalmente no VI Evento de Ferromodelismo em Paranapiacaba, mas eu e mais companheiros, ao chegar na estação Santo André, perguntamos ao funcionário da Metra: Onde passa o ônibus para Paranapiacaba? Nisso, ele responde: Dia de Domingo não tem!
    Mas ao chegar em Barueri, conferi no site da Viação Ribeirão Pires e vejo que o ônibus passa sim de Domingo, com intervalos de 40 minutos. Mais um evento perdido, mas isso só acontece comigo mesmo (Risos), mas não há problema, ainda haverão outros...

    Diego, tenha certeza, esse seu legado e tudo que você conquistou até agora, não é nada comparado ao que você virá a atingir futuramente! Boa noite a todos!!!

    ResponderExcluir
  2. Diego o que se passa com o 1717??? Você noticiou a algum tempo já a volta dele, mas acho que por enquanto ele ainda não retornou do acidente....

    ResponderExcluir
  3. Outra pergunta: Se os 3000 viessem de fato para a L7, os 5 trens série 7000 seria enviados para a linha 9 ou eles viriam apenas com o intuito de complementar a frota???

    ResponderExcluir
  4. Wagner, eu mesmo tentarei responder. Acho que apenas para complementar a frota, pois a Linha 9-Esmeralda está muito bem servida, a ponto de ser um verdadeiro exagero coloca-los lá. E a Linha 7-Rubi, precisa de alguns trens...

    ResponderExcluir
  5. Até que gostei da ideia de mandar os Siemens para a L7, tomara que esse boato se concretize....

    E Diego Silva, com certeza você está fazendo história, os futuros historiadores da CPTM, vão estar munidos de muita e não menos excelentes informações...

    ResponderExcluir
  6. Nao sei se seria uma boa a ida do seire 3000 para linha 7, poi se tratsa de um trem com treze anos de uso e ja bemvandalizado, o ideal e mesmo uma revisao geral, por exemplo o ar condicinado praticamente nao funciona mais, as janeal ja estao bem riscadas, e confesso que seus bancos e um ponto negativo com relacao ao conforto, e a linha 7 merece finalmente, trens novos, e nao algo tao usado, nao que seja um trem ruim, pelo contrario eum otino trem, mas ja esta nahora da linha 7 receber coisas novas, que e o caso do serie 7000, que tem apenas 5 unidades, na linha e e bem avaliado pela populacao local, que sonha com a volta dos demais 15 trens, e a merecida modernizacao do 1700 e trazendo o siemens 3000 fatalmente ficara permanente na linha, e acho que o correto e ele ficar na reserva operacional, ou ate mesmo que sabe fazer a extensao operacional sentido jundiai, que é curta, mas so apos uma revisao geral claro.

    ResponderExcluir
  7. Arquiteto, serei sincero contigo: Para min, os 3000 deveriam ir para Francisco Morato à Jundiaí. Mas é que hoje em dia, essa frota está sendo cobiçada pela Linha 7-Rubi que por sua vez precisa de trens, e claro, já que chegaram os 7 7500 para a Linha 9-Esmeralda, já está na hora de 7 7000 voltarem para as Linhas 7-Rubi e 12-Safira. A revisão dos Siemens, é uma coisa que eles merecem e brevemente terão. Caro Arquiteto, vamos supor dos 7 7000 que voltarem, para acertar as contas 5 vão a Linha 7-Rubi e 2 vão a Linha 12-Safira, assim ficam 10 7000 em cada linha. Com 10 7000, seria muito melhor a operação da Linha 7 que teria metade da nova frota entregue não precisaria dos 3000 com tanta urgência, ai sim seria melhor para os 3000 passarem por revisão...

    ResponderExcluir
  8. Arquiteto, acho sim os 3000 velhos, mas prefiro um trem de 13 anos, do que um de 55, sei que muitos de vocês gostam do milzinho, mas pra mim já passou da hora de ele ganhar um merecido descanso, com certeza preferiria que viessem logo os 7000, mas como não vem.....

    ResponderExcluir
  9. Na minha opiniao esses trens seriam mto bem vindos na L7,nada contra os 1100 e 1700,alias gosto mto do 1100 e n gosto nada do 1700,mais voltando aos 3000 esses trens sao bons e tem um otimo desempenho na L8 e ja teve uma boa avaliaçao na L9,alem de serem confortaveis e serem trens entre ASPAS ''NOVO'' em relaçao aos q temos hj na linha,só sao piores doke os 5 unidades 7000,mais cm ctz ajudaria mto a L7 ate no sentido de a CPTM poder tirar 5 unidades do 1100 para levar para a BANDA B da L7 -FCO MORATO - JUNDIAI.e se realmente se confirmar que os 8 unidades do 7000 nao voltam mesmo na L11 EL,so poderemos contar com os 7000 da L9 que voltaram FUTURAMENTE (NGM SABE QDO)mais mesmo assim seriam apenas 15 em cada linha (15 na L7 e 15 na L12) + 8 na L11 fora os 2 que ja foram baixados,pois contamos atualmente com 38 unidades apenas do 7000.entao ficariamos apenas cm 15 7000 e os 1700 na L7 e ai que seria interessante colocar mais os 5 3000 na L7.para cobrir esses 5 7000 que nao viriam para ca nao e?

    ResponderExcluir
  10. Wagner, o 1717 permanece no abrigo da Lapa, passando por reparos. Da última vez que o vi, os técnicos estavam instalando componentes elétricos atrás do engate. Ainda falta ligar esses componentes, instalar faróis e fazer a funilaria.

    ResponderExcluir
  11. Caso os Siemens fossem para a Linha 7, seria para complementar frota. Não haveria necessidade de enviar unidades CAF 7000 para a Linha 9.

    ResponderExcluir
  12. Arquiteto, os 3000 já estão com a revisão geral vencida. Caso eles fossem para a Linha 7, iriam passar por todo o processo de reconstrução, ganhando a devida atenção e novos componentes. Uma das unidades em que entrei na cabine recentemente já estava com 1,4 milhão de quilometros. (Para revisão, 1 milhão já é o limite).

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores