quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Sindicato reclama falta de segurança na CPTM

Trem série 1100 - Estação Perus - Linha 7-Rubi
Fonte: Revista Ferroviária

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana (SINFERP) anunciou antes de ontem, durante uma coletiva de imprensa, que entrará com um ofício pedindo a apuração completa do acidente que vitimou dois funcionários da CPTM, na última sexta-feira, 2, em Barueri, Grande São Paulo.

Os sindicalistas reclamam da preciptação do gerente-geral de manutenção da CPTM, Evaldo José dos Reis Ferreira, que afirmou à imprensa, algumas horas depois do acidente, que o ocorrido teria sido negligência dos próprios funcionários que, segundo a CPTM, não deveriam andar sobre a via. Além disso, os trabalhadores cobram melhorias na sinalização da via e afirmam que a empresa não cumpre todas as normas de segurança.

Segundo o presidente do SINFERP, Éverson Craveiro, a CPTM não cumpriu os procedimentos de segurança presentes na ‘Norma de Serviço’, artigo 4.2 - Proteção Coletiva, onde é prevista a sinalização adequada para evitar acidentes e a comunicação entre todos os envolvidos.
“O CCO [Centro de Controle de Operações] mandou o trem retornar para a oficina pela mesma via que ele tinha passado, sem comunicar aos trabalhadores, que foram pegos de costas”, afirma Craveiro. Para ele, se a companhia tivesse utilização a sinalização correta, o acidente teria sido evitado.

Para diminuir o tempo de viagem e os intervalos entre os trens, o sindicato afirma que a CPTM expõe os funcionários a riscos de morte. “Esse tipo de operação realizada pelos Assistentes de Serviços de Manutenção I e II, mortos no acidente, deveria ter sido acompanhado por um técnico, que estava de folga no dia, porque havia feito hora extra”, acusa Éverson.

O acidente da última sexta-feira foi o segundo caso em cinco dias em que funcionários da CPTM morrem atropelados. Segundo o SINFERP, somente em 2011 ocorreram 16 acidentes fatais nas linhas da companhia. O sindicato espera que a CPTM se manifeste e apure esse acidente. Caso isso não ocorra, os trabalhadores irão paralizar as operações.

3 comentários:

  1. A empresa sempre utiliza e sempre utilizará a desculpa de falha humana. Por parte de quem? Da vítima obviamente, pois esta não está mais aqui para se defender. Algumas perguntas sobre o acidente de Barueri:
    1- A via estava devidamente sinalizada, orientando o maquinista para reduzir a velocidade?
    2- Havia um ou dois funcionários, posicionados nas extremidades do local do serviço só para olhar a aproximação dos trens e comunicar os demais?
    3- O CCO estava ciente do serviço para comunicar o maquinista para reduzir a velocidade no trecho em obras?

    Alguém já pensou que esses experientes funcionários, com 30 anos de empresa foram pegos de surpresa, achando que CCO e maquinistas estavam cientes do serviço ou coisa do tipo. Amigos, são trinta anos de serviço, não são trinta dias, para morrer de graça por conta própria. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. ...só mais um detalhe que deixei de expor: quando fazemos manobras em Pres. Altino e existe pessoal, por exemplo consertando uma AMV, rede aérea, etc, sempre somos comunicados pelo PCP, o qual avisa também aos maquinistas que chegam no pátio: "amigo, avance com cuidado porque tem equipe operando na via". Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Para fiscalização das condições de dormentes

    Não é necessário mais 2 funcionários sinalizando. Não existe norma técnica ou algo escrito exigindo tal procedimento.

    Enfim não vou entrar em discussão, mas não vou acusar a CPTM por tal fato.

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores