domingo, 30 de janeiro de 2011

Intercâmbio cultural Rio x SP

Caros seguidores, ontem tivemos uma tarde bastante diferente... Em um grande passeio, tivemos a companhia de Tiago Bastos e do amigo Bruno (ViajanteFLA), ambos do Rio de Janeiro. Assim como eu e Derick, são fotógrafos e historiadores das ferrovias metropolitanas cariocas. Nos encontramos na estação Brás, as 14h, e rumamos até a Linha 5-lilás do Metrô, para ambos desfrutarem do trem que lá opera. Antes disso, descemos até Grajaú, e posteriormente, seguimos até Calmon Viana.
O mais legal de tudo isso foi a troca de experiências entre nós. Histórias dos trens de São Paulo e do Rio de Janeiro contadas a fio, por quatro admiradores. Algo inédito para mim, que achei muito interessante e instrutivo! Sem falar que houve respeito mútuo entre todos, ou seja, ninguém quis se passar por melhor ou pior que o outro. Fica aqui no blog o agradecimento aos amigos Tiago Bastos e Bruno pela visita a São Paulo, pelo passeio, pelas histórias e pela agradável companhia que fizeram a mim e ao Derick. Esperamos em breve repetir esse dia, seja na CPTM, seja na Supervia!

sábado, 29 de janeiro de 2011

Expresso Turístico lotado até Maio

Fonte: Diário do Grande ABC

O Expresso Turístico Luz-Paranapiacaba vai muito bem, obrigada. Ao menos para a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), responsável pela venda dos bilhetes do passeio. Para quem quer fazer o trajeto entre as duas estações, uma no centro de São Paulo e outra na vila ferroviária de Santo André, a coisa fica um pouco mais complicada: as passagens estão esgotadas até maio. Solitária, a poltrona 48 do trem que sai no dia 6 de março é a única que continua disponível, segundo pesquisa feita pelo Diário no site da empresa.
A composição, fabricada na década de 1950 e formada por dois carros de aço tracionados por uma locomotiva, começou a circular em 19 de setembro do ano passado. O percurso de 48 quilômetros leva uma hora e meia e é realizado ao longo da atual Linha 10-Turquesa. Juntos, os dois vagões transportam 174 passageiros. Em todas as viagens feitas até agora, a composição seguiu lotada até a vila.
Diante do sucesso do roteiro, a CPTM informou que pretende ampliar a frota de trens para, assim, realizar mais viagens. Está em negociação com o governo federal o repasse de vagões de passageiros de longo percurso, mas não há prazo, porém, para que isso ocorra.
Por enquanto, a companhia não possui pesquisa sobre o perfil dos passageiros que percorrem o trecho entre a Luz e Paranapiacaba. Entretanto, levantamentos feitos com aqueles que viajam nos expressos turísticos com destino a Mogi das Cruzes e Jundiaí revelaram que a maioria das pessoas tem mais de 40 anos, viaja em famílias ou grupos e também em duplas (casais ou amigos). É provável que o perfil se repita também no percurso até a vila.
A viagem entre o trecho Luz-Paranapiacaba é realizada quinzenalmente, sempre aos domingos. Os bilhetes individuais custam R$ 28, se o embarque for feito na Luz, ou R$ 25, se o ponto inicial for a cidade de Santo André. A CPTM oferece descontos para grupos de até quatro pessoas: a primeira tarifa tem valor integral, e as outras saem pela metade do preço. As passagens podem ser compradas nas estações da Luz ou Celso Daniel-Santo André. A bilheteria em ambos os locais funciona das 6h às 18h30, todos os dias. 

Visitantes aquecem negócios na vila
Os comerciantes de Paranapiacaba ainda não mediram o impacto do Expresso Turístico nos negócios, mas garantem que as vendas aumentam nos dias em que os passageiros desembarcam em Paranapiacaba. "Agora é tudo novidade, então tem muita gente interessada nas viagens. Precisamos ver se vai continuar assim antes de dizer o quanto as vendas aumentaram", opinou Zilda Maria Bergamin, 56 anos, proprietária do tradicional Bar da Zilda.
A dona do bar e restaurante Lanches Castelinho, Lurdes Bonifácio de Souza, 53, garante que o frango com quiabo e o tutu de feijão da casa têm saído como nunca nos dias em que o Expresso desembarca na vila. "Seria bom aumentar o número de viagens para melhorar ainda mais os negócios", garantiu.
Zilda é mais cautelosa nesse ponto, pois acredita que será necessário ampliar a infraestrutura de Paranapiacaba para receber esses visitantes. "Por enquanto estamos dando conta. Antes de aumentar, é preciso avaliar se o comércio local dará conta de receber essa nova leva de turistas", afirmou.
A visão de empresas que oferecem passeios turísticos na região é um pouco diferente. "Com apenas uma viagem por dia, o impacto no número de passeios é mínimo. Precisava ampliar para trazer mais gente e dar a possibilidade de as pessoas pernoitarem por aqui", avaliou Clair Casarim, 58, proprietária da CicloTur, que oferece atividades como arborismo, tiroleza, rapel e city tour em trenzinho.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A eterna reclamação dos usuários - Parte 3 de 8

Trem série 5000 em Itapevi: frota nova já está a caminho
Crédito da foto: Diego Silva
Na terceira reportagem da série, falaremos sobre a linha 8-Diamante, no que compreende Júlio Prestes a Itapevi. Construída há muito tempo atrás, pela então Estrada de Ferro Sorocabana, a linha conta com 20 estações ligando São Paulo a Itapevi. De um tempo para cá, se tornou a pior linha da CPTM, já que falta acessibilidade, regularidade nos trens, e principalmente, trens. A frota da Linha 8 está totalmente sem condições de circulação, já que os trens ultrapassam os 30 anos de idade, não dispõem de um sistema de ventilação, e sofrem constantes avarias. Ou seja, nessa linha, os usuários têm toda a razão de reclamarem, pois em sua obra realizada pela Fepasa, o sistema era para ser adotado como metrô de superfície, com intervalos regulares de no máximo cinco minutos.

Trem série 5000 chegando em Palmeiras-Barra Funda
Integração com a linha 7 da CPTM e Linha 3 do Metrô 
Crédito: Diego Silva

A história da linha 8 não é das mais antigas. Quando a Fepasa operava tal rota, os trens costumavam seguir até Sorocaba, claro, em integração, por conta da via métrica. Mas havia um serviço bastante extenso. Segundo testemunhas da época, o serviço prestado era excelente, uma vez que a Fepasa marcou seu nome na história da ferrovia paulista. Além dos famosos trens de passageiros oferecidos em viagens de longa distância, os trens de subúrbio competiam com os trens da CBTU pelo melhor serviço.
Atualmente, a Linha 8-diamante vive problemas sérios. Sua frota inteira está comprometida, circulando com riscos eminentes de avarias. Assim como todo a malha, o sistema de sinalização é outro ponto negativo, o que complica ainda mais a situação. Recentemente, a CPTM deslocou duas unidades de trem série 5500 para auxiliar na operação da linha, uma vez que os trens série 5000, com suas constantes avarias, vão deixando buracos na circulação, além de não contar com substitutos.

Trem série 5500 chegando em Itapevi:
trens da linha 12-safira socorrem trens da linha 8-diamante
Crédito: Diego Silva

Porém, o que era para ser ajuda, a princípio se tornou ainda mais problema. Com a chegada dos trens série 5500, houve a necessidade de um ajuste para que o mesmo pudesse circular com 12 carros. Em seus primeiros dias de operação, muitos problemas aconteceram, causando ainda mais atrasos e reclamação dos usuários. Hoje, as duas unidades lá presentes circulam sem grandes complicações. A maior reclamação dos usuários da linha 8-diamante é a questão do possível esquecimento da CPTM. As demais linhas andam recebendo novos trens e melhorias frequentes, enquanto a linha 8 está as escuras, sem novidades. Mas a CPTM não pode cuidar de tudo ao mesmo tempo, há de se fazer tudo por partes. E os problemas da Linha 8 estão com os dias contados. Desde o ano passado, a CPTM começou a reforma e modernização das estações de Itapevi (já entregue), Eng. Cardoso (já entregue), Carapicuíba, Barueri e Osasco. É pouco diante de tanto problema, mas já é um começo de melhoras para essa linha. Além disso, já foram comprados os 36 novos trens para atender a demanda, e o primeiro deles deve chegar em meados de julho, vindo diretamente da construtora espanhola CAF.

Trem série 7000: Espanhola CAF entregará 36 trens semelhantes
Crédito da foto: Diego Silva

A questão da extensão operacional
 Trem série 4800 em Amador Bueno: trecho em obras
Crédito: Diego Silva
A extensão operacional Itapevi x Amador Bueno, o pior trecho dessa linha, encontra-se em obras. Até abril de 2010, a linha recebia um serviço muito precário, com um trem sem as mínimas condições de conforto, num trecho curto que a composição levava cerca de 25 minutos para cumprir. Com o final do serviço, os habitantes da região de Amador Bueno tem se utilizado de ônibus da operação PAESE, que irão operar até o final das obras, estimado para o novembro desse ano. As obras incluem a total modernização do trecho, alteração de bitola de métrica para larga, reconstrução das estações, aquisição de novos trens (viagens serão feitas entre Júlio Prestes e Amador Bueno direto, segundo informa a CPTM). A equipe do Blog CPTM em Foco esteve no penúltimo dia de operação da extensão da linha 8, e gravou os últimos momentos em fotos e vídeos, disponíveis no youtube. Após muitas reclamações dos usuários da extensão contra o PAESE, entramos em contato com a CPTM que deu certeza na entrega das obras em novembro desse ano. Resta a nós, usuários e admiradores, esperar que fim terá a extensão, e se realmente as obras serão entregues no prazo.

Trem série 5000 em Itapevi: melhorias estão a caminho
Crédito: Diego Silva

Em síntese, os usuários dessa linha tem sim do que reclamar. Atrasos frequentes, superlotação nos trens, falta de acessibilidade, e principalmente, constantes avarias nos trens fizeram da linha 8, a pior da CPTM nesses últimos tempos. Mas melhoras vem aí, e a população deve ser paciente, pois já em julho chegarão novos trens para essa linha, e as melhoras estão em andamento.
Na nossa próxima matéria da série, a linha 9-esmeralda em foco. A menina dos olhos da CPTM diante das reclamações dos usuários.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Ciclovia Rio Pinheiros terá trecho entre Miguel Yunes e Jurubatuba interditado para obras

A CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] informa que, entre os dias 26 e 29 de janeiro, a ciclovia Rio Pinheiros terá um trecho de 2,5 km interditado para que a EMAE [Empresa Metropolitana de Águas e Energia] realize obras de manutenção entre a Avenida Miguel Yunes e o acesso próximo à estação Jurubatuba.

Nesse período, os acessos de entrada ou saída da ciclovia ocorrerão somente pelas estações Jurubatuba e Vila Olímpia. A circulação de bicicletas estará liberada diariamente, no horário normal [das 5h30 às 19h], no trecho compreendido entre as estações Jurubatuba e Vila Olímpia. O trecho interditado será reaberto a partir do dia 30 de janeiro.

Ciclovia Rio Pinheiros

Inaugurada em fevereiro de 2010, a Ciclovia Rio Pinheiros tornou-se uma alternativa segura de lazer e deslocamento para os moradores da capital. Com 14 km de extensão, liga a Avenida Miguel Yunes, nas proximidades da estação Autódromo, à Vila Olímpia.

Os ciclistas contam com três pontos de apoio: um no acesso pela Av. Miguel Yunes e os outros dois nas estações Santo Amaro e Vila Olímpia. Nos "pontos" há banheiros, bebedouros e espaço para troca de pneus e manutenção das bikes, além de local para descanso.

A ciclovia é resultado de uma parceria entre a CPTM e a Emae, que autorizou sua implantação na estrada de serviço que fica paralela à Linha 9-Esmeralda [Osasco-Grajaú], às margens do Rio Pinheiros.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

CPTM reforça operação para atender aos ciclistas do World Bike Tour SP

 Fonte: CPTM (site oficial)

Quem for à 3ª edição do World Bike Tour São Paulo, um dos maiores eventos de ciclismo no mundo, no feriado do dia 25 [terça-feira], poderá utilizar os trens da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] para chegar ao local.

O passeio terá início às 9h, na Ponte Octávio Frias de Oliveira [Ponte Estaiada], seguirá pela Marginal Pinheiros e terminará na Rua Professor Mello Morais, junto à Portaria 14- "Velódromo", com previsão de chegada às 11h.

Para chegar ao ponto de largada, os ciclistas que optarem pela CPTM poderão desembarcar nas estações Morumbi ou Berrini, na Linha 9-Esmeralda [Osasco-Grajaú], uma vez que a ponte estaiada fica entre as duas estações. Já quem quiser ir direto para o ponto de chegada, a estação Cidade Universitária é a mais próxima.

Para atender aos usuários habituais e aos participantes do evento, a Linha 9-Esmeralda vai operar com intervalos menores. Em caso de aumento da demanda, trens de prontidão, alocados em pontos estratégicos, serão inseridos na operação.

A CPTM também reforçará seu quadro operativo, alocando mais empregados nas estações de maior movimento. Os usuários serão informados sobre as ações por meio do sistema de som das estações e trens.

Vale lembrar que o uso de bicicletas é liberado aos finais de semana nos trens da CPTM, a partir das 14h de sábado e durante toda a operação comercial, aos domingos e feriados. No Metrô, além dos finais de semana e feriados, quando o esquema é idêntico ao da CPTM, as bicicletas também são permitidas de segunda a sexta-feira, a partir das 20h30 até o encerramento da operação.

Sobre a prova

O Bike Tour de São Paulo é organizado em conjunto com o Governo Federal - Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, o Governo de São Paulo, a Prefeitura da Cidade de São Paulo e o Instituto Superar. O principal objetivo é incentivar os participantes a adotarem um estilo de vida mais saudável, combinando o prazer de um mero passeio com a prática de exercício físico.

A prova é um dos eventos ciclísticos que reúne mais adeptos em todo o planeta. Na edição paulistana, são esperados cerca de 7.000 participantes que pedalarão ao longo de 10 km. As inscrições estão esgotadas. Para mais informações sobre a prova, acesse o site oficial www.worldbiketour.net

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A eterna reclamação dos usuários - Parte 2 de 8

Trem série 1700 na estação Luz: Desde 1987 rodando na Linha 7-Rubi

Nessa segunda parte da série de reportagens, falaremos sobre a linha 7-Rubi, que liga a estação Luz a Jundiaí. Construída ainda no século XIX, pela então SPR, o leito da estrada de ferro Santos-Jundiaí reserva bastante história, que merecerá uma matéria futura. Quando a CPTM assumiu esse trecho, contava com três frotas para operar o trecho compreendido entre Luz x Francisco Morato. Tais frotas eram os trens das série 101 (atuais 1100), 401 (atuais 1400) e 700 (atuais 1700). Não havia sequer o sistema de sinalização ATC (automatic train control). Tudo era controlado por CTC (central train control). Em 1992, na fundação da CPTM, esse trecho era compartilhado com trens de carga da então RFFSA, além dos trens de passageiros de longa distância da Fepasa. Ou seja, assim como em outras linhas, o intervalo no horário de pico era entre 25 e 30 minutos, sendo tolerável até 20 minutos. O motivo de tanta espera era simples: trens que partiam de Francisco Morato ou Jundiaí chegavam a atender escala até Mauá (pertencente a então linha D, atual Linha 10-turquesa), Rio Grande da Serra ou mesmo Paranapiacaba. No retorno de Paranapiacaba, determinados trens partiam com destinos alternados entre Pirituba, Francisco Morato e Jundiaí. Falta de controle entre trens gerava muitos atrasos, e a participação de trens cargueiros piorava a situação, que já era complicada na época.

Trem série 101 (atual série 1100) na estação Luz. 
Composições cruzavam a região metropolitana em viagens regulares diariamente.

Com o passar do tempo, a demanda da então Linha A da CPTM começou a crescer em taxas significativas, o que determinou um novo planejamento para essa linha. Em meados de 1996, a CPTM licitou a reforma e modernização de todos os trens série 101 da CBTU, o que transformou posteriormente em Série 1100. Durante esse período de modernização, trens série 401 e 700 rodavam na Linha A. Nesse tempo, ainda era comum ver usuários pendurados nas portas, ou mesmo surfistas... Cenas que acabaram pouco tempo depois.

 Trem série 1100 - Primeiro trem reformado, no pátio da Mafersa
Atualmente, a linha 7-Rubi vive um êxito. Recebendo uma nova frota de 20 trens, automaticamente irá aumentar e muito a capacidade de transporte da linha, que hoje conta com cerca de 18 trens em sua ligação Luz x Francisco Morato. Com a chegada dos vinte novos trens, possivelmente a CPTM irá retirar os trens da série 1100 dessa linha, já que os mesmos contam com apenas seis carros, contra oito das outras frotas. Porém, os usuários ainda reclamam de determinadas situações na Linha 7-Rubi. A começar, temos ainda um problema agravante: o vão entre o trem e a plataforma. Em determinadas estações, o vão chega a quase dois palmos, risco agravante para usuários.
Os usuários reclamam muito dessa linha... A começar: trem série 1100. Simplesmente detestam! De certa forma, os usuários protestam contra essa série, já que aparenta ser mais lento que os outros. Pudera, conta com dois carros a menos, e um número inferior de motores, o que torna seu desenvolvimento mais lento. Outra reclamação: lotação. A região de Francisco Morato é uma das mais populosas da região metropolitana, o que gera a necessidade de transporte para a capital. Com a compra de 20 trens, a CPTM pretende uma melhoria rápida nessa linha, que passará a contar com uma redução de intervalo no horário de pico, e gerará um melhor escoamento do fluxo de passageiros.
Mas acreditem se quiserem... Até mesmo o novo trem não escapou das reclamações dos usuários. Durante algumas viagens, pude notar certo descontentamento com o novo série 7000. Reclamam da velocidade, do ar-condicionado, das freadas mais bruscas... Vida de usuário é reclamar, não tem jeito...

Novo trem série 7000: Reforço de frota na Linha 7-Rubi

Grandes obras acontecem ao mesmo tempo na Linha 7-Rubi. A estação de Francisco Morato está sendo reconstruída, sendo que nesse momento, passa por demolição parcial do antigo prédio. O mesmo ocorre na estação de Franco da Rocha. Com a construção dessas duas estações, de grande movimento, a qualidade de vida da população usuária tende a melhorar bastante. Inclusive, esperamos ainda a construção da nova estação Vila Aurora, que está nos primórdios ainda... Com a reconstrução de Francisco Morato, a população local terá um espaço muito maior para circular, além de integrar com um terminal rodoviário, que também está em construção. Em Franco da Rocha, basicamente a mesma coisa, porém, uma estação ainda maior, para receber muito mais usuários. A questão de Vila Aurora é um tanto estranha... Essa nova estação ficará entre as estações de Perus e Jaraguá, num trecho de 7 km de vias livres, onde os trens alcançam velocidade média de 87 km/h. Não sei ao certo se existe demanda para aquela estação, mas a CPTM não iria levantar uma estação-fantasma.

 Estação provisória de Francisco Morato: Antigo prédio passa por reformas

Projeto da futura estação Vila Aurora: obras atrasadas


A questão da extensão operacional
Trem série 1600 - Extensão da linha 7-Rubi poderia ir até Campinas

A extensão operacional da linha 7-Rubi, que liga Francisco Morato até Jundiaí é um caso a parte. Com uma demanda bastante reduzida, não há muito o que se fazer. Seis trens atendem essa linha, todos com 4 carros. Esporadicamente, a CPTM oferece um trem direto, fazendo o trajeto Luz x Jundiaí. Em casos específicos apenas, não são regulares. A frota é praticamente a mesma, com exceção dos trens série 1400 e 1600, que auxiliam com 4 e 3 carros, respectivamente. Uma grande ideia que a CPTM poderia aproveitar seria a extensão do serviço até a cidade de Campinas. Com isso, faria-se a extensão operacional Francisco Morato x Campinas. Muitas pessoas se deslocam de cidades do interior como Vinhedo, Campinas e Louveira para São Paulo, para trabalhar, e todas ou quase todas em ônibus fretados. Com a chegada do trem em Campinas, a CPTM ganharia muitos usuários, além de oferecer um transporte rápido e confortável, paralelamente retiraria ônibus das estradas, contribuindo com a redução da poluição local.

Conclusão:
A Linha 7-Rubi é uma das mais antigas em operação no país. Datada de 1867, construída pela SPR (São Paulo Railway), cresceu com investimentos das ferrovias posteriores. Na administração da CPTM, foi palco de um dos acidentes mais trágicos que a companhia registrou. Todavia, assim como todas as outras linhas, tem sido vista com bons olhos pela CPTM, e recebe investimentos fortes. Já conta com pelo menos 5 novos trens, dos 20 a serem entregues. Além disso, conta com duas frotas de trens com certa idade, porém, muito úteis e funcionais, que trabalham nessa linha há muitos anos, sendo já de costume para a população local. 

 Trem série 1700 - Estação Jundiaí é terminal dos serviços da CPTM na Linha 7-Rubi

Sua extensão operacional é mais da metade da linha comum, porém, haveria a necessidade de se estender até Campinas, num projeto ambicioso. As estações são muito antigas, herança das ferrovias anteriores, mas todas recebem perfeitamente os usuários, num padrão mínimo de conforto e segurança. Usuários reclamam muito dos trens série 1100, do novo série 7000 e da lotação. 
O que há de se perceber de mudanças: aumento na frota, redução do intervalo médio nos horários de pico e de vale, maior segurança para os usuários (trens viajam de portas fechadas), extinção da cobrança de integração entre Francisco Morato e Jundiaí (antigamente, se cobrava R$ 0,25 a mais na passagem para quem quisesse prosseguir), acessibilidade (instalação de estribos nos trens, reduzindo o vão entre o trem e a plataforma).
O que ainda é necessário mudar: extinção de comércio ambulante, redução do vão entre o trem e a plataforma, maior participação dos usuários em ações de segurança, conscientização das leis do regulamento de viagem pelos usuários, aproximação dos trens no horário do pico da manhã (loop Palmeiras-Barra Funda x Caieiras deixa um buraco na circulação, causando acúmulo de usuários na estação Luz)


O serviço prestado na linha 7-Rubi pode ser considerado de razoável para bom. O intervalo não é considerado abusivo, os trens oferecem segurança e conforto esperados, funcionários atendem com o padrão CPTM, e não são encontrados usuários armados ou usando entorpecentes nas composições (pelo menos não foi registrado nesses últimos tempos, de acordo com pesquisa levantada).
Nessa primeira matéria sobre as linhas da CPTM, usuários reclamam sem motivos óbvios. No caso da linha 7-Rubi, acredito que um pensamento mais profundo dos usuários em tentar conhecer o que de fato acontece em sua linha de origem seria o mais indicado.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A eterna reclamação dos usuários - Parte 1 de 8

Caros usuários e seguidores do blog CPTM em Foco... Os últimos eventos têm sido bastante irritantes para mim, que vivo comentando e informando vocês sobre as atuais condiçoes da CPTM e seus trens. Ainda tento entender porque tanta gente critica a CPTM, o seu serviço e sua estrutura. Todos os dias, sou metralhado de críticas, porque a CPTM é isso, os trens são aquilo... Acredito que grande parte de vocês são novos, não tenham mais do que 20 anos, que é o tempo de idade da CPTM. Mas quem conhece o sistema há mais tempo, sabe perfeitamente como era o serviço de transporte metropolitano servido por RFFSA,  CBTU e FEPASA, antecessoras da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Nos últimos 18 anos, temos visto uma melhora nunca antes vista no sistema de transporte sobre trilhos em São Paulo. Recebemos mais de 100 novos trens, novas estações, acessibilidade em diversas outras paradas... Tivemos políticas de prevenção de acidentes, operações de embarque melhor, operação portas fechadas, mas ninguém está contente... Hoje estou começando uma série de matérias demonstrando a incapacidade dos usuários em perceber a melhoria existente. Num panorama geral, temos descontentamento em todas as linhas, acreditem se quiserem. Até mesmo se chove, a CPTM tem culpa. Não quero ser o salvador da pátria com essas matérias, mas sim, mostrar para todos que temos o melhor sistema de transporte ferroviário de passageiros do país, e me darei a liberdade de fazer comparações com as demais companhias do setor no Brasil. Durante essa semana, estaremos apresentando essa série de reportagens, onde o foco está na eterna reclamação dos usuários.

Série 1100, um dos trens mais odiados pela população usuária de São Paulo

Nessa primeira matéria, vamos falar do panorama atual. Sou usuário de todas as linhas, sei de todos os problemas das populações, e tenho a autoridade necessária para expor a opinião correta nessas reportagens. Temos a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos como servidora de serviços de transporte em São Paulo desde 28.05.1992. Depois da estatização da CBTU e da Fepasa, ambas foram absorvidas pelo governo do estado de São Paulo, para virar o que hoje é a CPTM. Na época, diversos problemas eram comuns, tais como atrasos de trens, usuários pendurados nas portas, surfistas, tráfico de drogas dentro das composições e até mesmo assaltos.

Trem série 1600 (ex 431 da CBTU), partindo da estação Brás. Cena com usuários pendurados nas portas era absolutamente comum no início da CPTM

Na fundação da CPTM, um dos maiores problemas era a questão da frota. CBTU e Fepasa entregaram trens totalmente depredados, sem qualquer condição de uso num padrão mínimo de conforto e qualidade. Enquanto isso, no restante do país, a cena era a mesma. Eis que a CPTM começou com as mudanças logo após sua fundação. A nova diretoria se preocupou primeiramente na condição da frota. Todos os trens foram mandados para revisão geral. Nesse meio tempo, intervalos no horário de pico chegavam a inacreditáveis 20 minutos. Após as revisões, o sistema passou a rodar com maior confiabilidade. E alguns anos após isso, foi chegada a hora da aquisição de novas frotas. Em 1998, a CPTM fecha acordo com a Renfe (operadora espanhola de trens), na aquisição de 48 trens de 3 carros, dotados de ar-condicionado, música ambiente e maior conforto. No ano seguinte, trens do mesmo padrão chegam ao Brasil, num lote de compra de 60 unidades de 4 carros. Posteriormente, mais 10 unidades de 4 carros para a Linha C. A CPTM começou a mudar de cara: novos trens, com padrão de conforto nunca visto antes em São Paulo, rodavam por nossas ferrovias.

 Estação Aracaré (Linha 12-Safira) - Herança deixada pela CBTU, sem qualquer tipo de 
acessibilidade ou conforto, estações similares possuem características rústicas.

Nas estações, antes totalmente descobertas e sem qualquer acessibilidade, obras de melhorias são percebidas nos primeiros anos. A maior obra de todas: a integração subterrânea entre a Estação Luz da CPTM com a estação Luz do Metrô. Quem se lembra, sabe que tínhamos que sair da estação Luz da CPTM, atravessar uma rua, e entrar na estação de metrô. Não havia integração gratuita. Integração foi a palavra-chave na CPTM, nesses 18 anos: novos trens, novas estações, mais acessibilidade e facilidade ao usuário. Uma nova imagem dos trens se fazia em São Paulo.
Com mais segurança, automaticamente gerou mais demanda... E os trens no horário de pico ainda não suportam totalmente a população usuária. Mas hoje, espera-se no máximo 8 minutos por uma composição no horário de pico, contra 20 dos tempos de CBTU.

Estação Luz no horário de pico da manhã: Linha 7-Rubi e Linha 11-Coral são responsáveis por 66% dos usuários da estação todos os dias. Estação é atendida ainda por mais uma linha, fazendo dela a estação mais movimentada da CPTM, tendo integração gratuita com a linha 1 do Metrô

Na nossa próxima reportagem, falaremos da Linha 7-Rubi. Os problemas e soluções da antiga Linha A da CPTM, seus fatos e histórias. Aguardo a visita de todos vocês!

Metrô, CPTM e EMTU iniciam campanha para arrecadar donativos às vítimas das chuvas

Chuvas de janeiro tem castigado a região metropolitana e capital de São Paulo

A Secretaria de Estados dos Transportes Metropolitanos informa que, a partir desta quarta-feira, dia 19, o Metrô, a CPTM e a EMTU/SP iniciam campanha para arrecadar donativos às vitimas das chuvas. Os interessados em colaborar podem doar roupas, alimentos não perecíveis [embalados em caixas, latas ou sacos e que não sejam refrigerados] e material de higiene pessoal, incluindo fraldas descartáveis, até o dia 2 de fevereiro.

As caixas coletoras estarão localizadas nas estações mais movimentadas do sistema metro-ferroviário e nos terminais metropolitanos do Corredor ABD da EMTU [São Mateus - Jabaquara], numa parceria entre a EMTU e a Concessionária Metra, operadora do Corredor ABD.

Cada posto de coleta terá duas caixas, uma para doações de peças de vestuário e outra para receber alimentos não perecíveis e itens de higiene pessoal. Os produtos arrecadados serão encaminhados para o Fundo Social de Solidariedade do Governo e de Desenvolvimento Social e Cultural do Estado de São Paulo [Fussesp], que os enviará às comunidades atingidas pelas chuvas nos municípios paulistas e na região serrana.

Confira os pontos de arrecadação de donativos:

STM
Prédio Administrativo - Cidade II, Rua Boa Vista, 175 - Centro

Metrô
Estação Sé: Linhas 1-Azul e 3-Vermelha
Estação Paraíso: Linhas 1-Azul e 2-Verde
Estação Tucuruvi: Linha 1-Azul
Estação Tatuapé: Linha 3-Vermelha

CPTM
Estação Barra Funda: Linha 8-Diamante
Estação Santo Amaro: Linha 9-Esmeralda
Estação Luz: Linha 10-Turquesa
Estação Brás: Linha 11-Coral

EMTU
Terminal Metropolitano São Mateus
Av. Adélia Chohfi, 100 - Jardim Vera Cruz - São Paulo

Terminal Metropolitano São Bernardo do Campo
Rua Domingo Ballotin, s/nº - Centro - São Bernardo do Campo

Terminal Metropolitano Santo André Leste
Rua Itambé, s/nº - Centro - Santo André

Terminal Metropolitano Santo André Oeste
Rua Visconde de Taunay, s/nº - Centro - Santo André

Terminal Metropolitano Piraporinha
Av. Piraporinha, altura do nº 1.956 - Piraporinha - Diadema

Terminal Metropolitano Diadema
Av. Conceição, 7.000 - Parque Mamede - Diadema

Terminal Metropolitano Sônia Maria
Rua Ataulfo Alves, s/nº - Jardim Sônia Maria - Mauá

Terminal Metropolitano Ferrazópolis
Rua Pedro Henry, 250 - Vila Olga- São Bernardo do Campo

Terminal Metropolitano Jabaquara
Av. Eng.º Armando de Arruda Pereira [entre as ruas dos Comerciários e Nelson Fernandes] - Jabaquara [ao lado do Terminal Rodoviário do Jabaquara]

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Ocorrências nas Linhas 10 e 11 afetam circulação nessa tarde


Foto: CPTM

Linha 11-Coral
A CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] informa que devido a um defeito no fornecimento de energia elétrica da subestação Itaquera na Linha 11-Coral [Luz-Guaianazes], a circulação de trens no trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Guaianazes está sendo realizada por uma única via, gerando maior intervalo e tempo de parada nas plataformas.

Os usuários estão sendo orientados pelo sistema de som das estações e trens. Como alternativa, a região conta com a Linha 12-Safira [Brás-Calmon Viana], da CPTM, e a Linha 3-Vermelha [Palmeiras-Barra Funda / Corinthians-Itaquera], do Metrô, com transferência gratuita nas estações Corinthians- Itaquera e Tatuapé.

Foto: Luis Fernando


Linha 10-Turquesa
Devido às fortes chuvas na tarde desta terça-feira [18], a circulação de trens na Linha 10-Turquesa [Luz-Rio Grande da Serra] esta sendo feita somente entre as estações Luz e São Caetano e Mauá e Rio Grande da Serra. A Operação PAESE [serviço de ônibus gratuitos] foi acionada para fazer o transporte dos usuários entre as estações São Caetano e Mauá. Os usuários estão sendo orientados pelo sistema de som das estações e trens.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Linha 7 - Rubi volta a circular

Crédito da foto: Ricardo Guimarães.

Por: Diego Silva
As fortes chuvas que castigam a região metropolitana interromperam a circulação dos trens na linha 7-Rubi, que liga a estação Luz até Francisco Morato. Na cidade de Franco da Rocha, um alagamento de grandes proporções afetou a circulação de trens, que durante os últimos dias, circularam entre Luz e Caieiras, Franco da Rocha e Jundiaí. Foi acionada a operação PAESE entre as estações Caieiras e Franco da Rocha, mas os alagamentos complicaram inclusive a circulação alternativa de ônibus. Nessa tarde, a circulação de trens foi reestabelecida, depois de quase três dias em operação especial. Com isso, grande parte dos usuários ficou impossibilitado de chegar a capital pela ferrovia. Esse alagamento foi um dos piores na região de Franco da Rocha desde 1987, quando um semelhante também afetou a cidade. O governador Geraldo Alckmin anunciou a construção de piscinões na cidade para evitar novos eventos como esse.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sérgio Avelleda assume a presidência do Metrô

Fonte: Revista Brasil Ferrovia
O atual Presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM,  Sérgio Henrique Passos Avelleda, será anunciado na tarde de hoje 12 de Janeiro de 2011 ás 16h30, como novo presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô.
Sérgio Avelleda já ocupou o cargo de Diretor de Assuntos Corporativos do Metrô de São Paulo, deixando este cargo em 2007 para assumir a Presidência da CPTM.  Pelo bom resultado que obteve a frente da CPTM, no processo de sua modernização, expansão e melhoria na qualidade dos serviços, o Secretário Estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, classificou Avelleda como o profissional ideal para os novos desafios que o Metrô de São Paulo terá pela frente como o Recorde de transportar diariamente 4 milhões de usuários por dia, a modernização do sistema, conclusão da Linha 4-Amarela e expansão de novas linhas.

CPTM também tem novo presidente
Mário Bandeira, que geriu a CPTM entre 2003 e 2006, retorna a presidencia, com o desafio de manter as melhorias deixadas por Sérgio Avelleda.

sábado, 1 de janeiro de 2011

As 100 fotos que marcaram 2010

Saudações a todos os visitantes. Essa é a nossa primeira matéria de 2011, e como estaremos de férias da ferrovia durante o mês de janeiro, mostrarei para vocês as 100 fotos mais importantes do ano de 2010. Foram cem cliques escolhidos com muita dificuldade, já que tive que escolher essas 100 fotos no meio de quase três mil. Espero que gostem das fotos, e até o retorno das férias! Agradeço a todos por visitarem o blog no ano de 2010.

Foto comemorativa do 1º ano de fotografias e filmagens na CPTM e no Metrô.
04 de fevereiro

Trem Série 1700 #1731 na Estação Luz
04 de Fevereiro

Primeira tour oficial com câmera digital
14 de Fevereiro

Trem Série 1100 chegando em Francisco Morato
Uma das últimas fotos na antiga estação
21 de fevereiro

Trem Série 1600 #1603, recém-chegado da reforma
21 de fevereiro
Metrô Frota G #222 em Sumaré
13 de março

Portas de plataforma na Estação Sacomã
13 de março
Trens série 5550 e 5500 em Brás
Versão reformada e versão original.
19 de março

Início da reforma da estação Calmon Viana
19 de março

Trem Série 1400 #1404 na estação Mogi das Cruzes
19 de março

Trem Série 1600 #1605 na estação Brás
28 de março
Novo trem série 7000, minutos antes de sua entrega
Estação Tatuapé
28 de março

Novo trem série 7000, em sua segunda viagem
Estação Brás
28 de março


Trens série 1100
Estação Luz
12 de abril

Trens séries 2000 e 2100
Estação Luz
21 de abril
 Trem Série 1700 #1716
Estação Luz
21 de abril

Trem Série 2100
Estação Luz
21 de abril

Trem série 5550
Estação USP Leste
22 de abril

Formação da MRS passando pela est. Luz
24 de abril

Trens série 1700
Estação Francisco Morato
24 de abril

Expresso Turístico
Estação Jundiaí
24 de abril

Frota H
Estação C. Itaquera
29 de abril

Trem série 4800 - Penúltimo dia de operação
Estação Amador Bueno
29 de abril

Trem série 4800 - Penúltimo dia de operação
Estação Itapevi
29 de abril

Trem série 4800 - penúltimo dia de operação
Estação Itapevi
29 de abril

Estação Paulista - Segundo dia de operação
Nova Linha 4-Amarela
26 de maio

Estação Paulista
Trem Driverless estacionado
26 de maio

Obras da Estação Tamanduateí
Integração CPTM - Metrô
26 de maio

 Trem série 1700
Estação Santo André
08 de junho

Trens série 2070
Estação Grajaú
09 de julho

Trens série 2070
Estação Grajaú
09 de julho

Trens série 3000
Estação Grajaú
09 de julho

Trem Série 1700 #1742
Estação Jundiaí
09 de julho

Trem Série 2100
Estação Rio Grande da Serra
19 de julho

Centro de Controle Operacional
Metrô de São Paulo
19 de julho

Centro de Controle Operacional
Metrô de São Paulo
19 de julho
 Cabine de comando
Metrô 134
19 de julho

Cabine de comando
Metrô 313
19 de julho

Viagem na cabine
Metrô 313
19 de julho

Frota H e Frota D
Pátio de Itaquera
19 de julho

H53
Pátio de Itaquera
19 de julho

 Frota H e Frota D
Pátio de Itaquera
19 de julho

Trem série 4400
Estação Brás
25 de julho

Centro de Controle Operacional
CPTM
25 de julho

Trens série 4400
Estação Brás
25 de julho

Trem série 1600
Estação Brás
25 de julho

Trem série 1600
Estação Brás
25 de julho

Trens série 1600
Estação Brás
25 de julho

 Trem série 1100
Estação Rio Grande da Serra
02 de agosto

 Trem série 2100
Estação Rio Grande da Serra
04 de agosto

Trem série 2100
Estação Rio Grande da Serra
04 de agosto


Trens série 2100
Estação Rio Grande da Serra
15 de agosto

Trem série 2100
Estação Pref. Celso Daniel - Sto André
15 de agosto

Trem série 2100
Estação Capuava
15 de agosto

 Trens série 2100
Estação Rio Grande da Serra
18 de agosto

Trem série 2100
Estação Rio Grande da Serra
22 de agosto

Trem série 2100
Chegando em Rio Grande da Serra
22 de agosto

Trens série 2100
Estação Rio Grande da Serra
22 de agosto

Trens série 2100
Estação Rio Grande da Serra
22 de agosto

Trem série 2100 #2144
Estação Rio Grande da Serra
22 de agosto

Trens série 2100
Estação Rio Grande da Serra
22 de agosto

Estação Vila Prudente
Segundo dia de operação assistida
24 de agosto

Estação Vila Prudente
Escadas rolantes - Acesso ao mezanino
24 de agosto

Trem série 1100
Estação Tamanduateí - Linha 10-Turquesa
24 de agosto

 Trem série 2100 #2135
Estação Tamanduateí
24 de agosto

 Trens série 7000
Estação Luz
31 de agosto

Trem série 5000
Estação Júlio Prestes
08 de setembro

Estação Júlio Prestes
Linha 8 - Diamante
08 de setembro

Trem série 2100 #2137
Estação Osasco
08 de setembro

Trens séries 5500, 5500 e 1700
Pátio de Presidente Altino
08 de setembro

Trens série 2100
Estação Brás
21 de setembro


Nova estação Tamanduateí
Fui um dos primeiros usuários a conhecer a nova estação, sendo o primeiro a descer nas plataformas.
21 de setembro

Cerimônia de inauguração - Nova Tamanduateí
Autoridades do estado e das operadoras
21 de setembro

Estação Tamanduateí
Último trem a prestar serviço (unidade 2120-2140)
21 de setembro

Eu, com o presidente Sérgio Avelleda e o amigo Luisinho
Inauguração da Nova Tamanduateí
21 de setembro

Primeiro trem a prestar serviços na Nova Tamanduateí
Trem série 2100 #2136
21 de setembro

Trens séries 2000 e 7000 alinhados
Estação Brás
21 de setembro

Trem série 4400
Estação Calmon Viana - modernizada
01 de outubro

Trens série 7000
Lavador e estacionamento de Jundiapeba
01 de outubro

Trem série 1700
Estação Luz
17 de outubro

Trens série 2070 e 7000
Abrigo de Presidente Altino
17 de outubro

Trens série 2070
Pátio de Presidente Altino
17 de outubro

Litorina Budd RDC em reforma
Abrigo Presidente Altino
17 de outubro

Viagem na cabine - trem série 2070 #2072
Estação Osasco - Estação Grajaú
17 de outubro

Viagem na cabine - trem série 2070 #2072
Estação Osasco - Estação Grajaú
17 de outubro

 Trem série 5000
Estação Itapevi
22 de outubro

 Trem série 5550
Chegando na estação Itapevi
22 de outubro

Trens série 5000 e 3000
Correndo para a estação Osasco
22 de outubro

Trem série 1100
Nova estação Tamanduateí
22 de outubro

 Trens série 1100
Estação Rio Grande da Serra
29 de outubro

 Locomotiva U20C 3157 + Trem série 1700 #1726
Estação Luz
09 de novembro

 Locomotivas Alco RS 3
Oficinas da Luz
11 de novembro

Locomotiva Alco RS 3
Oficinas da Luz
16 de novembro
 
 Trens séries 2100, 1700, 2000 e 2100
Estação Luz
17 de novembro

 Expresso Turístico
Gravação do comercial do banco Bradesco
Estação Palmeiras-Barra Funda
18 de novembro

Trens série 5550
Estação Brás
03 de dezembro

Trem série 7000
Estação Jurubatuba
04 de dezembro

Trem série 2070
Estação Grajaú
04 de dezembro

Trem série 7000
Estação Santo Amaro
04 de dezembro

Trens série 7000
Estação Jurubatuba
04 de dezembro

Siga o blog por email

Seguidores