quinta-feira, 24 de maio de 2012

CPTM 20 Anos: Os presidentes


Por Diego Silva
Colaboração: Sandro de Lima (Revista Ferrovia)

Em seus 20 anos de existência, a Companhia Paulsita de Trens Metropolitanos contou com pessoas qualificadas em sua presidência. Nomes importantes, conhecedores do sistema metropolitano de transportes. Vamos à lista daqueles que já presidiram a Companhia:

- Oliver Hossepian Sales de Lima
Período: 1992 a 1994 e 1998 a 2002

Engenheiro mecânico-eletricista, formado pela Universidade de São Paulo (USP) em 1956, e com cursos de pós-graduação também na USP, Oliver Hossepian Salles de Lima tem uma longa carreira de serviços prestados no setor de transportes. Iniciou sua caminhada profissional na Estrada de Ferro Sorocabana, em 1957, como engenheiro de manutenção e inspetor de obras novas de eletrificação e sinalização. Em 1968 ingressou no Metrô de São Paulo, como chefe do departamento de implantação de sistemas e operação e foi gerente de sistemas de operação. Na área de transportes públicos, Hossepian exerceu diversas funções e cargos, incluindo os de diretor técnico, diretor de produção e diretor presidente da Ferrovia Paulista S.A. (Fepasa); diretor presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU/SP); diretor de planejamento de transportes metropolitanos do Metrô de São Paulo; secretário adjunto da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos de São Paulo; e, por duas vezes, diretor presidente da CPTM.


- Frederico Bussinger
Período: 1994

Especialista em transportes, Bussinger foi Secretário Municipal de Transportes de São Paulo e Secretário Executivo do Ministério dos Transportes; Presidente da SPTRANS, CPTM, Cia. Docas de São Sebastião, dos Comitês Diretores da Estadualização da CBTU de SP e RJ, Conselho Nacional de Transportes Urbanos – CNTU e Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CONFEA; Diretor do Departamento Hidroviário (SP), CODESP (Porto de Santos) e METRÔ/SP. É membro dos Conselhos de Administração da CET, SPTRANS, CODESA (Porto de Vitória) e RFFSA; do Conselho Fiscal da ELETROBRAS e da Comissão Diretora do Programa Nacional de Desestatização – CD/PND. Coordena o grupo de trabalho de Transportes do Comitê Gestor da Política Estadual de Mudanças Climáticas – PEMC (SP). É pós-graduado em engenharia, administração de empresas e direito da concorrência, e possui extensão em arbitragem. Integra o Conselho de Administração da EMPLASA - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano. Atua também como consultor em transporte público, planejamento urbano, logística, planejamento e gestão portuária e hidroviária, manutenção, modelagem e regulação. É, ainda, palestrante e articulista. 

- José Roberto Medeiros da Rosa
Período: 1995 a 1998
(Não foram encontrados dados sobre o ex-presidente da Companhia)


- Álvaro Armond
Período: 2007 a 2008

Com 25 anos de experiência profissional, sendo 13 deles no grupo britânico Lloyds TSB, foi diretor presidente da Cia. Paulista de Trens Metropolitamos. Com diversas especializações no Brasil e no Exterior, é professor em cursos de pós-graduação no Ibmec São Paulo e também consultor na área de Educação Corporativa e Executiva com projetos e trabalhos voltados para o Mercado Financeiro, Administração de Investimentos, Gestão Corporativa e Empreendedorismo.


- Sérgio Henrique Passos Avelleda
Período: 2009 a 2010

Advogado, 40 anos, formado pela Faculdade de Direito da PUC de Campinas, turma de 1994, pós-graduado em MBA executivo pela Insper, Gerente Jurídico do Metrô de SP entre 2002 e 2007, Diretor de Assuntos Coorporativos em 2007 e 2008. Na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, ao assumir a presidência, encontrou uma companhia em desenvolvimento, ainda com certos desafios a serem cumpridos, mas enfrentou todos. Durante esse período de sua administração, podemos citar grandes e efetivas melhorias, entre elas: Aquisição de 57 novos trens; Modernização de 34 trens da CPTM, de diversas linhas; Parceria Pública Privada para a aquisição de 36 novos trens; Reconstrução de 7 estações; Unificação do Centro de Controle Operacional; Nova Identificação Visual da CPTM; Programa Usuário Amigo; Visitas Institucionais; Programa Dirigente de Plantão; Ciclovia do Rio Pinheiros; Aproximação CPTM e Usuário; SMS Denúncia; Expresso Turístico; Ciclista Cidadão; Câmeras de vigilância em todas as estações; Implantação de câmeras a bordo dos trens; Padronização da frota para 8 carros (em implantação); Cobertura total de grande parte das estações; Redução significativa do intervalo entre trens; Acessibilidade. Um fator determinante na administração de Sérgio Avelleda foi o contato. Em nenhum outro momento da CPTM um presidente foi tão acessível e compreensivo com a população usuária quanto Avelleda foi durante sua administração. Funcionários sempre elogiaram sua postura, e sempre frisaram que o presidente chegava às estações de trem, e não de carro como os anteriores faziam. Sérgio Avelleda optou pela simplicidade, viu que usuário é prioridadeEm 2011 foi nomeado presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô de São Paulo, cargo que deixou em meados desse ano. O Secretario Estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, classifica Sérgio Avelleda como “o profissional ideal para os novos desafios que o Metrô de São Paulo terá pela frente”. Ainda hoje é considerado como o melhor presidente que a CPTM já teve em seus 20 anos de existência. 


- Mário Manoel Rodrigues Seabra Bandeira
Período: 2003 a 2006 / 2011 a atual

Diretor-presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Diretor-presidente da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo – PRODESP , Assessor do Secretário e Coordenador  do Programa de Redução de Custos dos Serviços Públicos e do Comitê Gestor do CADEMP, Diretor de Controle Econômico e Financeiro da ARTESP, Coordenador AdministrativoFinanceiro da Comissão de Monitoramento das Concessões e Permissões dos Serviços Públicos do Estado de São Paulo, Assessor da Superintendência do Departamento de Estradas de Rodagem – DER, Coordenador responsável pela implantação do Programa 5S na Cia. do Metrô e pela implantação do Projeto de Qualidade (TQC) na Gerência de Serviços Administrativos, Coordenador responsável pela estruturação das áreas de Finanças e Controle da COSIPA, Chefe do Departamento de Custos na Cia. do Metrô, Assistente da Gerência de Controle na Cia. do Metrô, coordenando a implantação do Sistema de Controle Financeiro, Ingressou na Companhia do Metrô de São Paulo, abril de 1973 exercendo a função de Auditor até 1976. Atuou nas áreas de Controle e Finanças, exercendo as funções de Analista e Coordenador de Controle Financeiro até dez/83.

6 comentários:

  1. Lista tenebrosa esta...
    Infelizmente recheada de "parceiros políticos" dos que estão no governo a tanto tempo...
    Basta ver a quantidade de nomeações para diretorias diversas, todas no setor público...
    Começa pelo primeiro nome, aquele do acidente de Perus, termina com o último, de tantos problemas...
    O menos ruim realmente foi o sr. Sérgio HPA, mas também não era tudo isso... infelizmente os demais é que são muito ruins... E outra, ele não comprou 57 trens... apenas deu a sorte de em seu período projetos que estavam em andamento terem sido executados, mais por conta de um projeto presidencial do então governador da época... tanto que a empresa está as traças depois disso...
    Vinte anos de mais do mesmo... Até quando será utilizada a desculpa que "são linhas antigas, de mais de 100 anos, etc, etc, etc"? Não são, 2, 3, 5 anos, são 20 da mesma gestão...

    ResponderExcluir
  2. O mais interessante nisto é que o Frederico Bussinger tinha boatos no Metrô, no qual ele era funcionário, ser um companheiro comunistas desses Ptistas.

    ResponderExcluir
  3. Aqui nesta história da CPTM temos presidentes chamados cartelistas da ferrovia a CPTM e Metrô, como: Oliver Hossepiens sales de Lima, Mario Seabra bandeira,todos, eles noticiados nos jornais O estado de São Paulo e Folha de São Paulo. O mais interessante que Covas chamou Oliver que era diretor técnico da FEPASA nos militares.Não sei não, mas, quem faz cartel é como o cartel das bebidas do Al Capone, lembra!

    ResponderExcluir
  4. Acho que esta ferrovia esta infestado de cartelistas e temos que dar olhada nestas turmas que não devem serem presidentes de estatais, acho que deveria privatizar e acabar com os funcionário públicos ceeletistas. Porque estes PSDBistas não privatizam se o pai deles que é o FHC, acabou com a FEPASA e rede ferroviária federal?

    ResponderExcluir
  5. daqui a pouco vao por a mãe deles pro pra assumir a pasta da CPTM kkkkk
    seus lixos

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores