quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Estado abre estudo para trem regional até Campinas


Fonte: Correio Popular

O governo do Estado publicou ontem edital para contratar estudos de viabilidade da extensão até Campinas dos trilhos do trem de subúrbio que ligam São Paulo a Jundiaí. A partir dessas informações, informou a Secretaria de Transportes Metropolitanos, será elaborado um conjunto de diretrizes para novos eixos que demonstrem viabilidade para o transporte de passageiros sobre trilhos. Embora a ferrovia vá até a Capital, a proposta é que ele seja um trem metropolitano, ligando Campinas, Valinhos, Vinhedo, Louveira, Jundiaí e mais cidades até São Paulo.

Se pensar nesse trem para ligar Campinas a São Paulo, o projeto já nasce morto, porque na velocidade que ele percorre, significaria que o usuário levaria mais de 3 horas para fazer o trajeto e não teríamos passageiros para isso. Mas ele pode ter alguma viabilidade se for um trem com o perfil de interligar as cidades no seu trajeto, afirmou o secretário Jurandir Fernandes. Os trens da CPTM da linha 7, que ligam a Estação da Luz a Jundiaí, param em 17 estações atualmente. Como trem suburbano, embora sua velocidade atinja entre 80 e 90 quilômetros por hora, a velocidade comercial, por causa das paradas, é de 30 a 35 quilômetros por hora.

A Região Metropolitana de Campinas (RMC) quer transporte ferroviário, independente do trem de alta velocidade. Para os prefeitos, é essencial que a ferrovia seja o modal de transporte entre as cidades e que os vários projetos em estudo sejam definidos e implantados, até mesmo para que as ligações sobre trilhos possam atuar como alimentadoras do TAV. Além do trem-bala, há pelo menos sete estudos e projetos na região envolvendo o transporte ferroviário que perambulam por várias instâncias de governo, mas nunca saíram do papel.

Conforme o edital de tomada de preço, o estudo visa estabelecer uma rede de transportes metropolitanos sobre trilhos, com modernos padrões de serviço, que amplie a acessibilidade e a mobilidade na RMC e combine alternativa de alta capacidade com modalidades de média capacidade. O propósito é que, integradas com as demais opções de transportes existentes na região, possam ser implantadas progressivamente, oferecendo mais acessibilidade e mobilidade à população.

O governo do Estado continua resistindo a ideia de um trem regional até Campinas, com base em acordo feito com o governo federal, de que não implantaria nenhum trem que inviabilizasse o TAV. Mas em uma parceria entre os dois governos, Campinas poderá ter o TAV e o trem regional, já que o sistema proposto pelo Estado atenderia ao chamado público de transporte pendular (pessoas que trabalham fora da cidade e voltam para a cidade de origem todos os dias).

Com velocidade máxima de até 160 km/h, a proposta seria ter custos semelhantes ao do transporte rodoviário. O TAV, com tarifas mais elevadas, teria prioridade para o público vindo dos aeroportos de São Paulo e Campinas e de padrão de renda mais elevado.

3 comentários:

  1. Acho que faltou incluir no texto que não necessariamente precisa adotar o padrão de trem rápido (160km/h) para viabilizar o deslocamento diário de Campinas a São Paulo. Com o trem expresso de Jundiaí em funcionamento, o percurso pode ser viabilizado em menos de 2 horas, contando o tempo de baldeação (desde que se faça um mínimo de esforço em observar os horários do trem expresso antes de embarcar em Campinas).

    Mudando um pouco de assunto, muito me intriga a falta de interesse do governo estadual em solucionar o congestionamento infernal que se forma TODO SANTO DIA na Rodovia Anhanguera nos horários de pico, no trecho entre Campinas, Hortolândia, Sumaré e Americana. A quantidade de pessoas desses municípios que vem trabalhar em Campinas é GIGANTESCA. Este congestionamento diário trás enormes prejuízos econômicos.

    Agora, dá uma olhada no Google Maps e veja para quais municípios esse trem que chegaria a Campinas poderia seguir com um mínimo de investimento ;-)

    ResponderExcluir
  2. MEUS CAROS AMIGOS VENHOA DIZER QUE OS GOVERNOS ESTADUAIS E FEDERAIS NÃO DEVEM ABANDONAR NENHUM DOS TRES PROJETOS DE LIGAÇÃO COM A CAPITAL A CAMPINAS,POIS TANTO O TREM DE SUBÚRBIO LIGANDO JUNDIAÍA A CAMPINAS EXTENSÃO DA LINA 7 RUBI,COMO TAMBÉM O TREM REGIONAL QUE LIGUE A CAPITAL , jUNDIAÍ E CAMPINAS QUE OBEDEÇA NO MÁXIMO 3 PARADAS E TRAFEGUE A UMA VELOCIDADE RAZOÁVEL MAIOR DO QUE A DOS TRENS DE SUBÚRBIO E ASSIM COMO O TAV TREM DE ALTA VELOCIDADE DEVEM OS TRES PROJETOS SEREM COMPLETAMENTE VIABILIZADOS,POIS ELES TRARÃO MUITOS BENEFÍCIO A REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, acredito que os projetos NÃO são excludentes. Defendo inclusive que o trem suburbano vá além de Campinas, seguindo por Hortolândia, Sumaré e Americana. Teremos um intenso tráfego nesse trem suburbano para deslocamento na região. Além disso quem quiser realmente chegar rápido em são paulo pega o TAV ou o expresso Jundiaí.

      Excluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores