segunda-feira, 20 de agosto de 2012

'Tang' é mais um trem a deixar a operação


Por Diego Silva

Após seguidos problemas, uma longa história e seguidas avarias, a composição 1605/1606 (conhecida entre os ferroviários por Tang ou F06) teve seu fim decretado. Informações de pessoas ligadas à CPTM mostram que a composição, após sofrer um incêndio criminoso na estação Itaim Paulista, deixou a operação no início deste mês. O trem segue a sina dos Eletrocarros e Fepasões: encostados e aguardando decisão da CPTM sobre seu futuro.

Seus últimos anos foram em operação na Linha 12-Safira (Brás x Calmon Viana), onde realizava poucas viagens semanais (normalmente, fora do horário de pico em determinados dias). A composição, de construção Budd, data da época de 1978. É um trem da série 1600, com as máscaras alteradas. Reza a lenda que este foi o trem que participou do acidente de Itaquera em 1987, vitimando quase 200 pessoas. Outros já dizem que esse foi o primeiro de uma série de composições que iria para uma suposta modernização, que não gerou grandes resultados e acabou ficando apenas nesse trem mesmo.

Composições 1603/1604 e 1605/1606: fim de ciclo para ambos

Recentemente, a composição 1605/1606 ficou imobilizada por quase dois meses, para correção de um problema nos compressores de ar. Apenas três semanas de circulação e o mesmo trem sofreu o ato de vandalismo. A CPTM, por decisão, achou melhor retirar a composição de sua habitual operação, dando números finais ao mesmo. Para o seu lugar (assim como para o lugar de outra composição que parece não figurar mais na tabela da Linha 12: 1603/1604), chegaram cinco composições da série 2070, que até então estavam na Linha 9-Esmeralda.

Os 'novos' trens possuem oito carros cada (os Budds contém 6 carros), ar-condicionado e modernos sistemas de frenagem e aceleração. Segundo informações próximas, os trens da série 2070 estão sendo de grande serventia para os usuários da Linha 12-Safira, uma vez que os mesmos agora contam com mais trens de oito carros com ar-condicionado, mais rapidez e conforto.

Trens da série 2070 agora figuram no quadro da Linha 12-Safira

7 comentários:

  1. Caro Diego

    A primeira vez que vi esse trem, reformado e com a nova identidade da CPTM foi lá no Abrigo da Lapa. Achei que ficou bem bonito, pois pelo menos visualmente, a parte dos truques parecia novinha em folha, assim como interior e cabines. Este é o destino final de todos os trens antigos da CPTM, segundo o gerente financeiro da empresa.
    Trens como este e os da linha 7 (1100 e 1700) serão vendidos, acreditem, como "sucata" para a chegada das novas séries. Aliás, a CPTM tem levantado um bom dinheiro com suas sucatas. Aqui em Altino, provavelmente, todo o material da série 5000, parado há anos terá o mesmo destino. Ficamos felizes porque alguns carros "PS" (longo percurso) estão sendo separados para viajar, destino cidades do interior para reforma. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, em três anos de trecho, foram raríssimas as vezes que pude parar e clicar esse trem. Só tive a oportunidade de viajar uma única vez, no dia da entrega do primeiro trem da série 7000. Após isso, nunca mais. Infelizmente, fugiu a tempo. Deixará saudades!

      Excluir
  2. Grande Tang!!! O mesmo chegou a passar por testes na formação de 4 carros na extensão da 7 é uma pena que os testes não deram certo!!

    ResponderExcluir
  3. Andei nessa série 1600 em 1998 depois que fui mandado embora do emprego o maximo que vi desses trens só estacionado no patio da Estação Luz ou no patio da Lapa na nova cor padrão ou aqueles já fora de uso praticamente sucateados o mais engraçado desses trens tanto o 1400 e 1600 faziam um barulho parecendo um "gerador" foi bom enquanto durou adeus 1600.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celso, de fato, o som que você se refere era do GMG (Grupo Motor Gerador), som clássico de trens Budd.

      Excluir
  4. Sabe oq eu acho q seria interessante para a cptm fazer? E construir um museu de trens e colocar 1 trem de cada serie la contando a historia desses trens ao longo dos anos e a sua propria historia neh.poderia ser feito nos extremos de alguma de suas linhas. Tipo em rio grande da serra ou depois de estudantes ou em jundiai paulista.ou itapevi seila...outra coisa tbm que acredito q seria uma boa era a criacao de um lugar para concentrar todos os trens q baixados da empresa para esperarem um destino final e tirarem dos patios assim abrindo espaco para os novos trens.tem varios lugares q poderiam ser aproveitados para construir esta garagem. O trecho entre tamanduatei e sto andre por exemplo e enorme.as extremidades de todas as linhas tem espaco de sobra tbm...entre ceasa e jaguare tbm...e variow outros lugares...assim desafogaria varios patios pq quem precisa desse espaco sao os trens ativos e nao esse monte de sucata jogada sem destino em todos os patios...

    ResponderExcluir
  5. As composições Budd são excelentes trens para percorrerem trechos de média distância tais como os 2100 que operam na L10. Não foram trens projetados para rodarem com baixos intervalos, andarem 500 metros e pararem. As necessidades atuais do sistema metropolitano são de trens ágeis em aceleração e que exijam pouca manutenção, penso que uma boa ideia seria utilizar os Budd'd 1400 e 1600 em trechos como Jundiaí-Campinas, Itapevi-Sorocaba, Mogi das Cruzes-Taubaté numa espécie de teste para resgatar a demanda de usuários nessas regiões, uma vez com respaldo positivo aí sim poderia se estudar a implantação de trens de alta velocidade nos trechos, antes disso seria dar um tiro no escuro.

    ResponderExcluir

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores