segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Entenda porque 'paramos para aguardar a movimentação do trem a frente'

Sinais de via em Domingos de Morais, Linha 8-Diamante

Por Diego Silva

Quando você está dirigindo seu carro (se é que você tem um), ao se deparar com um sinal vermelho num cruzamento, qual sua atitude? Parar o carro, não é mesmo? Pois bem. Na ferrovia, o tráfego dos trens funciona de maneira similar à uma estrada, onde existem sinais e responsabilidades por quem conduz as composições.

Todas as linhas da CPTM possuem 'circuitos de via', que seriam blocos de sinalização espaçados de maneira regular. O intuito de se manter blocos de sinais é justamente para manter a segurança e um correto espaçamento entre os trens. Similar ao que acontece nas estradas, a movimentação de trens depende desses sinais para tudo funcionar de maneira certa.

Notam-se dois trens, dois sinais e três blocos de via
Funciona mais ou menos assim: Baseado na figura acima, temos dois trens e três blocos de sinalização. O trem 1 está ocupando o primeiro bloco, enquanto o segundo está livre e o terceiro, ocupado pelo terceiro trem. Digamos que o trem 1 esteja com um problema para partir da estação X e ocupa além do tempo o bloco de sinalização. Com isso, o trem 2, que estava no terceiro bloco com sinal verde, passará para o segundo bloco e encontrará um sinal vermelho. Nisso, o maquinista informa: ''Paramos para aguardar a movimentação do trem à frente''.

Os usuários, muito curiosos, falam que nunca tem um trem a frente. Em certos casos (trens com janelas abertas), alguns colocam a cabeça para fora a fim de ver se, de fato, tem algum outro trem a frente. Não percebem nada. Mas o que acontece: um bloco de sinalização pode ter quilômetros de espaçamento.

Vamos usar um exemplo real: um trem sai de Ribeirão Pires, na Linha 10-Turquesa, sentido Rio Grande da Serra. Ele libera dois sinais até próximo de uma ponte, onde entra em zona de velocidade reduzida. Segue em VR até próximo do sinal 30 de Rio Grande da Serra, que estará vermelho, por conta da presença de um trem na plataforma. Este trem sairá da plataforma, realizará transposição de via e, após passar o último carro pelo AMV (Aparelho de mudança de via), após alguns segundos, o sinal é liberado automaticamente (ou franqueado, como falamos tecnicamente). Em síntese, quando o trem sair da plataforma e trocar de linha, o bloco de sinalização será liberado e o trem citado no início poderá seguir até a plataforma.

Assim como no trânsito, os trens também se organizam através de sinais

Nem sempre o 'trem a frente' estará próximo. Ele pode estar a muitos metros de distância. Mas como foi citado logo no início: assim como no trânsito, tudo funciona por meio de sinais. Se o trem parou, foi para manter uma distância segura da composição à frente.

O sistema e suas dificuldades aos finais de semana


Por Diego Silva

Os quase três milhões de usuários que trafegam diariamente na CPTM estão se acostumando a uma rotina de defeitos e complicações aos finais de semana. Não bastassem as dificuldades semanais, falhas e atrasos nas composições, aos sábados e domingos a situação piora quatro vezes mais. Intervalos enormes, falta de informação e muita paciência são alguns tópicos que os usuários levam em consideração logo ao passar pelos bloqueios.

O lado do usuário
Trem no horário e viagem no tempo certo. Isso basta, para todos aqueles que ainda preferem o trem ao ônibus ou ao próprio automóvel. Desde sempre, é debatido que os passageiros não querem saber de trem novo. Querem saber de chegar no horário, independente do trem que esteja em circulação. A empresa se beneficia aos sábados e domingos com uma boa redução da demanda, para ao menos tentar realizar alguma manutenção em vias, sistemas elétricos e trens. Só que isso afeta quem ainda necessita diretamente dos trens aos finais de semana. Intervalos que oscilam de 11 a 40 minutos são considerados abusivos. Em certos casos, trens não cumprem uma viagem completa e deixam os usuários no meio do caminho, sendo necessário sair de um trem cheio para embarcar em uma composição ainda mais lotada. Ou seja, paga-se por um verdadeiro descaso.

O lado da empresa
O sistema é aberto à operação comercial às 04h em ponto. Mas por volta das 03h10 da manhã, já temos trens saindo dos pátios para as estações ou para pontos estratégicos. Considerando que a operação comercial se encerra 00h (com o último trem saindo de todas as estações terminais) e, cada viagem dura em média uma hora, os trens encerram as atividades por volta de 01h da manhã. Em síntese: 02h10 de pausa para tráfego de dezenas de trens de carga. Não existe tempo hábil para realizar manutenções nas seis linhas da Companhia. Daí a opção de se realizar aos finais de semana, mesmo impactando tanto como nos últimos dois anos. O lado difícil da CPTM é que o sistema já é um colapso por si só. As manutenções nem sempre dão certo, a ponto de terminar um serviço e já abrir falha no mesmo lugar. É algo que chega a ser inexplicável. Do outro lado, técnicos de manutenção se desdobram diariamente para resolver pendências nos trens e entregar, às vezes, no mesmo dia. As falhas nos trens tem sido muito comuns também por despreparo das terceirizadas que realizam a manutenção nos abrigos.

O que existe de fato é um círculo vicioso, que tende a se manter cada vez mais. A Companhia, mal das pernas, tenta se manter da forma que está. Os usuários, cansados de tantos problemas e de tanta lotação, assistem de camarote um verdadeiro show de problemas. E pior, ainda pagam caro por isso.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

CPTM altera circulação dos trens nesse final de semana para obras de manutenção


Fonte: CPTM

No próximo domingo (24), a Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) terá interdição parcial por conta do prosseguimento das obras de modernização. Os trens não circularão entre as estações da Luz e Perus. A operação PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) será acionada para atendimento dos usuários, com 48 ônibus gratuitos ligando a estação Palmeiras-Barra Funda a Pirituba e Perus.

Na Barra Funda, os ônibus partirão da rua Professor Wilfrides Alves de Lima (entre a Av. Auro Soares de Moura Andrade e a rua Tagipuru). De lá, os coletivos seguirão até as proximidades da estação Pirituba. O ponto de conexão estará localizado na pista lateral da Av. Raimundo Pereira de Magalhães, ao lado do viaduto (esquina com a Av. Paula Ferreira). Já em Perus, o local para embarque e desembarque será a rua Crispim do Amaral. Caso haja interesse dos usuários, os ônibus poderão fazer parada somente para desembarque no trecho entre os pontos de conexão.

Para utilizar os coletivos, será necessário retirar senha na área interna das estações do trecho interrompido. O acesso à estação Palmeiras-Barra Funda para quem vem da região central de São Paulo deverá ser feito pela Linha 3-Vermelha do Metrô. Entre as estações Perus e Jundiaí a circulação será feita com intervalo maior.

Os usuários serão orientados por banners, cartazes e panfletos distribuídos pelas estações. Além disso, também serão emitidos avisos sonoros nos trens e nas estações.

Confira a programação das obras que impactarão a circulação das demais linhas:

Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí): no sábado, das 18h até o fim da operação comercial, serão implantados novos equipamentos de mudança de via nas imediações da estação Jaraguá.

Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi): no domingo, das 4h às 20h, os trabalhos estarão voltados para a rede aérea de alimentação elétrica dos trens entre as estações Jandira e Itapevi. A circulação será alterada somente entre Barueri e Itapevi.

Linha 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú): no sábado, das 20h até o fim da operação comercial, as obras envolverão o sistema de alimentação elétrica dos trens na região de Santo Amaro. Já no domingo, durante toda a operação comercial, os serviços estarão concentrados na estação Morumbi.

Linha 10-Turquesa (Brás – Rio Grande da Serra): no domingo, das 9h às 15h, haverá poda de árvores na estação São Caetano. Das 8h às 17h, os serviços de via permanente ocorrerão entre Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Linha 11-Coral / Expresso Leste (Luz – Guaianazes): no sábado, das 20h até o encerramento da operação comercial, serão feitas intervenções na rede aérea de alimentação elétrica dos trens nas proximidades da estação Brás.

Linha 11-Coral (Guaianazes – Estudantes): no sábado, das 20h até o fim da operação comercial, obras na rede aérea de alimentação elétrica dos trens vão interditar o trecho entre as estações Calmon Viana e Jundiapeba. Os usuários serão atendidos por ônibus gratuitos da operação PAESE. Para utilizar os coletivos, será necessário retirar senha na área interna das estações do trecho interrompido.

No domingo, durante a operação comercial, os mesmos serviços serão realizados nas imediações da estação Suzano, entretanto, sem interrupção da circulação.

Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana): das 18h de sábado até a meia-noite de domingo, serão realizadas obras na rede aérea de alimentação elétrica dos trens entre São Miguel Paulista e Jardim Helena-Vila Mara. Durante todo o domingo, a rede aérea também terá intervenções na região da estação Brás.

Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Benefícios: as obras de infraestrutura em realização nas seis linhas permitirão que os 105 novos trens que já estão sendo incorporados à frota tenham melhor desempenho e contribuam para aumentar a oferta de lugares.

Na eventualidade de dúvidas ou de informações complementares, a CPTM coloca à disposição a Central de Atendimento ao Usuário, no telefone 0800 0550121.

Quase um milhão de passageiros usaram o BOM na rede metroferroviária


Fonte: CPTM

A iniciativa da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos de permitir que o cartão BOM (Bilhete do Ônibus Metropolitano) seja utilizado nos trens da CPTM e no Metrô beneficiou cerca de 900 mil usuários desde dezembro de 2011. Essa integração garante aos usuários mais agilidade entre as viagens e faz com que aqueles que utilizam os ônibus da EMTU/SP não precisem comprar bilhetes individuais do Metrô e da CPTM, evitando filas. 

A partir desta sexta-feira, dia 22/2, os passageiros da EMTU/SP que fazem a integração com o sistema metroferroviário poderão utilizar o cartão BOM em mais três estações do Metrô e quatro da CPTM (veja abaixo). No total,  40 estações passam a aceitar o BOM, proporcionando mais rapidez nas viagens dos usuários de linhas intermunicipais.

Novas estações
Estações do Metrô na Linha 3: Vila Matilde, Tatuapé e Belém.
Estações da CPTM na Linha 8: Lapa, Domingos de Morais, Sagrado Coração e Engº Cardoso.
No final do processo de compatibilização dos sistemas de bilhetagem eletrônica da EMTU/SP/Consórcio Metropolitano de Transporte, Metrô e CPTM, 600 linhas metropolitanas de ônibus estarão conectadas com 153 estações, beneficiando 500 mil pessoas por dia. A integração física, sem alteração dos valores das tarifas, vale para o Cartão BOM Comum, o BOM Empresarial e o Vale-Transporte, ficando de fora o BOM Escolar,BOM Sênior e BOM Especial.

Aquisição do Cartão BOM
O interessado em obter o cartão BOM deve ligar para o Consórcio  Metropolitano de Transporte (CMT) no telefone 0800 - 771 1800 ou por meio do site www.cartaobom.com.br onde pode ser feito o cadastro, com retirada do cartão no posto indicado em sete dias corridos.

A recarga dos cartões BOM Vale Transporte e BOM Empresarial,  concedidos pelos empregadores, pode ser feita nas catracas dos ônibus  metropolitanos e também nas 60 lojas e postos de atendimento distribuídos na Região Metropolitana de São Paulo. O BOM Comum pode ser recarregado nas lojas e postos de atendimento. A relação completa pode ser consultada no site www.cartaobom.com.br

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Governo libera área do Expresso ABC à CPTM


Fonte: Diário do Grande ABC

O governo federal irá ceder as áreas da União à CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) para implementação do Expresso ABC até 2015. "O prazo corre contra a gente. Temos dois anos para liberar. Esse é nosso compromisso com São Paulo", disse o diretor-presidente da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), Bernardo Figueiredo, indicado pelo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, para tratar do assunto. Ambos participaram de evento na vila histórica de Paranapiacaba, ontem.

A declaração pode frustrar os planos da companhia estatal, que previa iniciar a construção da linha, que ligará Mauá à Capital em cerca de 24 minutos - hoje o itinerário é feito em uma hora -, em 2014. O que emperra a realização do projeto é a existência de áreas da União dentro do trajeto previsto. Estes espaços são utilizados para transporte ferroviário de carga e devem ser liberados para o Estado transportar passageiros.

A CPTM informou que, juntamente com a Secretaria dos Transportes Metropolitanos, mantém entendimento com a Secretaria do Patrimônio da União e a ANTT (Associação Nacional dos Transportes Terrestres) para equacionar as áreas da faixa de domínio ferroviário para implementação do Expresso ABC.
Hoje, às 15h, o secretário estadual de Logística e Transportes de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, irá se reunir com o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos. O tema principal do encontro será o Ferroanel, mas também será discutida a liberação de trilhos federais utilizados no carregamento de carga para o transporte de passageiros. O general Jorge Fraxe, diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), também participará da reunião.

"As questões do Ferroanel Norte e Sul, além do trem regional São Paulo-Santos, estamos discutindo juntos. O nosso trabalho está sendo feito estreitamente com o governo estadual", disse Figueiredo, que também estará presente no encontro.

De acordo com a CPTM, em novembro, foi apresentada uma MIP (Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada) ao governo estadual, por duas empresas, para construção de uma rede integrada de linhas de trens de 416 quilômetros. Esta proposta articula o Expresso ABC com o trem regional para Santos, que terá o projeto funcional concluído ainda neste semestre. No entanto, a estatal já garantiu que o Expresso ABC sai do papel mesmo se o MIP não avançar.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Falha elétrica afeta a Linha 9-Esmeralda desde ontem a noite


Por Diego Silva

Uma falha no sistema de energia elétrica afetou um trecho da Linha 9-Esmeralda ontem a noite, causando atrasos e muita aglomeração nas estações. O defeito em si está entre as estações Grajaú e Primavera-Interlagos. A princípio, a circulação havia sido interrompida entre as estações Pinheiros e Grajaú, o que gerou grande tumulto na estação Pinheiros (que faz trasferência com a Linha 4-Amarela da ViaQuatro). Em seguida, os trens passaram a circular até Jurubatuba, onde foi acionada a operação PAESE, com ônibus gratuitos até Grajáu.

Porém, segundo informações de seguidores do blog no Twitter, não haviam ônibus no local. Alguns se arriscaram a ir a pé para casa, caminhando cerca de nove quilômetros. Até o presente momento, a operação dos trens é normal entre Osasco e Jurubatuba. De Jurubatuba até Primavera-Interlagos, a operação é feita por via única. De Interlagos à Grajaú, operação PAESE está sendo realizada com ônibus gratuitos. A CPTM não informou um horário para normalização do trecho.

Blecaute no ABC dificultou volta para casa

Estação Rio Grande da Serra: cidades do ABC em completa escuridão
Por Diego Silva

Um blecaute ontem à noite afetou a região do ABC paulista. Ainda sem causas óbvias, a falta de energia elétrica parece ter sido iniciada por volta das 20h. Nesse mesmo horário, foi percpetível a dificuldade de iluminação na estação Brás. Durante a viagem até Rio Grande da Serra, apenas as estações Brás, Tamanduateí, Santo André e Mauá estavam iluminadas.

As estações que estavam sem iluminação atuavam com bloqueios livres e com luzes de emergência. A iluminação retornou por volta das 21h30, de maneira gradativa. Não houve interrupção do tráfego de trens.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

No aniversário da SPR, ABPF-SP leva carro de madeira para estação Brás


Por Diego Silva

Em comemoração aos 146 anos do início da operação ferroviária entre Santos e Jundiaí, a CPTM cedeu gentilmente uma linha na estação Brás para a exposição de um dos carros de madeira que pertenceram à então Sao Paulo Railway Co. (SPR), que hoje são patrimônio da ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária). Havia também o plano de trazer uma locomotiva, mas a Companhia não autorizou o translado.

Aberto à visitação, o carro atraiu olhares curiosos de milhares de passageiros que transitaram pela estação neste final de semana. Os mais experientes relembraram os tempos de ouro da ferrovia, onde se atravessava o estado inteiro de trem, enquanto os mais novos, achavam curioso e ao mesmo tempo imaginavam como seria viajar em um carro desse estilo. Claro, todos estamos tão acostumados com a modernidade de nossos trens, que possuem ar-condicionado e muita tecnologia, que não paramos para pensar nas antigas viagens de Maria Fumaça e nos saudosos e elegantes carros de passageiros, hoje apenas em exposição.


Ainda é possível lembrar ou mesmo viver os tempos de Maria Fumaça: a ABPF mantém dois trens turísticos em operação em São Paulo. Um deles está na região da Mooca, ao lado das oficinas da CPTM mais precisamente. Uma locomotiva da então EF Central do Brasil está ativa e traciona por cerca de 500 metros, com o intuito de relembrar como eram os tempos de ouro da ferrovia. A ABPF Mooca está situada junto ao Memorial do Imigrante, antiga Hospedaria dos Imigrantes, ponto onde os recém-chegados estrangeiros eram acomodados, para posteriormente serem enviados às lavouras de café ou mesmo ao interior paulista.

O outro trem está em Paranapiacaba. Uma locomotiva traciona um simpático carro de madeira (P112, datado de 1914), num trecho que sai da estação e vai até próximo do início da descida da serra. Monitores contam parte da história ferroviária durante as curtas viagens, além de explicar como era a operação. O 'Trem dos Ingleses' também passa ao lado do Museu Ferroviário de Paranapiacaba, que ainda conta com artigos e construções originais da SPR. Infelizmente, esquecido no tempo, tem sido alvo de furtos constantes, onde a memória vai sumindo pouco a pouco.


Quem tiver interesse em conhecer e até mesmo viajar nos trens da ABPF, pode realizar a visita aos finais de semana, tanto em São Paulo quanto em Paranapiacaba: 

Em São Paulo
Rua Visconde de Parnaíba – 1253, a 700 metros da estação Bresser – Mooca do Metrô.

Em Paranapiacaba
O Museu Ferroviário de Paranapiacaba – Alto da Serra, distrito de Santo André, também permanece aberto à visitação no Sábado e Domingo, entre as 10h e 16h.

Estado planeja retorno da Linha 10 até a estação Luz


Fonte: Diário do Grande ABC

Um ano depois, o Estado planeja o retorno da Linha 10-Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) para a Estação Luz, no Centro da Capital. Desde o fim de 2011, as viagens passaram a ser feitas somente até o Brás, mas a confirmação da mudança só foi anunciada em janeiro de 2012. Cerca de 400 mil pessoas utilizam diariamente a ferrovia, que vai até Rio Grande da Serra.

A medida está sendo cogitada em virtude do atraso no início das obras do Expresso ABC, trem paralelo à Linha 10 que ligará Mauá ao Centro da Capital, com menos paradas. Como as obras ainda nem começaram - a promessa era de que o sistema estivesse em operação em 2014 -, seria uma forma de compensar os usuários pelo transtorno, que hoje são obrigados a descer no Brás.
A informação foi dada pelo secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, em entrevista exclusiva ao Diário.

Para que a Luz volte a atender o itinerário, também será preciso modificar o mapa do Expresso Leste, que vai do Centro ao bairro Guaianazes, na Zona Leste de São Paulo. Isso porque uma das justificações apresentadas no ano passado para deixar o Brás como ponto final da Linha 10 foi a falta de espaço e o excesso de passageiros na Luz. Uma das possibilidades é levar o Expresso Leste até a Barra Funda, na Zona Oeste. "Estamos colocando equipamentos de via entre a Luz e a Barra Funda para que isso seja possível", explica o secretário.

Fernandes salienta que a revisão dos itinerários depende também da chegada dos novos trens à CPTM. A companhia realiza licitação para compra de 65 composições, todas com oito vagões. Depois que o contrato for assinado, a empresa vencedora terá 18 meses para fornecer os trens, de forma gradativa.

EXPRESSO ABC - Em novembro, o Estado recebeu MIP (Manifestação de Interesse Público) de duas empresas para a construção de quatro trens regionais, sendo um de São Paulo para a Baixada, passando por São Caetano, Santo André e Mauá. "Isso faria com que o Expresso ABC se transformasse em parte do Expresso da Baixada. Nós achamos a proposta bastante interessante e colocamos como contrapartida dentro deste projeto de PPP (Parceria Público-Privada) aqueles recursos que são para cobrir os custos desta obra e do Expresso Jundiaí", comenta o secretário.

Fernandes garante, no entanto, que o Expresso ABC sairá do papel mesmo que a PPP não seja feita. "Se ninguém apresentar proposta, o que nos garante a continuidade é o fato de os expressos ABC e Jundiaí serem independentes. Ambos têm previsão orçamentária."

Atualmente, o Estado encontra dificuldade nas negociações com a União, já que algumas áreas necessárias para a futura linha pertencem ao governo federal e precisam ser trocadas.


Trem fará viagem a Santos em 35 minutos
A estimativa é de que o trem regional de São Paulo à Baixada Santista, que passará pelo Grande ABC, faça viagem a Santos em período entre 35 a 45 minutos. O secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, explica que o tempo do trajeto irá variar de acordo com a tecnologia utilizada no trecho de serra. "Depende se vai ser mais veloz, menos veloz, se vai ser cremalheira ou freio magnético", comenta.

Seja qual for o método utilizado, a expectativa é de que o trem regional para Santos seja o mais rápido entre todas as quatro ferrovias previstas pelo Estado. Além desse, são planejados trajetos para Campinas - passando por Jundiaí -, Sorocaba e São José dos Campos.

Fernandes informa que, pela proposta apresentada em novembro pelo banco BTG Pactual e pela empresa Estação da Luz Participações, o investimento aproximado para a construção dos quatro trens regionais será de R$ 18,5 bilhões. A contrapartida exigida é de 30% do valor total - o equivalente a cerca de R$ 6 bilhões. "Este valor é mais ou menos o que tínhamos previsto de alocação para os expressos ABC e Jundiaí", diz o secretário. Ambas ferrovias, promete o titular da Pasta, serão feitas independentemente da concretização da PPP (Parceria Público-Privada).

O governo estadual apresentou a proposta ao mercado internacional em evento realizado no fim de janeiro em Londres, na Inglaterra. O secretário afirma que os trens regionais atraíram o interesse de investidores chineses, que vêm ao Brasil em março para obter mais detalhes do projeto.

Os interessados em desenvolver estudos para a construção das ferrovias têm de apresentar os dados técnicos até julho. Devem ser analisadas informações como aspectos técnicos de traçado, tecnologia utilizada e desapropriações necessárias. Depois, as propostas passarão pelo crivo do Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas, que escolherá o modelo adequado em até quatro meses.


Trajeto até a Baixada terá cobrança por trecho percorrido
Para evitar cobrança indevida de tarifas, o trem regional até a Baixada Santista - que passará pelo Grande ABC - terá valores divididos conforme o trecho percorrido. Por exemplo, a viagem entre os dois extremos, de São Paulo a Santos, terá o preço máximo. Se o passageiro desembarcar em Santo André, o bilhete será mais barato. Ainda será definido o método para segmentar a tarifação. "Na Europa, você está sentado e o funcionário vai passando com a maquininha para verificar se o seu tíquete é correspondente à distância percorrida", exemplifica o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Também não foi definido o valor da tarifa cheia entre São Paulo e Santos. Segundo Fernandes, o preço será baseado nas passagens rodoviárias - em torno de R$ 20.

Se os trâmites legais correrem de acordo com a proposta feita ao Estado, as obras no trecho do Grande ABC, com 25,4 quilômetros, começarão já em 2014, com previsão de entrega para 2016. No mesmo ano, será iniciada a extensão de 50 quilômetros da ferrovia até Santos, que deve ficar pronta em 2019. A previsão é de que toda a malha seja concluída em 2020. O segmento dos trilhos na região tem demanda inicial estimada de 330 mil passageiros ao dia.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

CPTM realiza obras de manutenção nesse fim de semana


Fonte: CPTM


Neste final de semana (15, 16 e 17 de fevereiro), a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) dará continuidade às obras de modernização nas linhas. Por conta das intervenções, os trens irão operar com maio intervalo em trechos e horários específicos. Confira a programação: 
 
Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí): no domingo, durante a operação comercial, a circulação entre as estações Lapa e Caieiras será interrompida. Para o deslocamento dos usuários, haverá ônibus gratuitos para percorrerem o trajeto. 
 
Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi): no domingo, do início da operação até às 20h, os trabalhos estarão concentrados entre as estações Domingos de Moraes e Osasco.


Linha 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú): no sábado, as 20h até a meia-noite de domingo, equipes de manutenção atuarão no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações Santo Amaro e Morumbi. No domingo, do início da operação até as 20h, os trens circularão somente entre as estações Presidente Altino e Grajaú, por conta de manutenção no sistema de alimentação elétrica da rede aérea. Para chegarem a Osasco, os usuários deverão fazer integração com a Linha 8-Diamante, na estação Presidente Altino.

Linha 11-Coral (Guaianazes - Estudantes): na sexta-feira, a partir das 22h até a meia-noite de domingo, os serviços serão realizados nas imediações da estação Jundiapeba.

Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana): no sábado, a partir das 18h até a meia-noite de domingo, as obras estarão concentradas no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações Comendador Ermelino e Itaim Paulista. No domingo, durante toda a operação comercial, o trecho entre Brás e Tatuapé estará interditado. Será necessário, fazer a transferência para o Expresso Leste, na estação Tatuapé.

FIM DO HORÁRIO DE VERÃO
Na madrugada do próximo sábado [16] para domingo, quando termina o horário de verão e os relógios serão atrasados em uma hora, o Metrô e a CPTM estenderão sua operação comercial por uma hora a mais. Os passageiros poderão embarcar até a 1h do horário novo [2h do horário antigo]. 
 
Metrô
Com a ampliação do horário de circulação dos trens, o número de viagens ofertadas também será maior. Na Linha 1 [Jabaquara-Tucuruvi], foram programadas 17 viagens adicionais. Na Linha 2 [Vila Prudente-Vila Madalena], haverá acréscimo de 20 viagens. Os usuários da Linha 3 [Corinthians/Itaquera-Palmeiras/Barra Funda] também se beneficiarão com a medida. Eles contarão com uma oferta de 22 viagens extras. Por fim, na Linha 5 [Capão Redondo-Largo Treze] os trens em operação realizarão 24 viagens a mais. No domingo [17], todas as estações reabrem para o público no horário habitual, às 4h40.
 
CPTM

As seis linhas da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] irão operar uma hora a mais na madrugada de sábado [16]. No domingo [17], todas as estações reabrem para o público no horário habitual, às 4h, no novo horário.

Sao Paulo Railway completa 146 anos hoje


Fonte: ABPF

Idealizada por Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, a SPR foi inaugurada em 16 de Fevereiro de 1867. Construída com o capital de investidores Ingleses, a São Paulo Railway foi a primeira ferrovia do estado de São Paulo, fazendo a ligação entre o Porto de Santos, a cidade de São Paulo e a cidade de Jundiaí.
Transportando cargas e passageiros desde a sua inauguração, a SPR foi uma concessão dos ingleses, que durou até o ano de 1946. Quando foi devolvida ao governo brasileiro, passando a ser chamada de Estrada de Ferro Santos a Jundiaí.

Atualmente, pelos trilhos da antiga inglesa, correm os Trens Metropolitanos da CPTM, através da linha 07 Rubi - Luz / Francisco Morato – Jundiaí e linha 10 Turquesa - Brás / Rio Grande da Serra. E os Trens de Cargas, que vindos do interior de passagem pela antiga SPR, vão até o Porto de Santos.

Neste próximo Sábado 16 de Fevereiro, a primeira ferrovia do estado de São Paulo completa 146 anos de existência!
E para celebrar esta data, a ABPF – Regional São Paulo, com o apoio da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, estará realizando um pequeno evento no Sábado 16 e Domingo 17, na Estação Brás – Plataforma 08, no período entre as 10h e 17h. Ocasião em que membros da ABPF estarão presentes, recepcionando o público que poderá ver um Banner que contara resumidamente a história desta ferrovia.

Está "PREVISTO" também a exposição do Carro Reservado – 19 que pertenceu a São Paulo Railway, nesta mesma Plataforma – 08.

O Trem Cultural dos Imigrantes – Maria Fumaça (Brás / Mooca) estará operando normalmente no Sábado e Domingo, entre as 10h30 e 16h. Com previsão de partidas a cada hora em média e passeios de aproximadamente (25) vinte e cinco minutos cada, percorrendo o desvio da antiga hospedaria dos Imigrantes, entre as proximidades das estações Brás e Mooca.

“Rua Visconde de Parnaíba – 1253, a 700 metros da estação Bresser – Mooca do Metrô.”

O Museu Ferroviário de Paranapiacaba – Alto da Serra, distrito de Santo André, também permanece aberto à visitação no Sábado e Domingo, entre as 10h e 16h.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O descaso na Linha 7-Rubi


Por Diego Silva

A encrenca na Linha 7-Rubi é muito maior do que eu imaginava. Na última quinta-feira, estive na estação Luz no pico da tarde, embarcando sentido Francisco Morato. O que se percebeu foi um completo absurdo com o usuário: uma espera que passava de dez minutos entre um trem e outro, com uma sequência imposta pelo Centro de Controle capaz de quebrar qualquer regra de bom senso: TODOS os trens da série 1100 (que são formados por seis carros) em sequência. Mandar dez trens de seis carros em série para carregar na estação Luz é o mesmo que dar um tiro no escuro.
A critério de curiosidade: se um trem da série 1700 estacionar na plataforma lotada, ele leva quase todos os que ali estiverem. Daí a necessidade de não colocar os trens em sequência. Numa dessas, embarcamos no trem 1102 (último carro, sentido F.Morato). Na verdade, não embarquei: fui colocado dentro do trem, à força, por dezenas de usuários. A educação do povo també é fator destaque: parece que tem ouro nos assentos, pois a luta para conquistar o direito de viajar sentado leva até a pequenos conflitos à bordo. Pois bem, trem lotado parte de Luz com um esforço tremendo. Trem curto e carregado = viagem difícil. Ao chegar em Palmeiras-Barra Funda, mais uma centena de pessoas empurram o que estiver na frente, com o único intuito de entrar e garantir a viagem. A cena se repete igualmente na estação Lapa.

Há de se notar a dificuldade da viagem: uma hora de trajeto entre Luz e Perus (sendo que esse tempo seria a viagem completa até Francisco Morato). Precisei desembarcar em Perus, por motivos particulares. Mas deu para ter ideia da rotina diária dos usuários dessa linha. Sou usuário habitual da outra parte da antiga EFSJ (a Linha 10), onde não enfrento problemas nos horários que uso. Mas notei o quando a rotina dos usuários da Linha 7 é complicada. Trens curtos em sequência, muita demora e muita lotação. Outra coisa que me chamou a atenção: plataformas sem qualquer iluminação. O breu toma conta de plataformas das estações Água Branca, Lapa, Piqueri e Vila Clarice. E qual a providência da CPTM? Nenhuma.

Vi também as obras lentas da estação Vila Aurora. Um elefante branco, senhoras e senhores. Acho essa estação totalmente dispensável, num dos únicos trechos que o trem desenvolve velocidade livre de 90 km/h. Ainda preciso tirar tempo para subir até Jundiaí e ver as coisas por lá. Mas nesse meio caminho entre Luz e Perus, deu para sofrer um pouquinho. Na volta, de 'trem grande' (Mafersa 1735), viagem muito rápida e agradável. Há muito o que se fazer por ali, pois a linha está bem abandonada.

Fumantes estão presentes em estações e trens


Por Diego Silva

Diariamente, tenho presenciado diversos usuários fugindo da observação dos seguranças para fumar nas plataformas. Como sempre, é enviado o SMS-Denúncia, mas as equipes de campo (segurança terceirizada e até mesmo a segurança própria) são muito ruins, nunca atendendo a solicitação.

No dia 7 de agosto, o Estado de São Paulo dará um importante passo em defesa da saúde pública. Com a entrada em vigor da nova legislação antifumo, fica proibido fumar em ambientes fechados de uso coletivo como bares, restaurantes, casas noturnas e outros estabelecimentos comerciais. Mesmo os fumódromos em ambientes de trabalho e as áreas reservadas para fumantes em restaurantes ficam proibidas. A nova legislação estabelece ambientes 100% livres do tabaco.

A medida acompanha uma tendência internacional de restrição ao fumo, já adotada em cidades como Nova York, Londres, Paris e Buenos Aires. Inúmeros estudos realizados comprovaram os males do cigarro não apenas para quem fuma, mas também para aqueles que se vêem expostos à fumaça do cigarro. É principalmente a saúde do fumante passivo que a nova lei busca proteger. Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), o fumo passivo é a terceira maior causa de mortes evitáveis no mundo.

A nova lei restringe, mas não proíbe o ato de fumar. O cigarro continua autorizado dentro das residências, das vias públicas e em áreas ao ar livre. Estádios de futebol também estão liberados, assim como quartos de hotéis e pousadas, desde que estejam ocupados por hóspedes. A responsabilidade por garantir que os ambientes estejam livres de tabaco será dos proprietários dos estabelecimentos. Os fumantes não serão alvo da fiscalização.

Para evitar punições, os responsáveis pelos estabelecimentos devem adotar algumas medidas. Entre elas, a fixação de cartazes alertando sobre a proibição, e a retirada dos cinzeiros das mesas de bares e restaurantes como forma de desestimular que cigarros sejam acesos. Devem, também, orientar seus clientes sobre a nova lei e pedir para que não fumem. Caso alguém se recuse a apagar o cigarro, a presença da polícia poderá ser solicitada.

Em caso de desrespeito à lei, o estabelecimento receberá multa, que será dobrada em caso de reincidência. Se o estabelecimento for flagrado uma terceira vez, será interditado por 48 horas. E, em caso de nova reincidência, a interdição será de 30 dias.

Ao proibir que se fume em ambientes fechados de uso coletivo, a lei antifumo estabelece uma mudança de comportamento com reflexos diretos na saúde pública. Mudança que será estimulada por campanhas educativas e fiscalizada pelo poder público. E que terá na colaboração da população uma de suas principais armas.

Site da CPTM é invadido por hackers do grupo Anonymous


Fonte: G1

O site da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi invadido por hackers do grupo Anonymous neste domingo (10) , conforme alertou a leitora do G1, Joelma Luiz.
Ao tentar acessar as notícias em destaque no site (acesse aqui), o internauta é direcionado a uma página com a mensagem "[*] Seu sistema foi invadido por ANONYMOUS SP#. Clique aqui para continuar...". Ao clicar na mensagem é exibido um texto do grupo em protesto contra a qualidade do transporte público em São Paulo.

Na mensagem, o grupo ameaça invadir sistemas de transportes. "Preparem-se, caso aumentem a passagem e não virmos melhorias no transporte, o sistema eletrônico de transporte ruirá no fracasso e os senhores perderão tempo e dinheiro", diz o grupo.

A área de 'Últimas Notícias' do site da CPTM também exibe mensagens do Anonymous (veja aqui).

"Aparentemente, o invasor conseguiu alterar o texto da notícia no site alterando o banco de dados, substituindo o texto por um redirecionador. Ele pode fazer isso acessando o painel de administração do site ou encontrando um tipo de falha de programação que é chamada de injeção SQL", explica Altieres Rohr, autor da coluna Segurança Digital do G1.

Este tipo de alteração, segundo Rohr, "é basicamente um erro que permite ao hacker manipular os comandos que o site envia ao banco de dados e assim ele consegue alterar o conteúdo das páginas sem ter de fato acesso ao servidor ou aos arquivos".

Procurada pelo G1, a CPTM informou, por meio de seu serviço de atendimento ao usuário, que o problema foi "encaminhado ao setor responsável e eles estão verificando".

Por volta das 20h deste domingo, a CPTM informou ter retirado a área de “Últimas Noticias“ de seu site "devido a uma invasão de hackers" e que técnicos da área de tecnologia já estavam trabalhando para normalizar a página.

"A CPTM lamenta que a ação de pessoas mal-intencionadas possa ter prejudicado os usuários que tenham acessado o seu site", conclui o órgão em comunicado por e-mail.

Queda de árvore complica circulação na Linha 10 neste domingo


Por Diego Silva

Era para ser mais um dia normal de circulação: domingo, poucos trens e baixo movimento no sistema. Mas ficou apenas na promessa. Embarquei no trem 2101 em Rio Grande da Serra por volta das 14h30. Último carro, com um pouco de sol. Ao estacionar em Mauá, notou-se uma grande chuva se formando. Ao chegar em Capuava, uma verdadeira tormenta, com muito granizo. Ao sair de Capuava, demorou pouco para o trem parar... Isso nos arredores da desativada Parada Pirelli. E ali ficou.

Uma árvore havia caído sobre os cabos que alimentam os trens (conhecido como rede aérea). Esse incidente causou a paralisação do sistema entre Rio Grande da Serra e Capuava. A princípio, aguardamos por cerca de meia hora à bordo. O maquinista da composição veio anunciou o problema e solicitou que aguardássemos à bordo. Os usuários aguardaram pacientemente, até que o clima esquentou demais dentro dos carros, e os próprios usuários quebraram os lacres das portas e abriram para ventilação. Ainda chovia forte.


O tempo foi passando e os usuários decidiram descer do trem e voltar caminhando até a estação Capuava. Um grupo de seguranças chegou até o local com motocicletas para oferecer o apoio necessário. Com isso, participei da retirada de uma parte dos passageiros. Com o trem evacuado, aguardei junto com o maquinista a locomotiva, que estava 'presa' alguns metros à frente, por conta de uma enchente que ainda atingiu o trem 2132/2144.

Em cerca de três horas, a composição já havia liberado trecho e aguardava liberação em Santo André. A CPTM chegou a acionar a Operação PAESE, com ônibus gratuitos que atendiam desde Santo André até Mauá, mas era gente demais para ônibus de menos. Por volta das 20h, uma multidão se aglomerava na calçada em frente à estação, esperando pelos ônibus da operação emergencial.

Multidão aguardava ônibus em Santo André (foto de Diego Silva, blog CPTM em Foco)
O resultado disso tudo: muitas pessoas perderam compromisso, perderam dia de trabalho (eu fui um deles), mas por conta de um evento inesperado. Não foi uma falha pontual, não foi um problema no sistema. Uma queda de árvore é algo que não está nas mãos da CPTM. No mais, parabenizamos às equipes envolvidas (operação do trem, operação de reboque e orientação), pelo trabalho realizado.

CPTM demite dirigentes sindicais



Fonte: SINFERP

Esclarecimentos para os ferroviários das linhas 8 e 9 da CPTM

Éverson Paulo dos Santos Craveiro (Nenê), presidente do SINFERP, foi demitido? Foi. Assim como Evângelos Loucas e Alessandro Viana, até o momento desta publicação.  A CPTM pode fazer isso? Ela entende que sim, e nós entendemos que não, mas isso será debatido e decido no âmbito jurídico.

Em que se baseia a CPTM para tomar tal medida? No simples fato de ter vencido o prazo de estabilidade de emprego dessas pessoas, a saber, um ano depois do término do mandato que tinham na condição de dirigentes do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana?

Mas e o SINFERP? Até o momento não foi expedida a carta sindical do SINFERP.

Ficamos sem representação sindical nas linhas 8 e 9 da CPTM? Não, pois essas linhas continuam e continuarão sendo base de representação do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana (SINFER), que não tem nenhum conflito com o SINFERP.

E quem vai defender a pauta de reivindicações dos ferroviários das linhas 8 e 9 na mesa de negociação? Alguns dos recém demitidos, amparados por procuração do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana, e referendados pelos participantes da assembleia que aprovou a pauta de reivindicações.

Isso é possível? Claro que sim, pois, se não fosse, o lado patronal obrigatoriamente teria que estar composto por diretores da CPTM. Como a empresa pode até mesmo contratar um consultor externo para representá-la na mesa, o sindicato e os trabalhadores podem adotar a mesma medida. Afinal, se não cabe ao sindicato e trabalhadores a escolha do representante da empresa, não cabe a ela a escolha do representante do sindicato e dos trabalhadores.

E se a CPTM criar caso? Também nós criaremos. Negociação pressupõe equilíbrio de forças, de direitos e deveres. Se o presidente do Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana  tiver que sentar-se a mesa de negociação, para representar os trabalhadores, a CPTM terá que fazer-se presente por seu presidente para representar a empresa.  Equilíbrio.

Ah, mas demitir sindicalistas depois do término do prazo de estabilidade é “comum”. Pode ser comum, mas não aceitável. Em empresas privadas “dizem” que “faz parte do jogo capital-trabalho”. Uma excrecência, pois desmantela a organização legal e legítima dos trabalhadores. No caso da CPTM, porém, não cabe nem mesmo a lógica capital-trabalho, pois o “patrão” é o Estado. Quando o próprio governo chama para si práticas do capital, nas relações de trabalho, está decretado o fim do Estado como modelo de civilidade nas garantias das organizações sociais, dentre elas a organização do trabalho.

Se essa “moda pega” no Estado, amanhã estarão na rua os membros de CIPA, e tantos outros que assumem funções de representação de defesa de direitos e interesses dos trabalhadores.  Uma coisa é demitir, outra é usar a demissão como revanche contra os que exerceram papéis delegados.

No que os dirigentes do SINFERP incomodam a CPTM? Não aceitaram e continuarão não aceitando que os ferroviários mortos nos trilhos sejam responsabilizados pelas próprias mortes. Que maquinistas sejam demitidos apenas para acalmar a inquietação pública diante de falhas e acidentes. Que persista empresa e governo em procurar “culpados” para seus problemas, no lugar de assumir a própria responsabilidade.

As demissões farão com que o SINFERP deixe de existir, e seus dirigentes recuem na missão de defender ferroviários e usuários de trens metropolitanos? Não. Apenas motivam a continuidade de suas ações, muitas delas com pleno direito pelo fato do SINFERP ser uma sociedade civil, ainda que no momento sem a carta sindical. Enquanto atua, o SINFERP aguarda a expedição da carta sindical.

O que podemos fazer? Acompanhar o andamento da negociação pelos informes impressos e digitais. Comparecer às assembleias sempre que convocados. Manter contato permanente com seus representantes. Habituar-se a visitar as mídias digitais do sindicato, informar e-mails pessoais para receber notícias, e colaborar sempre que possível.

Como podem notar os ferroviários das linhas 8 e 9 nada muda, nada

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Obras de manutenção alteram circulação de trens no Carnaval


Fonte: CPTM

Durante o Carnaval [9 a 12 de fevereiro], com a drástica redução do movimento de usuários no sistema, a CPTM aproveitará para intensificar as obras de modernização, o que provocará o aumento do intervalo entre trens. As intervenções serão realizadas em trechos e horários específicos. Confira a programação:

Linha 7-Rubi [Luz - Francisco Morato - Jundiaí]: no sábado, das 18h até o encerramento da operação comercial, as obras estarão concentradas no sistema de via permanente e sinalização, na região da estação Perus. No domingo, das 8h às 20h, haverá substituição de equipamentos de via permanente entre Botujuru e Campo Limpo Paulista.

No domingo, a circulação de trens ficará interrompida entre Pirituba e Caieiras. A operação PAESE, com ônibus gratuito para percorrer o trajeto afetado, será acionada. Para ter direito à viagem, os usuários devem retirar senha na área interna das estações do trecho afetado.

Linha 8-Diamante [Júlio Prestes - Itapevi]: no domingo, durante toda a operação, haverá intervenções na estação Palmeiras-Barra Funda e no sistema de rede aérea de alimentação elétrica dos trens, entre Júlio Prestes e Palmeiras-Barra Funda. Na terça-feira, do inicio da operação até às 21h, haverá serviços na rede aérea entre as estações Domingos de Moraes e Imperatriz Leopoldina.

Linha 9-Esmeralda [Osasco - Grajaú]: no sábado, a partir das 20h, serão realizadas obras de melhoria no sistema de rede área no trecho da estação Jurubatuba. No domingo, durante toda a operação, os serviços serão realizados no sistema de alimentação elétrica dos trens, entre as estações Socorro e Autódromo. Na terça-feira, também durante toda a operação comercial, os trabalhos ocorrerão no sistema de rede aérea de alimentação elétrica dos trens entre as estações Ceasa e Cidade Universitária. No mesmo dia, às 20h, os serviços de rede estarão concentrados no trecho da estação Ceasa.

Linha 11-Coral / Expresso Leste [Luz - Guaianazes]: no domingo, das 4h ao meio-dia, as intervenções ocorrerão no sistema de rede aérea de alimentação elétrica dos trens nas imediações da estação Tatuapé.

Linha 11-Coral [Extensão Guaianazes - Estudantes]: na sexta-feira, das 22h até a meia-noite, obras de segregação da operadora de trens de carga MRS serão feitas entre Jundiapeba e Suzano. No sábado, das 20h até o fim da operação comercial, a circulação de trens será interrompida entre Jundiapeba e Calmon Viana, com ônibus da operação PAESE percorrendo o trecho afetado. Os serviços serão retomados no domingo, durante toda a operação, e prosseguirão na terça-feira, também durante todo o dia.

Linha 12-Safira [Brás - Calmon Viana]: no sábado, das 18h até a meia-noite de domingo, haverá obras na passarela da estação Aracaré. Na terça-feira, durante a operação comercial, serão realizadas obras de melhorias no sistema de rede área entre Engenheiro Goulart e USP Leste.

Informação aos usuários: para orientar os usuários sobre essas mudanças temporárias, a CPTM vem divulgando as intervenções por meio de avisos sonoros emitidos nos trens e de cartazes fixados nas estações, além das redes sociais da Companhia. Empregados também estão posicionados para auxiliarem o público.

Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Benefícios: as obras de infraestrutura em realização nas seis linhas permitirão que os 105 novos trens que já estão sendo incorporados à frota tenham melhor desempenho e contribuam para aumentar a oferta de lugares.

Na eventualidade de dúvidas ou de informações complementares, a CPTM coloca à disposição a Central de Atendimento ao Usuário, no telefone 0800 0550121.

Mais de 500 mil pessoas usaram cartão BOM no sistema metroferroviário


Fonte: Blog Ponto de Ônibus
Texto: Adamo Bazani

Mais sete estações metroferroviárias vão começar a aceitar o Cartão BOM – Bilhete de Ônibus Metropolitano - para o pagamento das tarifas a partir desta sexta-feira, dia 08 de fevereiro.
São as seguintes:
Linha 3 Vermelha do Metrô: estação Arthur Alvim, estação Patriarca, estação Guilhermina Esperança.
Linha 8 CPTM: estação Júlio Prestes, estação Imperatriz Leopoldina, estação Presidente Altino, estação Comandante Sampaio.
Com isso, sobe para 29 o úmero de estações de trem ou metrô que aceitam o BOM.
As novas integrações serão apenas físicas e não tarifárias. Isto é, o passageiro tem a comodidade de usar o mesmo cartão para pagar diferentes meios de transportes e evitar filas ou ter de manipular vários bilhetes no caminho, mas o custo das passagens continua o mesmo, tendo ele de pagar a tarifa cheia do ônibus intermunicipal e a tarifa integral do trem ou do metrô.
De acordo com a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, gerenciadora dos ônibus intermunicipais, desde dezembro de 2011, quando iniciou a implantação gradual do bilhete nas estações, 599 mil 582 passageiros que possuem o Cartão BOM foram beneficiados com a possibilidade do uso no sistema metroferroviário.
O objetivo é compatibilizar a tecnologia das catracas das estações com a usada pelos ônibus intermunicipais em toda a rede de trens e metrô.
Serão cerca de 600 linhas de ônibus metropolitanos conectadas a 153 estações em toda a Grande São Paulo, o eu deve beneficiar 500 mil pessoas por dia.
O Cartão BOM é apresentado nas modalidades: Vale-Transporte, Comum, Escolar, Sênior, Empresarial e Especial.
As categorias Vale-Transporte e Empresarial podem ter os cartões recarregados nos próprios validadores dentro dos ônibus. Já para as demais modalidades, há 60 lojas e postos de atendimento.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

CPTM vai denunciar à polícia invasão de site por hackers


Fonte: R7

A invasão do site da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) por um grupo de hackers, na tarde deste domingo (10), deve virar alvo de uma investigação policial. Em nota, a empresa afirmou que vai registrar um boletim de ocorrência na Delpom (Delegacia de Polícia do Metropolitano).

Um grupo de hackers, autointitulados Anonymous, fez com que quem clicasse nas últimas notícias da empresa fosse redirecionado para uma página onde eles criticavam o aumento das passagens da CPTM e do Metrô. Por causa disso, a seção de notícias foi retirada do ar temporariamente, segundo a companhia.

No texto, o grupo de invasores também fez ameaças de invadir o sistema eletrônico de transportes caso o preço das passagens aumente. A empresa afirmou que a área de tecnologia da informação trabalhava, na noite deste domingo, para a normalização da página.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Obras de manutenção seguem nesse final de semana



Fonte: CPTM

Entre os dias 1 e 3 de fevereiro, a CPTM dará continuidade às obras de modernização das linhas. Em horários e trechos específicos, a circulação de trens será realizada com maior intervalo. Confira a programação:

Linha 7-Rubi [Luz - Francisco Morato - Jundiaí]: no sábado, das 18h até o final da operação comercial, as obras serão realizadas nos equipamentos de via e no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações Vila Clarice e Caieiras.

No domingo, durante toda a operação comercial, a circulação de trens estará interrompida entre as estações Palmeiras-Barra Funda e Perus. Para seguirem viagem, os usuários deverão utilizar os ônibus disponibilizados pela operação PAESE [Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência], que farão o trajeto entre as estações Perus e Domingos de Moraes da Linha 8-Diamante. Para chegar à estação da Luz, será necessário fazer a transferência de volta para a Linha 7, na estação Palmeiras-Barra Funda. Para ter acesso aos coletivos, é necessário retirar senha na área interna das estações. No trecho entre as estações Perus e Jundiaí haverá manutenção da via permanente.

Linha 8-Diamante [Júlio Prestes - Itapevi]: sábado, das 22h até o término da operação comercial, ocorrerão intervenções nos equipamentos de via no trecho entre Santa Terezinha e General Miguel Costa.

Linha 9-Esmeralda [Osasco - Grajaú]: domingo, durante toda a operação comercial, equipes de manutenção atuarão no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações Cidade Universitária e Cidade Jardim.

Linha 11-Coral / Expresso Leste [Luz - Guaianazes]: sábado, das 20h até o fim da operação comercial, haverá serviços no sistema de alimentação elétrica dos trens e no sistema de sinalização entre Guaianazes e Corinthians-Itaquera.

Linha 11-Coral [Guaianazes - Estudantes]: das 22h de sexta-feira, até o final da operação comercial de domingo, haverá intervenções no sistema de alimentação elétrica dos trens na região da estação Jundiapeba.

Linha 12-Safira [Brás - Calmon Viana]: das 18h de sábado até o encerramento da operação comercial de domingo, os serviços serão executados no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações São Miguel Paulista e Comendador Ermelino.

No domingo, durante toda a operação comercial, os trens circularão somente entre Tatuapé e Calmon Viana, por conta de serviços no sistema de alimentação elétrica dos trens entre as estações Tatuapé e Brás. Para seguir viagem até a estação Brás, será necessário transferir-se para os trens da Linha 11-Coral ou da Linha 3-Vermelha, do Metrô.

Informação aos usuários: para orientar os usuários sobre essas mudanças temporárias, a CPTM vem divulgando as intervenções por meio de avisos sonoros emitidos nos trens e de cartazes fixados nas estações, além das redes sociais da Companhia. Empregados também estão posicionados para auxiliarem o público.

Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Benefícios: as obras de infraestrutura em realização nas seis linhas permitirão que os 105 novos trens que já estão sendo incorporados à frota tenham melhor desempenho e contribuam para aumentar a oferta de lugares.

Na eventualidade de dúvidas ou de informações complementares, a CPTM coloca à disposição a Central de Atendimento ao Usuário, no telefone 0800 0550121.

Siga o blog por email

Seguidores