quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Estação Luz reabre para circulação de trens neste dia 31/12

Incêndio destruiu Museu da Lingua Portuguesa e parte da centenária estação. Trabalhos de restauro continuam.

Fonte: CPTM

Em razão da continuidade das obras de reparos do prédio do Museu da Língua Portuguesa, após incêndio, haverá alteração nas plataformas das estações Luz e Brás

​ A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) reabrirá a Estação da Luz amanhã, quinta-feira, 31, a partir das 4h. Após nova vistoria realizada pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), nesta quarta-feira, 30, a Defesa Civil do município liberou a estação para operação dos trens. Serão utilizadas três plataformas e os acessos à estação serão realizados pela avenida Cásper Líbero e pela calçada da Pinacoteca, na Praça da Luz.

As alterações são necessárias devido às obras de reparo do prédio do Museu, que ainda continuam. Os trens da Linha 11-Coral Expresso Leste farão o trajeto Luz-Guaianases e Brás-Guaianases, alternadamente. Já os trens da Linha 7-Rubi farão o trajeto Brás-Francisco Morato, passando pela Luz, como reforço na oferta de lugares do trecho Brás - Luz.

Veja quais são as mudanças:
 
Acessos à Estação da Luz
Os usuários acessarão a estação pela avenida Cásper Líbero e pelo acesso da calçada da Pinacoteca, na Praça da Luz.
Os acessos pelo saguão principal lado Jardim da Luz, pela Rua Mauá e pela calçada do Museu da Língua Portuguesa permanecerão fechados.

Linha 7-Rubi – Brás-Francisco Morato
Os trens da Linha 7-Rubi farão o trajeto Brás-Francisco Morato, passando pela estação da Luz nas plataformas 1 e 2. Na estação Brás, a Linha 7 utilizará a plataforma 1, como reforço de oferta de lugares no trecho Brás - Luz.
 
Linha 11-Coral – Expresso Leste – Luz-Guaianases
Os trens da Linha 11-Coral farão o trajeto Luz-Guaianases e Brás-Guaianases, alternadamente. Os trens que seguirem até a Luz utilizarão a plataforma 3 para embarque e desembarque.

Linha 10-Turquesa – Brás-Rio Grande da Serra
Para operar a Linha 7-Rubi até o Brás, os trens da Linha 10-Turquesa farão embarque e desembarque pela plataforma 2.

A CPTM ressalta que as alterações visam retornar o serviço de transporte aos usuários na Estação da Luz, ao mesmo tempo que possibilita a continuidade das obras de reparação dos danos causados pelo incêndio e com expectativa de liberação o mais rápido possível do acesso principal e da plataforma 4, utilizada pelos trens da Linha 11-Coral na Estação Luz.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Tarifas de trem, ônibus e metrô serão reajustadas em 09 de janeiro


Fonte: CPTM

A Secretaria Municipal de Transportes e a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos informam que, a partir de 9 de janeiro de 2016, passarão a vigorar os novos valores das tarifas de transporte coletivo sobre pneus na capital paulista e de transporte coletivo sobre trilhos na Região Metropolitana de São Paulo.
A inflação acumulada desde o último reajuste, em 6 de janeiro de 2015, foi de 10,49%, segundo o IPC-Fipe. No entanto, as duas Secretarias de Transportes decidiram, em conjunto, fixar reajuste menor que a inflação.
O bilhete unitário foi reajustado em 8,57%, passando dos atuais R$ 3,50 para R$ 3,80. A tarifa com integração entre ônibus e trilhos, de R$ 5,45 para R$ 5,92.
Além de reajustar a tarifa abaixo da inflação, as duas Secretarias decidiram congelar, sem qualquer reajuste, os valores atuais dos bilhetes temporais:
 
Ônibus ou Trilhos
24 horas: R$ 10,00
Semanal: R$ 38,00
Mensal: R$ 140,00
 
Integrado Ônibus e Trilhos
24 horas: R$ 16,00
Semanal: R$ 60,00
Mensal: R$ 230,00
 
Trilhos (Metrô e CPTM)
Madrugador: R$ 2,92
Da Hora: R$ 2,92
 
EMTU
Para os ônibus da EMTU, o percentual médio do reajuste irá variar em cada uma das cinco Regiões Metropolitanas vinculadas à empresa: São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Sorocaba e Vale do Paraíba – mas nenhum valor será reajustado acima da inflação.

Ações dos governos estadual e municipal visaram preservar orçamento familiar
As administrações municipal e estadual têm atuado no sentido de alinhar alguns aspectos das respectivas políticas tarifárias, visando a redução do peso do transporte no orçamento das famílias residentes na Região Metropolitana de São Paulo. Dentre as medidas tomadas em conjunto, desde então, cabe destacar:
1.                    Foi criado o Bilhete Único de ônibus e trilhos mensal, que permite ao usuário frequente dos sistemas de transporte um desconto em relação à política tradicional do Bilhete Único. Nos dois reajustes desde então, as tarifas dessa modalidade não sofreram qualquer aumento, o que se reflete em um crescimento gradual de sua utilização.
2.                    Também não sofrerá qualquer reajuste o usuário dos bilhetes Madrugador, válido no início da operação do Metrô, entre 4h40 e 6h15, e na CPTM, das 4h até as 5h35. Também ficará sem reajuste o bilhete Da Hora, que concede benefício entre as 9h e 10h da manhã nas linhas 5 do Metrô e 9 da CPTM.
3.                    A tarifa zero permanece para pessoas com deficiência e idosos (a gratuidade foi ampliada para pessoas com mais de 60 anos em julho de 2012 – Lei 15.187) e alunos de escolas e universidades que comprovarem baixa renda. Além disso, todo estudante, da rede pública ou privada, já tem direito à meia tarifa e continuará com esse benefício.
4.                    O trabalhador desempregado, usuário do transporte por ônibus no município, passará a contar com a gratuidade em moldes similares aos praticados no transporte sobre trilhos.
5.                    Mais da metade dos usuários do sistema de transportes (53%) não será impactada pela mudança na tarifa unitária, porque são benificiários de gratuidades, usam bilhetes temporais que não terão aumento ou são trabalhadores que já pagam o limite legal de 6% do salário para o vale transporte.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Técnicos iniciam reforma provisória da Luz

Foto: Renato Cerqueira - Divulgação - Futurapress
Por Diego Silva

Na tarde desta quarta-feira, técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Técnicas de São Paulo) estiveram nos escombros e cinzas da estação Luz, juntamente com bombeiros e técnicos da CPTM. A expectativa era analisar as condições do prédio e saber se é possível reabrir a estação para atendimento dos mais de 400 mil usuários que por ali passam diariamente. Era possível ver dois guindastes erguendo pedaços de madeira e alguns aparatos que restaram do incêndio ocorrido na última segunda-feira, 21 de dezembro.

Segundo a primeira análise do IPT, ainda há risco de desabamento das paredes da estação, por isso o prédio não foi entregue para a circulação de trens. Técnicos do Instituto dizem que, no momento, isto é 'secundário' (devolver a circulação de trens no local). Nesta quarta, iniciam-se algumas obras emergenciais no local, a fim de evitar maiores danos e um possível desabamento. Para a CPTM, há esperança de reabrir a estação na segunda-feira, dia 28. Mas tudo dependerá de uma análise profunda dos técnicos envolvidos na perícia e reforma do centenário prédio.

Enquanto isso, usuários enfrentam lotação e demora nas integrações com o Metrô nas estações Brás e Palmeiras-Barra Funda. Como o fluxo praticamente triplicou, principalmente de manhã, há dificuldade no embarque nas citadas estações. Alguns usuários reclamaram da dificuldade na integração do Brás, observado pelo blog hoje de tarde, mas não houve nenhum contratempo verificado.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Após incêndio, Estação Luz permanecerá fechada por tempo indeterminado

Estação Luz ardeu em chamas na tarde desta segunda, 21 de dezembro. (Imagem: Divulgação G1)
Por Diego Silva

Um dos capítulos mais lamentáveis e tristes de São Paulo foi presenciado na tarde desta segunda, 21 de dezembro de 2015. Ainda sem causas apuradas, um incêndio destruiu o Museu da Língua Portuguesa e, consequentemente, o prédio centenário da Estação Luz, a maior edificação ferroviária de São Paulo, cartão postal e patrimônio histórico. Foi o segundo incidente na estação em 115 anos.

As primeiras informações do acidente chegaram por volta das 16h30. Até então, tratava-se de um pequeno incêndio que consumia algumas salas. De repente, as labaredas tomaram maiores proporções e foram consumindo grande parte da estação. Segundo a imprensa, cerca de 100 bombeiros atenderam o chamado no Centro de São Paulo. O combate efetivo durou cerca de duas horas e havia a preocupação de conter o fogo antes da torre do relógio. Com êxito e com auxílio de uma forte chuva que caiu no local, os bombeiros controlaram o fogo antes que se criasse um prejuízo ainda maior.

Infelizmente houve uma vítima nesse evento: um bombeiro civil, que começou o primeiro combate contra o fogo teve queimaduras graves no corpo e veio a sofrer uma parada cardiorrespiratória, vindo a falecer pouco depois do atendimento. Mas há de se considerar que poderia ter sido muito pior: por ser segunda-feira, o Museu não estava aberto à visitas. Segundo informações da curadoria do Museu, como o material era todo digital, não se perdeu nenhuma obra de grande importância. A parte afetada no incêndio era de uma exposição temporária.

A CPTM ainda não se manifestou sobre a operação de trens no local, visto que a perícia ainda não atuou na estação para poder informar se há segurança ou não para operação de trens nessa terça-feira. A estação recebe os trens da Linha 7, que ligam à capital até a cidade de Jundiaí, além do serviço 'Expresso Leste', até a estação Guaianazes. No final dessa tarde, os trens da Linha 7 retornavam da estação Palmeiras-Barra Funda, enquanto os trens da Linha 11 faziam retorno da estação Brás.


Não foi a primeira vez
Em 1946, a estação Luz teve seu primeiro incêndio. Na época, a concessão da São Paulo Railway se encerrava e todo o poder da ferrovia, que era inglês desde o começo dos anos 1860 seria repassado ao Governo Federal. Há quem diga que foi incêndio criminoso, mas outros informam que um curto circuito destruiu totalmente a estação, que teve todo o seu corpo queimado, inclusive a torre do relógio. Jornais da época contam que, no momento exato que as chamas alcançaram o relógio, este bateu pela última vez, às quatro horas da manhã. A população que assistia a tragédia em andamento, aplaudiu e, numa mistura de choro e emoção, viu o fim da primeira fase da Luz, que cinco anos depois era entregue para a população paulista, reformada e com um andar a mais. Esse andar extra foi justamente o que se incendiou hoje.


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Incêndio atinge estação da Luz e destrói parte da edificação centenária


Por Diego Silva

Um incêndio de grandes proporções atinge nesse momento o segundo andar da estação Luz, no centro da cidade. Ainda não há informações de vítimas nem da causa do incêndio. A estação Luz é um dos patrimônios da cidade e do estado de São Paulo.

No local do incêndio funciona o Museu da Língua Portuguesa, inaugurado em 2006. Segundo informações de funcionários, não haviam visitantes no local, pelo motivo do museu não abrir em dias de segunda-feira. No momento, há cerca de vinte viaturas e oitenta bombeiros no local combatendo o fogo.

Os trens da Linha 7-Rubi da CPTM, que ligam a Luz até Francisco Morato estão retornando da estação Palmeiras-Barra Funda. Os trens da Linha 11, que saem da Luz para Guaianazes, estão chegando e partindo da estação Brás. Os usuários que por ventura estiverem na região da Luz e precisarem acessar essas duas linhas, devem se locomover até a estação Júlio Prestes, da Linha 8-Diamante (fica a cerca de 700 metros da estação Luz) e seguir até a estação Palmeiras-Barra Funda. Para os usuários da Linha 7, somente realizar a transferência de linhas. Para os usuários da Linha 11, realizem a integração com o Metrô e sigam até as estações Brás, Tatuapé ou Corinthians-Itaquera.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

CPTM inaugura nova estação Ferraz de Vasconcelos


Fonte: CPTM

A partir desta quinta-feira, a nova estação abrirá no horário de operação da CPTM, das 4h à meia-noite, e a provisória será desativada

O governador Geraldo Alckmin entregou nesta quarta-feira, 26/08, a nova Estação Ferraz de Vasconcelos, na Linha 11-Coral (Luz – Estudantes), da CPTM. Com investimentos de R$ 41,8 milhões, a nova unidade tem 4.800 m² de área construída e está equipada com três elevadores e sete escadas rolantes, proporcionando mais conforto e segurança para os usuários.
 
Dotada de todos os itens de acessibilidade, como elevadores, comunicação em Braille, corrimãos e rampas adequadas, piso e rota táteis, a nova estação também dispõe de banheiros públicos comuns e exclusivos para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

A estação está dimensionada para atender com conforto o aumento futuro da demanda de passageiros. Diariamente, embarcam nessa estação cerca de 20 mil usuários e a previsão é de que nos próximos anos chegue a 31,5 mil usuários por dia útil.
 ​
A estrutura do novo prédio conta com plataformas cobertas, que utilizam telhas translúcidas para permitir o aproveitamento da iluminação natural, gerando economia de energia elétrica. O local também tem sistema de captação de água da chuva, que após tratamento, é utilizada na limpeza e banheiros da estação. A comunicação visual moderna facilita o deslocamento dos usuários no interior do edifício, que também terá lixeiras para descarte de lixo comum e reciclável.
 
Para acessar a plataforma, o usuário dispõe de três escadas rolantes, duas fixas, além de um elevador destinado prioritariamente às pessoas com mobilidade reduzida. Outro benefício para a população é a passarela de acesso à estação, que permite a transposição da ferrovia, pela área não paga, e que permanecerá aberta 24 horas. A estação conta com dois acessos: um pela Praça da Bíblia e outro pela Praça da Independência. Cada acesso conta com duas escadas rolantes, uma fixa e um elevador.
 
Essas duas praças também foram reurbanizadas pela CPTM, bem como o viário do entorno. O local ganhou novo paisagismo, revitalizando o centro. A estação oferece bicicletário com capacidade para 136 vagas abertas ao público.
 
 
Estivemos na desativação da antiga estação
Em 05/09/2011, ou seja, quase quatro anos atrás, o blog esteve na estação antiga de Ferraz para observar aquele que seria o último dia de operação comercial da antiga estação. A matéria completa pode ser visualizada nesse link: http://cptmemfoco.blogspot.com.br/2011/09/desativada-estacao-de-ferraz-de.html

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Vá de trem ao Festival do Chocolate de Ribeirão Pires


Fonte: CPTM

Começa neste final de semana (07/08) o 10º Festival do Chocolate de Ribeirão Pires. Quem quiser participar do evento com muitos doces e shows poderá utilizar a Linha 10-Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e descer na Estação Ribeirão Pires. O local do festival, chamado de Complexo Ayrton Senna, fica a apenas 7 minutos a pé da estação de trem.
 
A entrada no festival é gratuita e os visitantes poderão comprar doces e salgados em mais de 30 chalés. O evento costuma atrair cerca de 500 mil pessoas durante os quatro finais de semana e são consumidos mais de cinco toneladas de chocolate no período. 
 
Haverá também shows gratuitos de artistas locais e pagos na Tenda Multicultural. Na sexta-feira, 07/08, a apresentação será da banda de rock Titãs. No sábado, do grupo Onze: 20 e no domingo, da dupla sertaneja Fernando & Sorocaba. O valor do ingresso para essas atrações é de R$ 20. 

Serviço:

Evento: 10º Festival do Chocolate de Ribeirão Pires
Data: de 07 a 30 de agosto – sextas, sábados e domingos.
Horários do evento: sexta-feira - a partir das 18h; sábado – a partir das 14h; domingo – a partir das 10h.
Local: Complexo Ayrton Senna – Av. Prefeito Valdírio Prisco, 193 – Centro – Ribeirão Pires
Como chegar de São Paulo: ir até a Estação Ribeirão Pires, da Linha 10-Turquesa da CPTM

sábado, 27 de junho de 2015

Obras de modernização alteram circulação dos trens da CPTM


Fonte: CPTM


Neste fim de semana, 27 e 28 de junho, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) prosseguirá com as obras de modernização e manutenção preventiva em suas linhas. Por isso, os trens circularão com maiores intervalos em trechos e horários específicos. Confira a programação e antecipe sua viagem: 

​Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí)
Domingo: das 4h à meia-noite, a circulação ficará interrompida entre as estações Pirituba e Caieiras, em razão de serviços de modernização no sistema de rede aérea. Para atender aos usuários, serão disponibilizados ônibus de conexão. As senhas para utilização dos ônibus deverão ser retiradas nas estações.

Das 4h às 8h, os serviços de manutenção preventiva estarão concentrados nos equipamentos de sinalização entre as estações Água Branca e Pirituba. Das 7h às 20h, serão realizados serviços de infraestrutura na Estação da Luz. Das 8h às 16h30, haverá  manutenção preventiva na via permanente entre as estações Pirituba e Piqueri. O intervalo médio será de 28 minutos entre as estações Luz e Pirituba, e de 30 minutos entre Caieiras e Jundiaí. 

​Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi – Amador Bueno)
Domingo: das 4h à meia-noite, serão executados serviços de manutenção preventiva no sistema de rede aérea na região da Estação Carapicuíba. O intervalo médio será de 16 minutos entre as estações Júlio Prestes e Itapevi.

​Linha 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú)
Sábado: das 23h até o fim da operação comercial, as intervenções serão realizadas nos equipamentos de via permanente entre as estações Ceasa e Cidade Universitária. O intervalo médio será de 12 minutos em toda a linha. 

Domingo: das 9h às 19h, haverá manutenção preventiva nos equipamentos de via permanente entre as estações Osasco e Ceasa. A circulação ficará interrompida entre as estações Presidente Altino e Osasco, para completar a viagem o usuário deverá usar os trens da Linha 8-Diamante. A partir das 23h, os trabalhos estarão concentrados nos equipamentos de rede aérea, entre as estações Ceasa e Cidade Universitária. O intervalo médio será de 24 minutos em toda a linha.

​Linha 11-Coral/ Expresso Leste (Luz – Guaianases)
Domingo: das 4h à meia-noite, o intervalo médio será de 15 minutos em toda a linha devido aos serviços que serão realizados na extensão da Linha 11-Coral.

​Linha 11-Coral/ Extensão (Guaianases – Estudantes)
Domingo: das 4h à meia-noite, em razão das obras de implantação da nova Estação Suzano, o intervalo médio será de 22 minutos entre as estações Guaianases e Estudantes.

​Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana)
Domingo: das 4h à meia-noite, a circulação ficará interrompida, em função dos serviços no sistema de rede aérea e nos equipamentos de via permanente. Para atender aos usuários, serão disponibilizados ônibus de conexão, que percorrerão os seguintes itinerários:

  • Tatuapé – Itaim Paulista: os ônibus farão paradas intermediárias para embarque e desembarque nas estações USP Leste e São Miguel Paulista. 
  • Itaim Paulista – Poá: os ônibus farão paradas intermediárias para embarque e desembarque nas estações Itaquaquecetuba e Aracaré. 
  • Brás – Tatuapé: os usuários deverão utilizar os trens do Expresso Leste, na Linha 11-Coral. 
As senhas para utilização dos ônibus deverão ser retiradas na área interna das estações. 

Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Em caso de dúvidas ou informações complementares, a CPTM coloca à disposição o Serviço de Atendimento ao Usuário: 0800 055 0121.​

quinta-feira, 18 de junho de 2015

CPTM e Metrô irão funcionar ininterruptamente na Virada Cultural 2015


Fonte: CPTM


O Metrô, a ViaQuatro e a CPTM vão atender de forma ininterrupta a partir do início da operação commercial de sábado, dia 20, até a meia-noite do domingo, dia 21. A operação especial é para facilitar os deslocamentos dos usuários pela cidade durante a realização de mais uma edição da Virada Cultural, que acontece nesse final de semana.


Todas as 66 estações do Metrô (nas cinco linhas) estarão abertas para embarque e desembarque dos usuários, das 04h40 de sábado até a meia-noite de domingo. Na CPTM, que vai operar das 04h00 de sábado até a meia-noite de domingo, as 92 estações ficarão abertas. Durante a madrugada do dia 20 para o dia 21, a Companhia vai operar com trens extras, em todas as linhas, com intervalos de 20 minutos para atender as possíveis demandas de usuários.

Bilhetes antecipados
As empresas recomendam aos usuários a compra antecipada dos bilhetes, preferencialmente usando dinheiro trocado, para facilitar o acesso às estações. Nas máquinas de autoatendimento, o carregamento de créditos nos bilhetes eletrônicos poderá ser feito em qualquer estação do Metrô que possua o equipamento. Aém disso, as estações Sé, Anhangabaú, República, Santa Cecília, São Bento e Luz terão cabines com atendentes para efetuar o carregamento de crédito nos cartões durante todo o evento.

Acesso de ciclistas no sistema metroviário
Para os ciclistas que quiserem usar o sistema metroferroviário em seus deslocamentos, o acesso pode ser feito à partir das 14h de sábado até a meia-noite do domingo, sempre considerando o limite de 4 bikes por trem e o embarque no ultimo carro.


Outros esclarecimentos podem ser obtidos nos canais de atendimento das empresas:

Metrô: 0800 770 7722 (Funciona diariamente das 05h30 às 23h30)
ViaQuatro: 0800 770 7100 (Seg. a Sex., das 06h30 às 22h. Sábados e domingos, das 08h às 18h)
CPTM: 0800 055 0121 (Funcionamento 24h)

terça-feira, 2 de junho de 2015

Greve na CPTM: Linhas 7, 10, 11 e 12 decidem parar nesta quarta


Por Diego Silva

Os Sindicatos ferroviários que representam as linhas 7-Rubi (Luz x Francisco Morato x Jundiaí), 10-Turquesa (Brás x Rio Grande da Serra), 11-Coral (Luz x Guaianazes x Estudantes) e 12-Safira (Brás x Calmon Viana) decidiram entrar em greve na noite desta terça, após recusarem a nova proposta oferecida pela CPTM nas negociações de Acordo Coletivo do biênio 2015/2016.

A categoria recusa uma proposta de 8,82%, maior do que a última oferecida em reunião de conciliação ocorrida na semana passada. Com isso, quatro das seis linhas da Companhia entram em paralisação à partir das 00h desta quarta-feira. As linhas 8-Diamante (Júlio Prestes x Amador Bueno) e 9-Esmeralda (Osasco x Grajaú) irão funcionar normalmente, pois o Sindicato que representa as duas linhas, preferiu aguardar nova rodada de negociação sem interromper o serviço.

Todas as linhas do Metrô e a Linha 4-Amarela irão funcionar NORMALMENTE, assim como os ônibus da SPTrans e da EMTU.

Novas informações serão adicionadas conforme saírem. Acompanhem-nos também no Facebook (www.facebook.com/cptm.emfoco).

quinta-feira, 28 de maio de 2015

CPTM completa 23 anos de fundação

Trem da série 9000, última aquisição da CPTM, em testes no pátio de Presidente Altino

Por Diego Silva

Hoje a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos completa seu vigésimo terceiro aniversário. Muitas metas foram alcançadas nesse período, outras tantas ainda precisam ser alcançadas, mas uma coisa precisamos concordar: o serviço melhorou muito nesses anos. Novos trens, novas estações, acessibilidade, redução de intervalos, novas tecnologias, novos sistemas e novas possibilidades movem hoje o sistema ferroviário paulista.

Fundada em 1992, integralizando o patrimônio da antiga CBTU (braço metropolitano da então RFFSA - Rede Ferroviária Federal SA), a nova Companhia tinha por missão modernizar os serviços de transporte ferroviário na região metropolitana de São Paulo. Entrou em serviço efetivamente em 1994, assumindo os serviços de operação das linhas A, D, E e F (atualmente as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira, respectivamente). Dois anos depois, assumiria os serviços das remanescentes linhas da Fepasa, batizadas de linhas B e C (atuais linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda).

Então, iniciou-se um processo de melhoria no sistema. Apesar da frota antiga e bastante comprometida à época, a Companhia deu o primeiro passo no Programa do Material Rodante, chamado internamente de PQMR1, modernizando e reformando as primeiras unidades. Em seguida, lançou o projeto de dinamização Sul, com a construção de oito novas estações na Linha C (são elas Hebraica-Rebouças, Cidade Jardim, Vila Olímpia, Berrini, Morumbi, Granja Julieta, Socorro, Jurubatuba) e a compra de 48 trens espanhois da série 2100.

Em 1999, duas aquisições de frota: trinta trens da série 2000 e mais dez da série 3000, totalizando o montante de 88 novos trens em apenas três anos. Observando as mudanças na Companhia, o usuário volta a utilizar o trem como principal meio de transporte. E a demanda começa a crescer em ritmo acelerado, causando grande impacto no sistema. Em 2003, inicia-se a modernização da estação Brás, que ganhou nova cobertura e mezanino para interligação com o Metrô. Mais à frente, começava também uma grande obra: a integração subterrânea da estação Luz com o Metrô.

E assim, o sistema se estabilizou. Apenas em 2008 foi adquirida nova frota, para reforço da Linha 9-Esmeralda (doze trens da série 2070). Nesse tempo, também vieram novas estações na mesma linha (Autódromo, Interlagos e Grajaú), além da reconstrução das estações mais críticas da Zona Leste (USP Leste, esta nova, Comendador Ermelino, Jardim Romano e Jardim Helena-Vila Mara, também novas, além de Itaim Paulista, todas na Linha 12-Safira). Em 2010, a maior compra de material rodante da história: 40 trens novos para atender quatro das seis linhas, num total de 240 carros. Após, mais uma compra: oito trens para a Linha 9-Esmeralda, similares aos quarenta da série 7000.

Conforme o tempo foi passando, as necessidades migravam de linha. Chegou-se um ponto que não havia a condição mínima de circulação na Linha 8-Diamante, com a frota série 5000 em número muito reduzido e um intervalo considerado alto para o novo padrão da empresa. Então, chegaram trinta e seis trens da série 8000, dando outra cara para a linha, reduzindo os intervalos, aumentando o número de viagens e o conforto do usuário. Em 2012, mais nove trens, agora para o Expresso Leste.
No ano passado, a licitação e compra de mais sessenta e cinco trens, para multiplicar a operação e dar conta dos quase três milhões de usuários que utilizam o sistema diariamente.

Em andamento, estão as obras da nova Linha 13-Jade, que ligará Engenheiro Goulart até o Aeroporto de Guarulhos, a extensão do Expresso Leste até Suzano, a extensão da Linha 9 até Varginha e a segregação dos trens de carga no trecho leste. Entre as novas estações, recentemente foram entregues as novas Vila Aurora e Franco da Rocha (na Linha 7); Ainda em obras: Suzano, Ferraz de Vasconcelos, Poá (Linha 11), Francisco Morato (Linha 7), Mendes-Vila Natal e Varginha (Linha 9).

E assim, a empresa vai crescendo e se modernizando. Deixamos os nossos sinceros parabéns à CPTM, que tanto se esforça para evoluir e se desenvolver. Nossos cumprimentos à todos os funcionários que não deixam o sistema parar, em suas vinte horas de atividades diárias. E que venham muitos anos mais.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Expresso Leste completa 15 anos


Por Diego Silva

Nesta quarta-feira, o serviço 'Expresso Leste' da Linha 11-Coral completa quinze anos de inauguração. Criado em 27 de maio de 2000, como alternativa para a Linha 3-Vermelha do Metrô (que corre paralela entre Itaquera e Brás), o trecho foi remodelado, perdendo parte de seu traçado original e algumas estações, mas ganhando agilidade e praticidade. Vale citar que, para o funcionamento do Expresso, deixaram de existir as estações Engenheiro Trindade, Sebastião Gualberto, Carlos de Campos, Vila Matilde, Patriarca, Arthur Alvim, XV de Novembro, Itaquera-velha e Guaianazes-velha.

Para sua existência, foram adquiridos 15 trens da série 2000, com ar-condicionado e equipamentos tecnológicos para o tempo. No ano 2000, então com oito anos de fundação, a CPTM ainda procurava melhorar a questão de segurança e confiabilidade no sistema, dando um grande salto de qualidade com o Expresso. Em seu pleno funcionamento, partia da estação Brás atendendo as estações Tatuapé, Corinthians-Itaquera (estação nova, substituindo a estação Itaquera, agora interligada ao Metrô, ao PoupaTempo e ao Shopping), Dom Bosco e José Bonifácio (estações novas) e a nova Guaianazes (construída alguns metros antes da antiga estação. Em 2003, após estratégias, o Expresso chegou na Estação Luz, onde até os dias de hoje faz seu terminal.

Em 2010, o Expresso Leste recebeu um reforço na frota, com a entrada em serviço de trens da série 7000. Em 2014, ano de Copa do Mundo no Brasil, entraram em serviço mais nove trens da série 9000. Atualmente, o Expresso é a segunda linha mais utilizada da CPTM, com média de 550 mil usuários por dia. Perde em números para a Linha 9-Esmeralda (Osasco x Grajaú), que contabiliza 670 mil usuários diariamente. Espera-se para 2016 a ampliação do serviço, que deverá chegar até Suzano, à leste, e em Palmeiras-Barra Funda, à oeste.

Ferroviários da CPTM adiam greve e decidem esperar negociações


Por Diego Silva
Fonte: Divulgação Sindicatos

Os funcionários da CPTM tiveram nesta terça uma nova audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, em São Paulo. Os representantes da empresa fizeram uma nova proposta de reajuste, de 7,72%. O percentual foi maior que o proposto anteriormente, de 6,65%, porém, menor do que o índice proposto pelo TRT (que foi de 8,25%).

Na assembleia, os ferroviários rejeitaram a proposta da CPTM e definiram uma contra-proposta de 9,29%. Apesar disso, os sindicatos entenderam que houve avanço nas negociações. Uma nova reunião está agendada para o dia 2 de junho, juntamente com uma nova assembleia (na noite do mesmo dia 2/6), para decidir sobre uma possível paralisação dos serviços à partir do dia seguinte.

Em nota publicada no Facebook, a CPTM diz ''confiar na responsabilidade de seus empregados em garantir a prestação de serviço e não prejudicar os cerca de 3 milhões de passageiros que diariamente utilizam o trem como meio de transporte'', reforçando assim, o funcionamento normal de suas seis linhas nesta quarta-feira.

terça-feira, 26 de maio de 2015

CPTM sobe proposta salarial para tentar evitar greve


Fonte: UOL

Sob a ameaça de uma greve dos funcionários, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), vinculada ao governo do Estado de São Paulo, elevou de 6,65% para 7,72% a proposta reajuste salarial para os trabalhadores. O novo índice representa a inflação anual mais 1% de aumento real.

A proposta foi apresentada em audiência de conciliação realizada na manhã desta terça-feira (26) no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, na capital paulista. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, Eluiz Alves de Matos, foi um dos representantes dos funcionários no encontro.

Apesar da elevação, a oferta ainda ficou muito abaixo do pedido dos ferroviários, que é de 17,89%. A proposta da companhia também está aquém da sugestão de 6,65% mais 1,5% de produtividade feita ontem pelo desembargador Wilson Fernandes, vice-presidente judicial do tribunal, que busca um acordo entre as partes.

Na semana passada, os ferroviários decidiram em assembleia realizar uma greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (27) -- os funcionários do Metrô também ameaçam fazer greve a partir de amanhã. Porém, uma nova assembleia será realizada às 18h de hoje para analisar a proposta da CPTM. Os ferroviários também analisarão o pedido feito pelo TRT para que a categoria não entre em greve durante as negociações salariais.

Na última sexta-feira (22), a Justiça ordenou que, em caso de greve, os ferroviários devem manter 90% do efetivo de maquinistas e 70% dos demais funcionários nos horários de pico -- entre 4h e 10h e entre 16h e 21h – e um contingente de 60% nos demais horários.

A decisão judicial também impede que os trabalhadores liberem as catracas para os usuários. Os sindicatos que representam os funcionários estão sujeitos a pagar multa diária de R$ 100 mil caso não cumpram as determinações.

Fracassam tentativas de acordo para evitar greves no Metrô e na CPTM


Fonte: UOL

Terminaram sem acordo as audiências de conciliação do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) com representantes dos funcionários das duas empresas vinculadas ao governo do Estado de São Paulo. Os encontros aconteceram na tarde desta segunda-feira (25) na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, na capital paulista.
 
A CPTM oferece reajuste salarial de 6,65%, mas os ferroviários querem 7,89% de correção mais 10% de aumento real. Como solução, o desembargador Wilson Fernandes, vice-presidente judicial do Tribunal, propôs um reajuste 6,65% mais 1,5% de produtividade.
Uma nova audiência está agendada para as 10h desta terça-feira (26). "A audiência foi adiada para que possa haver uma discussão em cima de propostas reais. Vamos fazer o possível para evitar a greve", disse o desembargador.
Na última sexta-feira (22), a Justiça ordenou que, durante a greve, os ferroviários devem manter 90% do efetivo de maquinistas e 70% dos demais funcionários nos horários de pico -- entre 4h e 10h e entre 16h e 21h – e um contingente de 60% nos demais horários.

A decisão judicial também impede que os trabalhadores liberem as catracas para os usuários. Os sindicatos que representam os funcionários da empresa estão sujeitos a pagar multa diária de R$ 100 mil caso não cumpram as determinações.
 

sexta-feira, 27 de março de 2015

Turismo em Foco: Santos/SP

Passeio de bonde: conhecendo Santos e desfrutando de como era o transporte antigamente
Por Diego Silva

Caros leitores, hoje inauguro mais uma série de publicações para vocês. Falaremos de turismo ferroviário, com alguns dos lugares que visitei e que achei interessante compartilhar com vocês. Vamos começar com um lugar bastante visitado pelos paulistanos, pela distância e pelas praias: Santos.

A CIDADE
Santos é uma cidade portuária em sua grande maioria. Localizada a pouco mais de uma hora de São Paulo, conta com uma grande praia e com pontos históricos que fazem parte não só da cidade em si, mas também do desenvolvimento paulista. Grande parte dos pontos turísticos locais podem ser visitados à pé (para tanto, recomenda-se roupas confortáveis e um bom tênis para caminhadas).

Estação do Valongo, em Santos: Km 0 da ferrovia que se estende até Jundiaí
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
A estação ferroviária de Santos, também conhecida como Valongo, foi inaugurada no ano de 1867, quando da inauguração de um grande trecho da então São Paulo Railway Co. (popularmente conhecida como Ingleza e até hoje lembrada como Estrada de Ferro Santos à Jundiaí). É um prédio muito bonito e importante na história ferroviária paulista, mas assim como toda a história de trem brasileira, hoje resta apenas o prédio. Informações constam que o último trem a embarcar e desembarcar passageiros em Santos foi no ano de 1996. Após essa data, a estação ficou fechada por longo tempo, até ser restaurada. Hoje, é patrimônio da cidade de Santos e em minha última visita (em 2014), havia um restaurante instalado no local.

Banco Mauá - Uma das heranças do visionário Barão
BANCO MAUÁ
Caminhando um pouco à frente da estação do Valongo, é possível reconhecer o Banco Mauá. De propriedade do Barão de Mauá (Irineu Evangelista de Souza, que também foi o idealizador da ferrovia que liga Santos à Jundiaí). O banco Mauá chegou a possuir unidades em Montevidéu (Uruguai), em cidades da Argentina, em Londres e nos Estados Unidos. Outro fato curioso: na época, era o único banco, fora a Casa da Moeda do Brasil, a imprimir notas. Atualmente é uma danceteria.

Bolsa Comercial de Café: cotações e muitos negócios eram baseados pelo que era decidido aqui dentro
BOLSA COMERCIAL DE CAFÉ
Quem estudou história vai se lembrar com certeza que muito do desenvolvimento de São Paulo se deu graças ao plantio e comércio do café. O fruto que deu impulso nunca igualado à economia do Estado era negociado como ouro nos séculos XVIII e XIX, ganhando até mesmo uma bolsa de cotação. E essa bolsa existe até hoje, logo ao lado do antigo Banco Mauá. Claro que não há mais cotações como antigamente, mas é possível visitar o local e conhecer parte da história que foi criada naquela época, além de poder degustar uma xícara da bebida favorita dos brasileiros. Atualmente, abriga o 'Museu dos Cafés Brasileiros'. 

Amanhecer na Praça Mauá
Praça Mauá, vista de outro ângulo
PRAÇA MAUÁ
Pode-se dizer que a Praça Mauá é o 'centro' do Centro Histórico de Santos. Um local bastante bonito para descansar e conversar admirando as árvores que cercam o local, além claro do movimento da cidade. Ao redor da praça existem alguns comércios, onde podemos adquirir comidas e bebidas. São padarias, lojas de conveniência e até algumas redes de maior conhecimento popular. Deste ponto também sai uma das atrações turísticas mais legais da cidade: o passeio de bonde. Em determinadas épocas do ano, principalmente aos sábados, algumas bandas se reúnem na Praça para festivais e shows ao vivo.

Bonde português em Santos: passeio de quase uma hora pela cidade e pontos históricos
Bonde alusivo ao Santos Futebol Clube, juntamente com um reboque
PASSEIO DE BONDE
Uma das partes mais bacanas de visitar Santos é andar de bonde. Além de remeter a um passado não muito distante do transporte de muitas cidades, é uma forma muito curiosa de se conhecer a cidade e seus pontos turísticos. Em cerca de uma hora de viagem, com guias turísticos contando histórias dos locais e até mesmo um antigo condutor do bonde relatando fatos daqueles idos tempos, embarca-se numa verdadeira volta no tempo. Com saídas frequentes à cada hora (de terça a sexta-feira) e a cada meia hora (nos sábados e domingos). O passeio custa R$ 6,00 e percorre cerca de 40 pontos turísticos na cidade, entre eles, um que atrai muitos olhares: o Monte Serrat.

Bondinho inclinado do Mont Serrat
Panorama da subida, de dentro do bondinho. Percebam a transposição dos trens.
MONTE SERRAT
O Monte Serrat fica a cerca de dez minutos do centro histórico de Santos. No local, existe um bondinho inclinado que sobe até o alto do monte, de onde é possível ter uma visão panorâmica de toda a cidade e região portuária. O acesso tem um preço meio salgado (em 2014, custava R$ 21,00), mas vale muito a pena poder ir até o alto e poder contemplar de uma bela vista. O sistema é funicular (os bondes são contrapesos sustentados por cabos de aço, onde um faz o peso do outro, realizando transposição no meio do trajeto.




Escuna Tamburutaca
PASSEIO DE ESCUNA
Um bom passeio em alto mar pode ser apreciado em Santos. Recomendo a Escuna Tamburutaca, que faz um passeio pela orla da praia e contorna o Porto em mais de uma hora. Com um autêntico Almirante, que vai nos contando tudo o que tem ao redor e algumas boas histórias do mar, regado de bom humor e descontração. Consulte preços.

Ponta da Praia - Santos
PONTA DA PRAIA
A Praia de Santos é uma das mais procuradas pelos paulistanos, pela proximidade e extensão. A Ponta da Praia é onde se reúnem mais pessoas e fica mais próximo do centro, onde há restaurantes e conveniência. Ali também é possível observar a movimentação de navios chegando e partindo, além de poder desfrutar de alguns comes e bebes na areia, para aqueles que estão apenas de passagem.

COMO CHEGAR
De carro (saindo de São Paulo):
Pegue a Rodovia Anchieta e siga até o final da mesma (Existe um pedágio no caminho, no valor de R$ 22,00 um pouco depois da saída para o Riacho Grande, em São Bernardo do Campo). Atenção ao trecho de serra (descida ingrime com radares de 50 km/h e excesso de caminhões). Há alternativa pela Rodovia dos Imigrantes.

De ônibus: Vá de Cometa (Consulte passagens em www.viacaocometa.com.br)
Os ônibus da Viação Cometa realizam linhas regulares saindo do Terminal Jabaquara, em São Paulo, com saídas a cada vinte ou trinta minutos em média. Está no ABC? Saídas de São Caetano, São Bernardo e Santo André, além de Ribeirão Pires. A passagem custa cerca de R$ 30,00 e a viagem dura pouco mais de uma hora. O serviço é de boa qualidade e os ônibus são novos.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Locomotivas U20C

GE U20C #3157, no pátio da Luz, em São Paulo: CPTM conta com duas locomotivas desse modelo
Por Diego Silva
Fonte: Wikipédia

As locomotivas General Electric de modelo U20C são famosas em grande parte do eixo sudeste brasileiro, principalmente dos anos 1980 para cá. Utilizadas em larga escala para diversos serviços (seja manobra, trem de passageiros, reboque de trens unidade, líder de trens cargueiros e etc), são máquinas dinâmicas e de fácil operação.

As primeiras unidades datam do ano de 1968. Essas locomotivas foram projetadas especialmente para trechos com restrição de gabarito e de peso, podendo operar em qualquer bitola dentro do especificado entre 0,914 m até 1,676m. Foram construídas quase mil unidades, estando presente em países como Brasil, Estados Unidos, Indonésia, África do Sul e Alemanha.

Podemos listar as seguintes locomotivas:

Ferrovia País Bitola Quantidade
C.F. de Luanda Angola 1,067m 40
Caminho de Ferro de Benguela Angola 1,067m 34
Metropolitano Argentina 1,000m 2
Empresa Nacional de Ferrocarriles Bolivia 1,000m 8
Rede Ferroviária Federal S.A. Brasil 1,000m 188
Rede Ferroviária Federal S.A. Brasil 1,600m 30
Ferrovia Paulista SA Brasil 1,000m 109
Ferrovia Paulista SA Brasil 1,600m 26
Ferrocarriles Nacionales de Colombia Colômbia 0,914m 10
Indonesia State Rlys PJKA Indonésia 1,067m 30
Aqaba Railway Corporation Jordânia 1,050m 18
C.F. de Moçambique Moçambique 1,067m 114
Pakistan Railways Paquistão 1,676m 42
South African Railways* África do Sul 1,067m 190
Sudan Railway Corp Sudão 1,067m 10
Turkish State Railways - TCDD Turquia 1,435m 40
Zambia Railways Zâmbia 1,067m 83
National Railway of Zimbabwe Zimbábue 1,067m 10

Atualmente, é possível encontrar as U20 em diversas ferrovias brasileiras, dada a dissipação da Rede Ferroviária Federal e da Fepasa em diversas outras empresas, que venceram a concessão ferroviária em 1996. Como exemplos mais fáceis, podemos citar a MRS Logística e a ALL Logística, que circulam por São Paulo, como detentoras de locomotivas desse modelo. Nas linhas 7, 10, 11 e 12 (que compartilham trilhos entre trens de carga e de passageiros), é possível ver diariamente as locomotivas U20 rebocando outras locomotivas maiores e mais alguns vagões de carga. Algumas pessoas se perguntam o motivo de uma locomotiva menor tracionar um conjunto maior: isso ocorre pelo simples fato das U20 possuírem o mesmo sistema de tráfego que os trens da CPTM, chamado de ATC (Automatic Train Control).

GE U20C 3147-2 e GE C30-7M 3725-0 com plataformas vazias passando por Ribeirão Pires, na Linha 10 da CPTM
Até meados de 2012, algumas locomotivas da ALL Logística ainda trafegavam pela Linha 8 da CPTM, em horários pré-determinados. Com o fim do tráfego de carga naquele trecho (dada a modificação de bitola entre Amador Bueno e Itapevi de métrica para larga), não foi mais possível ver nenhuma U20 métrica passeando pelos trilhos metropolitanos da Zona Oeste.

GE U20C #3822 da ALL Logística, ainda nas cores da antecessora Fepasa, passando por Itapevi em 2010
GE U20C #7814 na saída do Porto de Santos/SP, nos fins de 2011.
CPTM
Atualmente, a CPTM conta com apenas duas locomotivas desse modelo, de numeração 3157 e 3159. A primeira atende principalmente os trechos das linhas 7 e 10 (reboque de trens unidade, tração de vagões com dormentes e manobras, além do Expresso Turístico como locomotiva reserva). A segunda atende reboque de trens unidade e manobras nas linhas 8 e 9. As linhas da Zona Leste são atendidas por outro modelo de locomotiva (Alco RS3).

domingo, 1 de março de 2015

Locomotivas Lew

Locomotiva Lew DE I PA, nº 7767, no pátio de Presidente Altino e nas cores da CPTM
Por Diego Silva
Pesquisa: Wikipédia

Hoje falaremos um pouco sobre a história das locomotivas Lew, pessoal. São apenas cinco locomotivas operacionais, todas nas linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM. Conheceremos o verdadeiro significado de Lew, os três modelos brasileiros, as passagens e suas utilizações, além claro da atualidade. Embarque conosco nessa viagem em mais uma história dos trens.

A INDÚSTRIA
A VEB Lokomotivbau Elektrotechnische Werke (LEW) 'Hans Beimler' era a indústria fabricante das locomotivas, situada em Hennigsdorf, ao norte de Berlim, na Alemanha. A VEB LEW era parte de um conjunto de empresas que ainda continha a VEB Berliner Bremsenwerk (que era uma fábrica de freios, antes da guerra fazia parte da Knorr-Bremse, localizada também em Berlim), a VEB Schichtpresstoffwerk SPW em Bernau e o VEB Galvanotechnik GTL em Leipzig, todas na Alemanha.

Foi a única fabricante de locomotivas elétricas na Alemanha Oriental e ficou popularmente conhecida pela sigla LEW, vindo a fornecer locomotivas de diversos tipos para a China, URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, atual Rússia), Polônia e muitos outros países em desenvolvimento. Para o Brasil, vieram 83 locomotivas diesel-elétricas, para ferrovias paulistas (Companhia Paulista, EF Sorocabana e Mogiana), no final dos anos 1960. O material rodante em questão foi adquirido para compensação do saldo favorável que o Brasil possuía com a Alemanha Oriental, principalmente como pagamento de exportações brasileiras de café.

A VEB LEW, como citado acima, forneceu 83 locomotivas para as ferrovias paulistas. As três empresas da época (CP - Companhia Paulista, EFS - Estrada de Ferro Sorocabana e CMEF - Companhia Mogiana das Estradas de Ferro) receberam modelos muito similares de locomotivas, que foram identificadas da seguinte forma:

Lew DE I PA, com o nº 750 e pertencente à CPEF - Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Créditos ao autor
LEW DE I PA
A Companhia Paulista de Estradas de Ferro recebeu o lote das LEW DE I PA. Num total de 36 locomotivas de rodagem B-B, com potência de 1050 HP e bitola larga (1,60m). Foram numeradas de 7761 a 7796. Do total adquirido, apenas três locomotivas sobreviveram até os dias de hoje, sendo as de nº 7765, 7767 e 7770. Uma curiosidade: as locomotivas da Paulista diferiam das locomotivas da Sorocabana por não possuírem freio dinâmico, molas de barras abaixo dos eixos, os respiros no teto eram em forma de tigela invertida e nas laterais do chassi havia 3 rasgos na altura da cabine.

Lew DE II S, nº 3728, da EFS - Estrada de Ferro Sorocabana. Posteriormente, rodaram pela FEPASA
LEW DE II S
A Estrada de Ferro Sorocabana, ou apenas Sorocabana, recebeu o total de 30 locomotivas Lew para sua frota. Também com rodagem B-B, potência de 1050 HP e bitola métrica (1,00m). Foram numeradas de 3701 a 3730. Do total adquirido, apenas duas locomotivas estão operacionais, sendo as de nº 3703 e 3705, em uso pela CPTM (até 2011, pois deste ano para cá, a Companhia não utiliza mais trens de bitola métrica). 

Lew DE III M, nº 3757, em operação pela Ferroban (atual ALL), mas nas cores da FEPASA. Foto de Ricardo Frontera, 1999
LEW DE III M
A Companhia Mogiana de Estradas de Ferro recebeu as 17 locomotivas restantes do lote fabricado pela Lew. Igualmente às outras companhias, eram locomotivas de rodagem B-B, mas de menor potência: 1400 HP. Foram numeradas de 3751 a 3767. Segundo informações, destas, apenas três ainda estão presentes: 3762, 3765 e 3767, sob responsabilidade da FCA (Ferrovia Centro Atlântica). Porém, em pesquisa realizada no blog Minas's Trains, em seu Inventário Geral dos Pátios Ferroviários Brasileiros, observamos imagens em que as três locomotivas estão encostadas e perdendo peças, ou seja, estão inoperantes.

UTILIZAÇÃO
Em um tempo em que ferrovia era sinônimo de transporte, as locomotivas Lew tiveram muito trabalho, sendo um tanto diversificado. Em sua grande parte, o trabalho principal das alemãs era tracionar trens de carga, afinal, grande parte das mercadorias do Brasil era movimentada pelas ferrovias quando da chegada desses trens. Posteriormente, houve o crescimento dos trens de passageiros e as alemãs também fizeram esse serviço, principalmente pela Fepasa (Ferrovia Paulista S/A, empresa que sucedeu a EFS - Estrada de Ferro Sorocabana), além de manobras em pátios e também reboques. Pela CPTM, o serviço não mudou muito: as locomotivas restantes trabalham diariamente no pátio de Presidente Altino, com manobras e reboques. Durante as madrugadas, atuam em trens de manutenção e dividem o serviço com uma GE U20C de numeração 3159 (ex - RFFSA), que contarei a história posteriormente.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Blog completa cinco anos de existência


Por Diego Silva

Prezados, completamos hoje meia década em atividade! Desde 2010 no ar, com quase um milhão e meio de visitas e muitas amizades feitas nesse tempo, reafirmamos nossa posição entre os melhores blogs do país, visando agora o retorno às paradas do sucesso e aos milhares de computadores e celulares das pessoas que nos acompanham.

Nesses cinco anos de atividade, o blog sofreu muitos altos e baixos, mas sempre esteve em atividade, trazendo novidades e atrações para vocês. Como alguns sabem, tudo começou de uma ideia de se expor algumas fotos que eu mesmo fazia com um celular, nas plataformas da CPTM. A ideia cresceu e o então Fotolog virou blog de notícias, concorrendo ao prêmio de melhor blog do Brasil e chegando na final por dois anos seguidos (em ambos, conquistamos o terceiro lugar). Houve um momento de parar com as publicações, dadas as necessidades que tive e agora, um momento de retorno e de tentar reinventar o blog CPTM em Foco. 

Só tenho a agradecer à vocês que me acompanharam nesses cinco anos de publicações e de matérias, tanto aqui no blog quanto na fanpage do Facebook. Espero poder continuar por muito tempo com as publicações, pois além de ser um hobby muito interessante, é uma forma de exercitar e compartilhar o conhecimento adquirido. Hoje, estamos reinaugurando o blog, para trazer de volta o Foco, com palavras sucintas e verdadeiras.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

CPTM entrega 105º novo trem


Por Diego Silva

Na segunda-feira, 23, o Governo do Estado entregou para a CPTM o último dos 105 novos trens adquiridos. A composição T01 (9001/9004), de fabricação Alstom, foi entregue à operação da Linha 11-Coral, sendo o nono trem da série 9000 incorporado à frota. Os outros oito trens já circulam normalmente e atendem a população da segunda linha mais movimentada da empresa.

O trem possui tudo o que há de mais moderno em tecnologia ferroviária, com ar condicionado, oito carros, passagem livre entre carros, sistema de vídeo vigilância, blocos extintores de incêndio e sistema de sonorização, além de telas informativas. O plano de renovação de frota da CPTM foi iniciado ainda em 2008, com a entrega de doze trens da série 2070 (ou 2000 fase II, que atualmente estão na Linha 12-Safira). Posteriormente, a entrega de 40 trens da série 7000, espalhados em quatro das seis linhas atualmente. Em seguida, mais oito trens da série 7500, acompanhados de mais uma grande aquisição: 36 novos trens da série 8000, que rodam na Linha 8-Diamante. Por fim, a entrega dos nove trens da série 9000 encerram o ciclo de 105 novas composições.

Só que as novidades não param por aqui. Já foi assinado contrato de aquisição de mais 65 trens novos, que serão fabricados por dois vencedores da licitação. Trinta e cinco unidades serão entregues pela CAF, possívelmente numerados de série 8500. Os outros trinta trens serão da fabricante sul-coreana Hyunday-Rotem, que deverá montar uma fábrica em Araraquara para atender os pedidos. A expectativa é que os primeiros trens sejam entregues ainda esse ano. Ainda não se sabe para onde os novos trens irão, sendo que, de acordo com a Companhia, todas as linhas deverão receber novos trens de acordo com a necessidade.

Siga o blog por email

Seguidores