terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Após incêndio, Estação Luz permanecerá fechada por tempo indeterminado

Estação Luz ardeu em chamas na tarde desta segunda, 21 de dezembro. (Imagem: Divulgação G1)
Por Diego Silva

Um dos capítulos mais lamentáveis e tristes de São Paulo foi presenciado na tarde desta segunda, 21 de dezembro de 2015. Ainda sem causas apuradas, um incêndio destruiu o Museu da Língua Portuguesa e, consequentemente, o prédio centenário da Estação Luz, a maior edificação ferroviária de São Paulo, cartão postal e patrimônio histórico. Foi o segundo incidente na estação em 115 anos.

As primeiras informações do acidente chegaram por volta das 16h30. Até então, tratava-se de um pequeno incêndio que consumia algumas salas. De repente, as labaredas tomaram maiores proporções e foram consumindo grande parte da estação. Segundo a imprensa, cerca de 100 bombeiros atenderam o chamado no Centro de São Paulo. O combate efetivo durou cerca de duas horas e havia a preocupação de conter o fogo antes da torre do relógio. Com êxito e com auxílio de uma forte chuva que caiu no local, os bombeiros controlaram o fogo antes que se criasse um prejuízo ainda maior.

Infelizmente houve uma vítima nesse evento: um bombeiro civil, que começou o primeiro combate contra o fogo teve queimaduras graves no corpo e veio a sofrer uma parada cardiorrespiratória, vindo a falecer pouco depois do atendimento. Mas há de se considerar que poderia ter sido muito pior: por ser segunda-feira, o Museu não estava aberto à visitas. Segundo informações da curadoria do Museu, como o material era todo digital, não se perdeu nenhuma obra de grande importância. A parte afetada no incêndio era de uma exposição temporária.

A CPTM ainda não se manifestou sobre a operação de trens no local, visto que a perícia ainda não atuou na estação para poder informar se há segurança ou não para operação de trens nessa terça-feira. A estação recebe os trens da Linha 7, que ligam à capital até a cidade de Jundiaí, além do serviço 'Expresso Leste', até a estação Guaianazes. No final dessa tarde, os trens da Linha 7 retornavam da estação Palmeiras-Barra Funda, enquanto os trens da Linha 11 faziam retorno da estação Brás.


Não foi a primeira vez
Em 1946, a estação Luz teve seu primeiro incêndio. Na época, a concessão da São Paulo Railway se encerrava e todo o poder da ferrovia, que era inglês desde o começo dos anos 1860 seria repassado ao Governo Federal. Há quem diga que foi incêndio criminoso, mas outros informam que um curto circuito destruiu totalmente a estação, que teve todo o seu corpo queimado, inclusive a torre do relógio. Jornais da época contam que, no momento exato que as chamas alcançaram o relógio, este bateu pela última vez, às quatro horas da manhã. A população que assistia a tragédia em andamento, aplaudiu e, numa mistura de choro e emoção, viu o fim da primeira fase da Luz, que cinco anos depois era entregue para a população paulista, reformada e com um andar a mais. Esse andar extra foi justamente o que se incendiou hoje.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Obrigado por comentar no blog. Pedimos a gentileza de não usar palavras ofensivas contra a empresa nem contra seus funcionários, ou mesmo contra o blogueiro. O objetivo do blog é informar e compartilhar conhecimento.

Siga o blog por email

Seguidores