quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Estação Luz reabre para circulação de trens neste dia 31/12

Incêndio destruiu Museu da Lingua Portuguesa e parte da centenária estação. Trabalhos de restauro continuam.

Fonte: CPTM

Em razão da continuidade das obras de reparos do prédio do Museu da Língua Portuguesa, após incêndio, haverá alteração nas plataformas das estações Luz e Brás

​ A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) reabrirá a Estação da Luz amanhã, quinta-feira, 31, a partir das 4h. Após nova vistoria realizada pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), nesta quarta-feira, 30, a Defesa Civil do município liberou a estação para operação dos trens. Serão utilizadas três plataformas e os acessos à estação serão realizados pela avenida Cásper Líbero e pela calçada da Pinacoteca, na Praça da Luz.

As alterações são necessárias devido às obras de reparo do prédio do Museu, que ainda continuam. Os trens da Linha 11-Coral Expresso Leste farão o trajeto Luz-Guaianases e Brás-Guaianases, alternadamente. Já os trens da Linha 7-Rubi farão o trajeto Brás-Francisco Morato, passando pela Luz, como reforço na oferta de lugares do trecho Brás - Luz.

Veja quais são as mudanças:
 
Acessos à Estação da Luz
Os usuários acessarão a estação pela avenida Cásper Líbero e pelo acesso da calçada da Pinacoteca, na Praça da Luz.
Os acessos pelo saguão principal lado Jardim da Luz, pela Rua Mauá e pela calçada do Museu da Língua Portuguesa permanecerão fechados.

Linha 7-Rubi – Brás-Francisco Morato
Os trens da Linha 7-Rubi farão o trajeto Brás-Francisco Morato, passando pela estação da Luz nas plataformas 1 e 2. Na estação Brás, a Linha 7 utilizará a plataforma 1, como reforço de oferta de lugares no trecho Brás - Luz.
 
Linha 11-Coral – Expresso Leste – Luz-Guaianases
Os trens da Linha 11-Coral farão o trajeto Luz-Guaianases e Brás-Guaianases, alternadamente. Os trens que seguirem até a Luz utilizarão a plataforma 3 para embarque e desembarque.

Linha 10-Turquesa – Brás-Rio Grande da Serra
Para operar a Linha 7-Rubi até o Brás, os trens da Linha 10-Turquesa farão embarque e desembarque pela plataforma 2.

A CPTM ressalta que as alterações visam retornar o serviço de transporte aos usuários na Estação da Luz, ao mesmo tempo que possibilita a continuidade das obras de reparação dos danos causados pelo incêndio e com expectativa de liberação o mais rápido possível do acesso principal e da plataforma 4, utilizada pelos trens da Linha 11-Coral na Estação Luz.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Tarifas de trem, ônibus e metrô serão reajustadas em 09 de janeiro


Fonte: CPTM

A Secretaria Municipal de Transportes e a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos informam que, a partir de 9 de janeiro de 2016, passarão a vigorar os novos valores das tarifas de transporte coletivo sobre pneus na capital paulista e de transporte coletivo sobre trilhos na Região Metropolitana de São Paulo.
A inflação acumulada desde o último reajuste, em 6 de janeiro de 2015, foi de 10,49%, segundo o IPC-Fipe. No entanto, as duas Secretarias de Transportes decidiram, em conjunto, fixar reajuste menor que a inflação.
O bilhete unitário foi reajustado em 8,57%, passando dos atuais R$ 3,50 para R$ 3,80. A tarifa com integração entre ônibus e trilhos, de R$ 5,45 para R$ 5,92.
Além de reajustar a tarifa abaixo da inflação, as duas Secretarias decidiram congelar, sem qualquer reajuste, os valores atuais dos bilhetes temporais:
 
Ônibus ou Trilhos
24 horas: R$ 10,00
Semanal: R$ 38,00
Mensal: R$ 140,00
 
Integrado Ônibus e Trilhos
24 horas: R$ 16,00
Semanal: R$ 60,00
Mensal: R$ 230,00
 
Trilhos (Metrô e CPTM)
Madrugador: R$ 2,92
Da Hora: R$ 2,92
 
EMTU
Para os ônibus da EMTU, o percentual médio do reajuste irá variar em cada uma das cinco Regiões Metropolitanas vinculadas à empresa: São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Sorocaba e Vale do Paraíba – mas nenhum valor será reajustado acima da inflação.

Ações dos governos estadual e municipal visaram preservar orçamento familiar
As administrações municipal e estadual têm atuado no sentido de alinhar alguns aspectos das respectivas políticas tarifárias, visando a redução do peso do transporte no orçamento das famílias residentes na Região Metropolitana de São Paulo. Dentre as medidas tomadas em conjunto, desde então, cabe destacar:
1.                    Foi criado o Bilhete Único de ônibus e trilhos mensal, que permite ao usuário frequente dos sistemas de transporte um desconto em relação à política tradicional do Bilhete Único. Nos dois reajustes desde então, as tarifas dessa modalidade não sofreram qualquer aumento, o que se reflete em um crescimento gradual de sua utilização.
2.                    Também não sofrerá qualquer reajuste o usuário dos bilhetes Madrugador, válido no início da operação do Metrô, entre 4h40 e 6h15, e na CPTM, das 4h até as 5h35. Também ficará sem reajuste o bilhete Da Hora, que concede benefício entre as 9h e 10h da manhã nas linhas 5 do Metrô e 9 da CPTM.
3.                    A tarifa zero permanece para pessoas com deficiência e idosos (a gratuidade foi ampliada para pessoas com mais de 60 anos em julho de 2012 – Lei 15.187) e alunos de escolas e universidades que comprovarem baixa renda. Além disso, todo estudante, da rede pública ou privada, já tem direito à meia tarifa e continuará com esse benefício.
4.                    O trabalhador desempregado, usuário do transporte por ônibus no município, passará a contar com a gratuidade em moldes similares aos praticados no transporte sobre trilhos.
5.                    Mais da metade dos usuários do sistema de transportes (53%) não será impactada pela mudança na tarifa unitária, porque são benificiários de gratuidades, usam bilhetes temporais que não terão aumento ou são trabalhadores que já pagam o limite legal de 6% do salário para o vale transporte.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Técnicos iniciam reforma provisória da Luz

Foto: Renato Cerqueira - Divulgação - Futurapress
Por Diego Silva

Na tarde desta quarta-feira, técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Técnicas de São Paulo) estiveram nos escombros e cinzas da estação Luz, juntamente com bombeiros e técnicos da CPTM. A expectativa era analisar as condições do prédio e saber se é possível reabrir a estação para atendimento dos mais de 400 mil usuários que por ali passam diariamente. Era possível ver dois guindastes erguendo pedaços de madeira e alguns aparatos que restaram do incêndio ocorrido na última segunda-feira, 21 de dezembro.

Segundo a primeira análise do IPT, ainda há risco de desabamento das paredes da estação, por isso o prédio não foi entregue para a circulação de trens. Técnicos do Instituto dizem que, no momento, isto é 'secundário' (devolver a circulação de trens no local). Nesta quarta, iniciam-se algumas obras emergenciais no local, a fim de evitar maiores danos e um possível desabamento. Para a CPTM, há esperança de reabrir a estação na segunda-feira, dia 28. Mas tudo dependerá de uma análise profunda dos técnicos envolvidos na perícia e reforma do centenário prédio.

Enquanto isso, usuários enfrentam lotação e demora nas integrações com o Metrô nas estações Brás e Palmeiras-Barra Funda. Como o fluxo praticamente triplicou, principalmente de manhã, há dificuldade no embarque nas citadas estações. Alguns usuários reclamaram da dificuldade na integração do Brás, observado pelo blog hoje de tarde, mas não houve nenhum contratempo verificado.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Após incêndio, Estação Luz permanecerá fechada por tempo indeterminado

Estação Luz ardeu em chamas na tarde desta segunda, 21 de dezembro. (Imagem: Divulgação G1)
Por Diego Silva

Um dos capítulos mais lamentáveis e tristes de São Paulo foi presenciado na tarde desta segunda, 21 de dezembro de 2015. Ainda sem causas apuradas, um incêndio destruiu o Museu da Língua Portuguesa e, consequentemente, o prédio centenário da Estação Luz, a maior edificação ferroviária de São Paulo, cartão postal e patrimônio histórico. Foi o segundo incidente na estação em 115 anos.

As primeiras informações do acidente chegaram por volta das 16h30. Até então, tratava-se de um pequeno incêndio que consumia algumas salas. De repente, as labaredas tomaram maiores proporções e foram consumindo grande parte da estação. Segundo a imprensa, cerca de 100 bombeiros atenderam o chamado no Centro de São Paulo. O combate efetivo durou cerca de duas horas e havia a preocupação de conter o fogo antes da torre do relógio. Com êxito e com auxílio de uma forte chuva que caiu no local, os bombeiros controlaram o fogo antes que se criasse um prejuízo ainda maior.

Infelizmente houve uma vítima nesse evento: um bombeiro civil, que começou o primeiro combate contra o fogo teve queimaduras graves no corpo e veio a sofrer uma parada cardiorrespiratória, vindo a falecer pouco depois do atendimento. Mas há de se considerar que poderia ter sido muito pior: por ser segunda-feira, o Museu não estava aberto à visitas. Segundo informações da curadoria do Museu, como o material era todo digital, não se perdeu nenhuma obra de grande importância. A parte afetada no incêndio era de uma exposição temporária.

A CPTM ainda não se manifestou sobre a operação de trens no local, visto que a perícia ainda não atuou na estação para poder informar se há segurança ou não para operação de trens nessa terça-feira. A estação recebe os trens da Linha 7, que ligam à capital até a cidade de Jundiaí, além do serviço 'Expresso Leste', até a estação Guaianazes. No final dessa tarde, os trens da Linha 7 retornavam da estação Palmeiras-Barra Funda, enquanto os trens da Linha 11 faziam retorno da estação Brás.


Não foi a primeira vez
Em 1946, a estação Luz teve seu primeiro incêndio. Na época, a concessão da São Paulo Railway se encerrava e todo o poder da ferrovia, que era inglês desde o começo dos anos 1860 seria repassado ao Governo Federal. Há quem diga que foi incêndio criminoso, mas outros informam que um curto circuito destruiu totalmente a estação, que teve todo o seu corpo queimado, inclusive a torre do relógio. Jornais da época contam que, no momento exato que as chamas alcançaram o relógio, este bateu pela última vez, às quatro horas da manhã. A população que assistia a tragédia em andamento, aplaudiu e, numa mistura de choro e emoção, viu o fim da primeira fase da Luz, que cinco anos depois era entregue para a população paulista, reformada e com um andar a mais. Esse andar extra foi justamente o que se incendiou hoje.


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Incêndio atinge estação da Luz e destrói parte da edificação centenária


Por Diego Silva

Um incêndio de grandes proporções atinge nesse momento o segundo andar da estação Luz, no centro da cidade. Ainda não há informações de vítimas nem da causa do incêndio. A estação Luz é um dos patrimônios da cidade e do estado de São Paulo.

No local do incêndio funciona o Museu da Língua Portuguesa, inaugurado em 2006. Segundo informações de funcionários, não haviam visitantes no local, pelo motivo do museu não abrir em dias de segunda-feira. No momento, há cerca de vinte viaturas e oitenta bombeiros no local combatendo o fogo.

Os trens da Linha 7-Rubi da CPTM, que ligam a Luz até Francisco Morato estão retornando da estação Palmeiras-Barra Funda. Os trens da Linha 11, que saem da Luz para Guaianazes, estão chegando e partindo da estação Brás. Os usuários que por ventura estiverem na região da Luz e precisarem acessar essas duas linhas, devem se locomover até a estação Júlio Prestes, da Linha 8-Diamante (fica a cerca de 700 metros da estação Luz) e seguir até a estação Palmeiras-Barra Funda. Para os usuários da Linha 7, somente realizar a transferência de linhas. Para os usuários da Linha 11, realizem a integração com o Metrô e sigam até as estações Brás, Tatuapé ou Corinthians-Itaquera.

Siga o blog por email

Seguidores